Divulgado resultado final do processo seletivo para o curso de doutorado acadêmico em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) divulga a classificação final dos aprovados no processo de seleção de candidatos para ingresso no 1º Semestre de 2021, no curso de doutorado acadêmico do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro (PPGBIO), Chamada Pública 009/2020 e suas republicações.

Confira o resultado e demais informações sobre o processo seletivo na Plataforma Siga-Fiocruz de Gestão Acadêmica em https://www.sigass.fiocruz.br/pub/inscricao.do?codP=127

Ascom-ILMD/Fiocruz Amazônia
Imagem: Mackesy Nascimento

Fiocruz Amazônia divulga resultado dos recursos da Prova Oral e resultado do Processo Seletivo do PPGVIDA

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), torna público o resultado dos recursos da Prova Oral e resultado do Processo Seletivo, conforme disposto no anexo IV, do cronograma do Processo de Seleção, da 5ª Republicação da Chamada Pública Nº 006/2020 – Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia – PPGVIDA.

Confira o resultado AQUI

Todas as informações sobre o processo seletivo do PPGVIDA podem ser acessadas na Plataforma Siga-Fiocruz de Gestão Acadêmica em https://www.sigass.fiocruz.br/pub/inscricao.do?codP=120

Fiocruz lança material com orientações para o fim de ano

Neste momento, o Brasil vive um expressivo aumento no número de casos e de óbitos por Covid-19, com possível agravamento da pandemia, e isso ocorre justamente quando se aproximam as festas de fim de ano. Para orientar sobre como diminuir os riscos de transmissão da Covid-19 durante este período, a Fiocruz sistematizou um conjunto de recomendações que orientam sobre formas mais seguras de passar o Natal e o réveillon. As recomendações, que estão em uma cartilha, podem ser acessadas aqui.

“Uma das várias frentes de atuação da Fiocruz no enfrentamento à pandemia vem sendo a produção de boletins, notas técnicas e outros materiais para fornecer informação segura e qualificada para a população. Este será um fim de ano muito diferente daquele que todos gostaríamos de ter, mas é preciso encontrar um equilíbrio entre o desejo de estarmos todos juntos e a necessidade de medidas protetivas que a pandemia e, especialmente, o aumento do número de novos casos no país, nos coloca. Por isso, é muito importante que as pessoas tenham informações corretas e sigam as recomendações”, alerta a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima.

O material, divulgado tanto por meio de uma cartilha, como a partir de cards informativos que possam ser compartilhados pelo WhatsApp e demais redes sociais, contem orientações sobre o modo de preparar e servir os alimentos, a organização do ambiente e medidas gerais de proteção tanto para quem vai receber outras pessoas em sua casa, como quem vai para algum evento.

“Após um ano tão difícil, mais do que nunca as pessoas querem encontrar e festejar com seus familiares e amigos. No entanto, entendemos que preservar a vida é o melhor presente para compartilhar neste final de ano. Por isso, apesar da cartilha oferecer orientações considerando diversos cenários, é importante frisar que a principal recomendação é celebrar em casa, apenas com as pessoas que já vivem juntas, sem aglomeração e sem convidados externos”, destaca o coordenador do Observatório Covid-19 da Fiocruz, Carlos Machado.

A produção do material contou apoio e colaboração do Observatório Covid-19 da Fiocruz, bem como de outros especialistas da Fundação.

CCS/Fiocruz, por Claudia Lima

Descoberta genética da Covid-19 no Amazonas é destaque na 6ª edição da Fiocruz Amazônia Revista

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) lançou a 6ª edição da Fiocruz Amazônia Revista, um veículo de popularização da ciência, por meio da divulgação científica, com publicação semestral e em formato digital. A revista já está disponível no site da Instituição.

Para acessar a Revista, clique.

Com 73 páginas, a nova edição da Fiocruz Amazônia Revista, aborda com destaque a “Descoberta genética da Covid-19 no Amazonas”. A reportagem aborda o primeiro sequenciamento do genoma completo do SARS-CoV-2 na região Norte, concluído 10 dias após a confirmação do primeiro caso de Covid-19 na cidade de Manaus. Confira na página 24.

A edição também destaca um repositório digital, que reúne reflexões e conhecimentos construídos sobre a pandemia em diversos contextos. Além disso, uma rede científica que monitora e divulga dados sobre pandemia na região transfronteiriça entre Brasil, Colômbia e Peru também é destaque da nova edição.

A Fiocruz Amazônia Revista traz ainda uma entrevista com Rivaldo Venâncio, coordenador de Vigilância em Saúde e Laboratórios de Referência da Fiocruz, fazendo uma análise sobre os desafios encontrados por gestores e pesquisadores ao longo desta pandemia

Assim como nas edições anteriores, em breve, será lançado o cartão com o QRCode  (código de barras bidimensional) de acesso à  Fiocruz Amazônia Revista.   Por enquanto, o download pode ser feito no site Fiocruz Amazônia.

SOBRE A REVISTA

Criada com a missão de divulgar à sociedade os frutos de esforços científicos desenvolvidos por pesquisadores da Fiocruz, a “Fiocruz Amazônia Revista” é um veículo de popularização da ciência que adota o jornalismo científico para divulgar pesquisas, cursos, ações e eventos que possam contribuir para a melhoria das condições de vida e saúde das populações amazônicas e para o desenvolvimento científico e tecnológico regional.

No site da Fiocruz Amazônia você também acessa a outras publicações da Fiocruz. Confira.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagem: Mackesy Nascimento

Atenção psicossocial aos povos indígenas 

A Covid-19 mudou a rotina das pessoas do mundo inteiro. Entre as populações mais vulnerabilizadas o perigo de morte toma proporções alarmantes. Quanto mais isolados, menos efetivas as medidas preventivas tendem a ser. Torna-se necessário um diálogo mais próximo e que contemple a diversidade étnica dos povos indígenas da Amazônia. O  Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) implementa ações que busque mitigar os efeitos da pandemia entre essa população atuando na formação de profissionais que estão diretamente envolvidos na assistência desses grupos.

De acordo com a coordenadora do Curso de Formação, a psicóloga Alessandra Pereira, a pandemia traz preocupações quanto à saúde indígena sob 2 aspectos: o risco de morte e os prejuízos à saúde mental.

“Culturalmente, os povos indígenas não fragmentam o conceito de saúde, entre física e mental. Portanto, a linha de atuação da formação que propomos centra-se no bem-viver e na saúde indígena”, enfatizou. Como fator diferencial, Alessandra destaca o perfil da equipe de trabalho. “Não se trata de um curso, uma formação, pensada por especialistas da Fiocruz. É uma articulação formada por indígenas, que intervém diretamente na integração dos elementos e dos temas considerados necessários para o diálogo com os povos indígenas”, ratifica a coordenadora.

O grupo é composto por 11 professores conteudistas e oito revisores interculturais, sendo estes últimos todos indígenas. A participação dos revisores, por toda sua vivência na comunidade indígena, é um parâmetro importante que guia as escolhas do projeto no que tange a linguagem (visual e textual), o próprio conteúdo e as abordagens escolhidas para tratar os assuntos durante a formação.

“A primeira coisa que nos preocupou era como iríamos lidar com tamanha diversidade étnica. Era mais fácil buscar pessoas que tivessem conhecimento e reconhecimento em seus contextos sociais. Acionamos a Articulação Brasileira de Indígenas Psicólogos (Abipsi) e conseguimos reunir profissionais do Pará, de Roraima, Amazonas e Recife”, explicou Alessandra. A preocupação tem fundamento, já que a atuação do projeto se estende pelos estados do Amazonas, Acre, Pará, Roraima e Amapá, em sete áreas prioritárias, atingindo 90 etnias. Um trabalho que deve dialogar com nove famílias linguísticas: Tukano Oriental, Aruak, Maku, Tupi, Tikuna, Je, Karib, Pano e Katuquina.

A FORMAÇÃO

Alessandra explicou que a formação conduzida pela Fiocruz terá cinco módulos e deve abranger aspectos relacionados à saúde mental e fatores psicossociais que já eram enfrentados pelas  populações indígenas, mas que se intensificaram no período da Covid-19. Os temas abordados nos módulos serão: Autoatenção e estratégias comunitárias; cuidados com crianças, jovens e idosos; violência (com destaque para as cometidas contra mulheres); uso abusivo de álcool e outras drogas; e suicídio.

Dois produtos estão em fase de elaboração e serão a base da atividade: um material escrito (formato de cartilha) e um material audiovisual (formato de videoaulas). O conteúdo ficará hospedado na plataforma EAD da Fiocruz em Brasília  e as interações entre alunos e professores, diante das dificuldades de conectividade virtual, acontecerão via Whatsapp. “A previsão é que no início de fevereiro já estejamos com o curso no ar”, afirmou a psicóloga. Tudo a distância, resguardando a segurança da equipe e dos participantes.

A coordenadora salientou que os jovens e líderes comunitários, pessoas e profissionais ligados à educação, sistemas de proteção social (conselheiros tutelares, professores) e à assistência social serão mobilizados para o curso. A ideia é construir uma rede de apoio psicossocial que, nesta primeira investida, possa atingir mil pessoas, pelo menos.

PROJETO MACRO

O Curso e uma série de outras ações integram uma articulação maior da qual fazem parte, além da Fiocruz, o Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef) e a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab).

O projeto macro tem como objetivo oferecer apoio aos Povos Indígenas da Amazônia brasileira na prevenção e mitigação dos impactos da Covid-19 e é financiado pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid). Ao todo, prevê-se que 27.130 famílias indígenas serão beneficiadas. O cronograma de atividades deve se estender até março de 2021.

Lahpsa-ILMD/Fiocruz Amazônia, por Grace Soares

Divulgada classificação final dos aprovados para o curso de doutorado acadêmico em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro  

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) divulga a classificação final dos aprovados no processo de seleção de candidatos para  ingresso no 1º Semestre de 2021, no curso de doutorado acadêmico do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro (PPGBIO), Chamada Pública 009/2020 e suas republicações.

Confira o resultado e demais informações sobre o  processo seletivo na Plataforma Siga-Fiocruz de Gestão Acadêmica em https://www.sigass.fiocruz.br/pub/inscricao.do?codP=127

CLIQUE e saiba mais sobre as chamadas públicas do ILMD/Fiocruz Amazônia.

Ascom-ILMD/Fiocruz Amazônia
Imagem: Mackesy Nascimento

Covid-19 e os efeitos na saúde da população indígena da Amazônia

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) iniciou na última quarta-feira (09/12) a coleta de dados sobre os Conhecimentos, Práticas e Atitudes (CAP) entre jovens indígenas em relação aos cuidados com a saúde mental durante a  pandemia de Covid-19.

A aplicação do CAP é a primeira etapa de desenvolvimento do projeto intitulado “Apoio para os povos indígenas da Amazônia Brasileira na prevenção e Mitigação dos impactos da Covid-19”. Trata-se de uma ação realizada em parceria com o Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef) e a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab).

Quatro estados em oito áreas de abrangência integram o campo de estudo: Alto Rio Negro (AM), Alto Solimões (AM), Alto Purus (AC-AM); Yanomami (RR), Leste de Roraima (RR), Guamá-Tocantins (PA) e Amapá e Norte do Pará (AP-PA).

SOBRE O CAP

Com este levantamento, a Fiocruz busca orientar as ações de formação e futuras intervenções: saber o que as pessoas entendem (conhecimento) sobre um tema específico. Em seguida, identificar opiniões, sentimentos, crenças (atitudes) sobre as quais o tema está envolvido. Finalmente, o trabalho de diagnóstico estará completo com a identificação das ações (práticas) que os conhecimentos e as atitudes de uma pessoa os leva a praticar.

“O instrumento nos ajudará no melhor entendimento dos efeitos da Covid-19 na saúde mental dos jovens indígenas em diferentes territórios da Amazônia. O levantamento trará informações relevantes sobre o perfil e as práticas de diversos grupos indígenas em várias comunidades e pequenos centros urbanos”, destacou o coordenador da atividade CAP e pesquisador do Laboratório de História, Políticas Públicas e Saúde na Amazônia do Lahpsa-ILMD/Fiocruz Amazônia, Júlio Schweickardt.

Participam como público-alvo do estudo jovens entre 15 e 22 anos de idade. A expectativa da equipe é cumprir a meta de aplicar o CAP em 300 indígenas, os quais deverão representar a diversidade étnica de cada região.

Para o pesquisador, é muito importante o acesso às informações sobre essa faixa de público, de modo que possam subsidiar as organizações indígenas e instituições públicas em ações direcionadas para o grupo. “Temos poucos estudos sobre a saúde mental de jovens indígenas, portanto, temos uma grande oportunidade de apresentar resultados relevantes para orientar as ações de saúde mental e de proteção social como uma resposta à pandemia que atinge as populações indígenas de modo trágico”, enfatizou o coordenador.

O questionário é online (diante do contexto de risco que a pandemia impõe ao indígena e à equipe) e autoaplicável. Seu acesso é via link da plataforma Google Forms. Está organizado da seguinte maneira: Bloco A – Informações sociodemográficas; Bloco B – Conhecimento sobre Saúde Mental, Discriminação e violência, Hábitos e Costumes; e Bloco C – Informações sobre Covid-19.

Uma rede de apoiadores locais foi montada para dar suporte aos jovens no processo de preenchimento e diminuir dificuldades ou resistências durante o processo.

A coleta se estende até 15 de janeiro de 2021. Os dados, depois de analisados, poderão subsidiar políticas públicas voltadas aos jovens indígenas no campo da saúde mental e da proteção social.

Lahpsa-ILMD/Fiocruz Amazônia, por Grace Soares

Fiocruz Amazônia divulga resultado da prova oral para o processo seletivo do PPGVIDA

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), torna público o resultado da  Prova Oral (4ªEtapa) do Processo de Seleção da 5ª Republicação da Chamada Pública Nº 006/2020 – Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia – PPGVIDA.

Confira o resultado AQUI

Todas as informações sobre o  processo seletivo do PPGVIDA podem ser acessadas na Plataforma Siga-Fiocruz de Gestão Acadêmica em https://www.sigass.fiocruz.br/pub/inscricao.do?codP=120

ILMD / Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagem: Mackesy Nascimento

Inscrições para a 10ª edição da Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente da Fiocruz vão até o dia 13 de dezembro

As inscrições para a 10ª Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente da Fiocruz (Obsma) estão chegando à reta final. Professores (as) da educação básica de todo o Brasil têm até o dia 13 de dezembro (próximo domingo) para inscrever os trabalhos dos estudantes do Ensino Fundamental II (6º ao 9º ano) e Ensino Médio, incluindo, nas duas categorias, Educação de Jovens e Adultos – EJA.

Em função dos impactos causados pelo isolamento social para o enfrentamento da pandemia da Covid-19, os projetos poderão ser desenvolvidos de forma totalmente remota e enviados por e-mail, obedecendo aos critérios estabelecidos no regulamento e enquadrando-se em uma das três modalidades: Produção Audiovisual, Produção de Textos e Projeto de Ciência.

Os trabalhos inscritos devem ser originais e abordar, obrigatoriamente, as temáticas relacionadas à saúde e ao meio ambiente. Nessa edição, além das tradicionais premiações a nível regional e nacional, também será oferecido o Prêmio Especial Menina Hoje, Cientista Amanhã, a um projeto inscrito na Olimpíada e desenvolvido por grupos de alunas e professoras do gênero feminino. Dessa maneira, a Obsma afirma seu compromisso com o incentivo de carreiras científicas para meninas e jovens mulheres nas áreas de ciência e tecnologia.

As inscrições para a 10ª edição da Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente da Fiocruz (Obsma) devem ser realizadas, exclusivamente, pelo site oficial: www.olimpiada.fiocruz.br. Diante do atual cenário de pandemia da Covid-19 e greve dos Correios, os trabalhos também poderão ser desenvolvidos de forma totalmente remota e envidos através do seguinte endereço de e-mail: trabalhosobsma@gmail.com . Importante indicar, no corpo do e-mail, o nome completo, o título do projeto e não esquecer de anexar o arquivo.

Em caso de dúvidas, o professor (a) deve entrar em contato com a Coordenação Nacional da Olimpíada pelo e-mail: olimpiada@fiocruz.br ou telefone (21) 3882-9291

Por Samantha Mahara Martynowicz

Divulgado resultado final da 2ª etapa do processo seletivo do PPGBIO

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), por meio da Comissão de Seleção do Processo Seletivo do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro (PPGBIO), divulga os resultados dos pedidos de recursos e final da 2ª etapa.

Confira AQUI o resultado.

Todas as informações sobre o  processo seletivo do PPGBIO podem ser acessadas na Plataforma Siga-Fiocruz de Gestão Acadêmica em https://www.sigass.fiocruz.br/pub/inscricao.do?codP=127

CLIQUE e saiba mais sobre as chamadas públicas vigentes  do ILMD/Fiocruz Amazônia.

Ascom-ILMD/Fiocruz Amazônia
Imagem: Mackesy Nascimento