Fiocruz Amazônia divulga resultado de seleção para aluno especial nos programas PPGBIO-Interação e PPGVIDA

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) divulgou nesta quinta-feira, 20/2, o resultado da Seleção para vagas de aluno especial em disciplinas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA) e em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro (PPGBIO-Interação), para o 1° semestre de 2020.

Confira o resultado para o PPGBIO-Interação

Confira o resultado para o PPGVIDA

SOBRE O PPGVIDA

O curso de mestrado em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia tem como objetivo capacitar profissionais para desenvolver modelos analíticos, capazes de subsidiar pesquisas em saúde, apoiar o planejamento, execução e gerenciamento de serviços e ações de controle e o monitoramento de doenças e agravos de interesse coletivo e do Sistema Único de Saúde na Amazônia.

O PPGVIDA também visa planejar, propor e utilizar métodos e técnicas para executar investigações na área de saúde, mediante o uso integrado de conceitos e recursos teórico-metodológicos advindos da saúde coletiva, biologia parasitária, epidemiologia, ciências sociais e humanas aplicadas à saúde, comunicação e informação em saúde e de outras áreas de interesse acadêmico, na construção de desenhos complexos de pesquisa sobre a realidade amazônica.

SOBRE O PPGBIO-INTERAÇÃO

O Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro é curso strictu sensu que tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro no âmbito da maior biodiversidade mundial.

O curso se enquadra na grande área em Parasitologia devido a pesquisa e ensino terem ênfase na eco-epidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores; fatores de virulência, mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

Estes diversos aspectos são os principais delineadores para escolha da área de concentração da Ciências Biológicas III, por esta ser uma área multidisciplinar e baseada no eixo bioquímica, genética, biológico, celular e molecular. Os alunos recebem uma formação em áreas estratégicas por sua importância e que precisam ser desenvolvidas no Estado.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Fiocruz Amazônia articula a realização de atividades de formação para o SUS em Uarini (AM)

A direção do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) recebeu no dia 14/2, Orivane Cordovil Lopes, secretária de Saúde do município de  Uarini (AM) para tratar de atividades de formação para o Sistema Único de Saúde (SUS) na região, iniciando com uma oficina a ser realizada nos dias 17 e 18 de março, na comunidade flutuante de São Raimundo do Jarauá – Setor Jarauá, em Uarini.

O encontro  foi articulado pelo pesquisador da Fiocruz Amazônia, Marcílio Medeiros, membro do Laboratório Território, Ambiente, Saúde e Sustentabilidade (TASS), que irá ministrar a oficina. Segundo ele, a atividade proposta integra o projeto de pesquisa “Atenção à saúde das populações do campo, da floresta e das águas: perspectivas de um sistema de garantias de direitos para as populações ribeirinhas das unidades de conservação ambiental”,  amparado pelo edital Novos Talentos da Fiocruz.

Marcílio explica que a articulação com as comunidades dos municípios de Alvarães, Fonte Boa, Japurá, Jutaí, Maraã, Tonantins e Uarini que compõem a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (RDSM) são feitas desde o ano passado, com a devolutiva de sua pesquisa.

“Na oportunidade, lá fizemos o Curso de Conselheiros Municipais de Saúde e ministramos palestra na Conferência Municipal de Saúde. Em agosto de 2019, nós realizamos em Fonte Boa a Oficina de Trabalho de Apresentação dessa estruturação do Sistema de Garantia de Direitos, reunimos todos os setores dos governos municipais e tivemos a participação do Ministério Público, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS) e da Secretaria de Saúde do Amazonas (Susam), no sentido de apresentar e corresponsabilizar todos os atores para a construção desse sistema”.

Para o diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia, Sérgio Luz, trabalhar de forma articulada com as instituições e organizações sociais nos municípios é imprescindível para o conhecimento da realidade local e para a realização de um trabalho efetivo nas comunidades, o que impacta favoravelmente para o bom desempenho dos trabalhadores do SUS. Neste sentido ela falou sobre o Projeto QualifacaSUS, da Fiocruz Amazônia.

“O projeto QualificaSUS é uma outra oportunidade de estarmos contribuindo para a qualidade do serviço e efetividade aos usuários do SUS, pois essa iniciativa tem como objetivo qualificar o corpo de trabalhadores que atua na gestão e no atendimento das Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Amazonas e em órgãos parceiros”, comentou.

Orivane Lopes manifestou estar muito otimista e esperançosa em relação à parceria do município de Uarini com a Fiocruz Amazônia.

“A gente sabe o quanto é importante a parceria dos municípios com a Fiocruz, especialmente pela facilidade de que as pessoas, profissionais, tanto do nível superior, quanto do médio, podem aproveitar e aprender para melhorar os atendimentos da saúde, tanto nas comunidades ribeirinhas, quanto na própria sede do município. Então, a gente almeja o melhor para a população, nesse quesito”, disse.

Marcilio informou ainda que a referida formação no Jarauá antecederá as atividades da XXVIII Assembleia Geral da RDSM que reunirá moradores(as), trabalhadores(as) e lideranças das associações das 200 comunidades da Reserva, além de técnicos e gestores das secretarias municipais e estaduais. A Assembleia acontecerá no período de 19 a 22 de março de 2020, no município de Uarini/AM

Sérgio Luz adiantou que outras iniciativas de saúde podem acontecer nesse período, e que para isso buscará parcerias com outras instituições, para a realização de serviços de saúde durante a Assembleia Geral da RDSM.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Marlúcia Seixas

Fiocruz Amazônia abre inscrições para especialização em Gestão das Organizações Públicas de Saúde em Manaus

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) lançou processo seletivo para o curso de especialização em Gestão das Organizações Públicas de Saúde,  a ser realizado em Manaus(AM). As inscrições são online  e podem ser feitas no  período de 13 a 28 de fevereiro.

O curso se destina a profissionais com nível superior que atuam na área de gestão da Atenção Básica. Para o processo seletivo estão sendo ofertadas 50 vagas.

A especialização acontece no âmbito do Projeto QualificaSUS, que é apoiado por emenda parlamentar da bancada do Amazonas. Para esta atividade, a Fiocruz Amazônia conta com parceria do Conselho dos Secretários Municipais de Saúde (Cosems-AM).

Confira o edital AQUI

O processo seletivo simplificado para o curso se dará em duas etapas eliminatórias: homologação das inscrições e  análise documental para efeito de pontuação.

Esclarecimentos sobre os documentos e envio da inscrição podem ser solicitados somente através do endereço eletrônico duvidaslato.ilmd@fiocruz.br

Para se inscrever, o candidato deve apresentar a documentação solicitada no edital. Para efetivar a inscrição, o candidato deve enviar toda documentação exigida, digitalizada em um único arquivo, no formato “pdf”, de até 10MB, para o endereço eletrônico inscricaolato.ilmd@fiocruz.br

Acesse o edital.

SOBRE O QUALIFICASUS

O Projeto QualificaSUS  é uma iniciativa do ILMD/Fiocruz Amazônia, que tem como objetivo qualificar o corpo de trabalhadores que atuam na gestão e no atendimento das Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Amazonas e em órgãos parceiros, a fim de proporcionar um serviço de melhor qualidade e efetividade aos usuários do SUS.

São cursos de atualização, especialização e mestrado que adotam modelo pedagógico pautado na integração ensino-serviço, na problematização da realidade local, na valorização do conhecimento e experiência do trabalhador, entendido como sujeito das práticas desenvolvidas nas unidades de saúde.

Os cursos estão sendo ofertados em todos os 61 municípios, além da capital Manaus. A iniciativa conta com recursos oriundos de emenda parlamentar da bancada do Amazonas e com parceria do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Amazonas (Cosems-AM).

Atualmente, a Fiocruz Amazônia, por meio do Projeto QualificaSUS, realiza um curso de mestrado profissional, em Manaus;  mais 4 cursos  de pós-graduação lato sensu, que acontecem nos municípios de Tabatinga, Itacoatiara, Tefé e Maués; e 33 cursos de atualização para profissionais que atuam no Sistema Único de Saúde (SUS) no Amazonas.

O edital e demais chamadas públicas da Fiocruz Amazônia estão disponíveis em https://amazonia.fiocruz.br/?page_id=28031

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Imagem: Mackesy Nascimento

 

Projeto da Fiocruz Amazônia estimula vocações científicas entre meninas e mulheres

Em celebração ao Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, o Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), por meio do  Laboratório Território, Ambiente, Saúde e Sustentabilidade na Amazônia (TASS), recebeu nesta terça-feira, 11/2, meninas entre 7 e 14 anos, oriundas do movimento popular de moradia urbana, e de ações de assistência aos imigrantes venezuelanos em Manaus, para um ciclo de atividades promovidas pelo projeto “Numiô-Momôro: Meninas cientistas da Amazônia”.

As atividades promovidas pelo projeto do ILMD/Fiocruz Amazônia, possuem como foco central a promoção de atividades educativas e a aproximação das meninas ao universo científico. Durante o evento, as meninas puderam participar de dinâmicas, jogos e rodas de conversas, além de conhecer a trajetória de pesquisadoras que atuam na área de ciência, tecnologia e inovação, visando fomentar vocações científicas entre meninas e adolescentes através do conhecimento.

O projeto “Numiô-Momôro: Meninas cientistas da Amazônia” foi aprovado na chamada interna da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz): ”Mais meninas na Fiocruz”, que tem por objetivo incentivar e fortalecer o papel fundamental que mulheres desempenham nas áreas de pesquisas científicas e tecnológicas.

Tais ações reafirmam o empenho da Instituição e a importância da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável (ONU / 2015), que tem como estratégia principal a adoção de objetivos e metas universais para “proteger os direitos humanos e promover a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres e meninas em todos os níveis”.

Sérgio Luz, diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia destacou a importância da promoção de diversas atividades fomentadas pela Fiocruz em todo o país. “Hoje, todas as unidades da Fiocruz no Brasil estão promovendo ações de reflexão, de conversa, para que possamos falar sobre isso. É importante que essas meninas e mulheres possam se apropriar, prestar atenção e crescer com esse orgulho de serem mulheres que podem atuar na área científica, fazendo uma ciência ainda melhor para o cuidado da nossa população”, ressaltou.

O PROJETO NUMIÔ-MOMÔRO

Numiô-Momôro é uma expressão do idioma indígena Ye’pâ Masa (conhecido na literatura como Tukano, falado pelo povo de mesmo nome, habitante da região do Alto Rio Negro, no noroeste da Amazônia) e significa “Menina -Borboleta”. As palavras remetem a ideia de transformação que o projeto busca fomentar, proporcionando o estímulo de vocações científicas entre meninas e adolescentes.

“A ideia principal é estimular meninas e mulheres a terem esse contato com o mundo científico. Houve um esforço da Instituição, para desta vez trazermos crianças que possuem uma série de dificuldades em acessar esse universo. A Fiocruz assumiu isso como um compromisso institucional nacionalmente, esperamos que futuras ações do projeto tenham uma acolhida ainda maior por parte dos pesquisadores e novos apoiadores”, destacou Fabiane Vinente, coordenadora do projeto.

MULHERES E MENINAS NA CIÊNCIA

O Dia foi instituído pela Assembleia das Nações Unidas, em 22 de dezembro de 2015, com objetivo de propiciar ações que possam vir a contribuir para a promoção do acesso integral e igualitário da participação de mulheres e meninas na ciência, tecnologia e inovação.

A data é um movimento liderado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e pela Organização das Nações Unidas (ONU Mulheres). Outras atividades também serão promovidas em diversas unidades da Fiocruz, celebrando a data e confirmando o compromisso da Fundação em propiciar espaços para a discussão sobre gênero, ciência e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que compõem a Agenda 2030.

Rayssa Lima da Rocha, 14, avaliou a experiência de maneira positiva. “Achei muito legal a conversas com as pesquisadoras, até me senti mais estimulada a estudar mais e quem sabe me tornar uma cientista. Achei muito curioso as apresentações sobre os mosquitos, o que eles transmitem, eu nem fazia ideia. Acho que serei uma cientista”, disse.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Fotos: Eduardo Gomes e Diovana Rodrigues

 

Reunião na Fiocruz Amazônia aborda fortalecimento da rede laboratorial de saúde pública no país

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) recebeu, na última sexta-feira (7/2), a visita de uma comitiva do projeto “Fortalecimento da Rede de Laboratórios de Saúde Pública para Atendimento às Emergências em Vigilância em Saúde”, formada por representantes da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) Brasília e do representante do Centers for Disease Control and Prevention (CDC), órgão americano responsável por investigar doenças infecciosas.

O projeto tem como objetivo o fortalecimento da rede laboratorial de saúde pública no país, com o foco para atendimento às emergências. A comitiva formada pelos técnicos da Fiocruz-Brasília, Mariana Verotti, Thais Minuzzi e Maria Helena Cunha e do CDC, Leonard Peruski, visitou outros dez laboratórios de saúde pública espalhados no Brasil.

O Vice-Diretor de Pesquisa e Inovação da Fiocruz Amazônia, Felipe Naveca, apresentou as atribuições do Instituto, a produção, e pesquisas desenvolvidas. Os consultores também puderam visitar os laboratórios para conhecerem os processos e infraestrutura do Instituto. Durante uma visita guiada, a comitiva conheceu ainda futuras instalações onde serão desenvolvidos estudos realizados por pesquisadores da instituição.

SOBRE O ILMD/FIOCRUZ AMAZÔNIA

O ILMD/Fiocruz Amazônia é a unidade técnico-científica da Fundação Oswaldo Cruz no Amazonas, que visa contribuir para a melhoria das condições de vida e saúde das populações amazônicas, integrando pesquisa, educação e ações de saúde pública. Para o desenvolvimento de suas ações conta com instituições parceiras que apoiam projetos de caráter multidisciplinar e interinstitucional, gerando conhecimentos essenciais para a criação de políticas públicas, que contribuam para a melhoria da qualidade de vida da sociedade.

 

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Fotos: Eduardo Gomes

Fiocruz Amazônia inicia especialização em Gestão das Organizações Públicas de Saúde em Maués (AM), por meio do Projeto QualificaSUS

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) iniciou na segunda-feira, 10/2, a segunda turma do curso de especialização em Gestão das Organizações Públicas de Saúde, pelo Projeto QualificaSUS . A nova turma acontece em Maués, e vai atender a profissionais de saúde daquela cidade e de municípios do entorno.

A abertura do curso aconteceu no auditório do Hospital Raimunda Francisca Dinelly “Dona Mundiquinha” e contou com a presença de autoridades locais e alunos do curso. As aulas estão sendo realizadas em sala da unidade da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) no município.

Durante o evento, o secretário de Saúde de Maués, Franmartony Firmo, destacou a importância do curso para os profissionais de saúde que atuam no Sistema Único de Saúde (SUS), para que possam compreender e colaborar para a melhoria da gestão das unidades de saúde da região.

“É uma grande oportunidade para os profissionais de saúde e para a população de Maués, um curso desse nível oferecido pela Fiocruz Amazônia, aqui. Acho que é um grande ganho para o município, para os profissionais e para as pessoas. Só temos a agradecer à Fiocruz Amazônia, agradecer ao Cosems Amazonas, à Susam e à a Prefeitura de Maués”, comentou Franmartony.

Na oportunidade, o coordenador do curso, Riter Lucas Garcia, falou sobre a metodologia do curso e da importância da participação dos alunos, uma vez que o curso é modular, com aulas que acontecem uma vez por mês durante uma semana.

Giovana Brandão Farias, aluna do curso.

Para a aluna do curso, Giovana Brandão Farias, que atua como coordenadora da Atenção Básica  em Saúde, a oportunidade de fazer uma especialização nessa área em Maués, é única. “Eu vi essa oportunidade como única, pois eu tenho a facilidade de fazer a pós-graduação no município onde eu trabalho, sem ter a dificuldade de deslocamento, de gastos e é uma especialização que está na minha rotina de trabalho. Então, eu acredito que não só para mim, como para os meus colegas, temos conhecimento a aprender e colocar em prática”, disse.

Também aluno do curso,  José Eduardo Bragança dos Santos, farmacêutico e bioquímico, concursado do estado e do município disse estar motivado para as aulas. “É uma satisfação muito grande participar do curso,  é o segundo que eu participo, ministrado pela Fiocruz,  e isso engrandece o nosso currículo e a gestão. A gestão, que é algo muito importante, que a gente precisa estar se qualificando e repassando essas informações para a população”, comentou.

 

SOBRE O QUALIFICASUS

O Projeto QualificaSUS  é uma iniciativa do ILMD/Fiocruz Amazônia  que tem como objetivo qualificar o corpo de trabalhadores no nível da gestão e do serviço das Secretarias Municipais de Saúde do Amazonas e órgãos parceiros, a fim de proporcionar um serviço de melhor qualidade e efetividade aos usuários do SUS.

São cursos de atualização, especialização e mestrado profissional  que adotam modelo pedagógico pautado na integração ensino-serviço, na problematização da realidade local, na valorização do conhecimento e experiência do aluno trabalhador, entendido como sujeito das práticas de gestão e sanitárias desenvolvidas nas unidades de saúde.

Os cursos são ofertados em todos os 61 municípios, além da capital Manaus. A iniciativa conta com apoio de emenda da bancada parlamentar do Amazonas e com parceria do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Amazonas (Cosems-AM).

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Marlúcia Seixas

Projeto “Numiô-Momôro” da Fiocruz Amazônia promove ciclo de atividades no Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência

Na próxima terça-feira, 11/2, às 13h30, o Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), por meio do  Laboratório Território, Ambiente, Saúde e Sustentabilidade na Amazônia (TASS), promove um ciclo de atividade do projeto “Numiô-Momôro: Meninas cientistas da Amazônia”, em celebração ao Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência.

O evento é aberto ao público e será realizado no Salão Canoas, auditório da Fiocruz Amazônia, que fica situada à Rua Teresina, 476, Adrianópolis, zona Centro-sul de Manaus. A atividade é realizada em parceria com o Movimento Orquídeas e o coletivo feminista amazonense Instituto Mana.

Participarão da atividade meninas entre 7 e 14 anos, oriundas do movimento popular e moradia urbana e de ações de assistência aos imigrantes venezuelanos em Manaus.

Confira a programação AQUI

Durante o evento, estão previstas dinâmicas, jogos e rodas de conversas com mulheres que atuam na área de ciência, tecnologia e inovação, visando fomentar vocações científicas entre meninas e adolescentes através do conhecimento sobre carreira e vida de pesquisadoras em atuação na Fiocruz Amazônia.

As atividades promovidas pelo projeto do ILMD/Fiocruz Amazônia, no Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, possuem como foco central a promoção de atividades educativas e a aproximação das meninas ao universo científico.

Tais ações reafirmam o empenho da Instituição e a importância da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável (ONU / 2015), que tem como estratégia principal a adoção de objetivos e metas universais para “proteger os direitos humanos e promover a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres e meninas em todos os níveis”.

SOBRE O PROJETO NUMIÔ-MOMÔRO

O projeto “Numiô-Momôro: Meninas cientistas da Amazônia” foi aprovado na chamada interna da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz): ”Mais meninas na Fiocruz”, que tem por objetivo incentivar e fortalecer o papel fundamental que mulheres desempenham nas áreas de pesquisas científicas e tecnológicas.

Numiô-Momôro é uma expressão do idioma indígena Ye’pâ Masa (conhecido na literatura como Tukano, falado pelo povo de mesmo nome, habitante da região do Alto Rio Negro, no noroeste da Amazônia) e significa “Menina -Borboleta”. As palavras remetem a ideia de transformação que o projeto busca fomentar, proporcionando o estímulo de vocações científicas entre meninas e adolescentes.

“Historicamente, as mulheres sempre estiveram envolvidas com a ciência, temos grande nomes de cientistas que fizeram e fazem história até hoje, mas há uma sub-representação das mulheres no meio científico. É muito importante que a Fiocruz tenha essa iniciativa, pois ajuda a mudar esse quadro, aproximando essas meninas do fazer científico”, destacou Fabiane Vinente, coordenadora do projeto.

MULHERES E MENINAS NA CIÊNCIA

O Dia foi instituído pela Assembleia das Nações Unidas, em 22 de dezembro de 2015, com objetivo de propiciar ações que possam vir a contribuir para a promoção do acesso integral e igualitário da participação de mulheres e meninas na ciência, tecnologia e inovação.

A data é um movimento liderado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e pela Organização das Nações Unidas (ONU Mulheres). Outras atividades também serão promovidas em diversas unidades da Fiocruz, celebrando a data e confirmando o compromisso da Fundação em propiciar espaços para a discussão sobre gênero, ciência e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que compõem a Agenda 2030.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagem: Mackesy Nascimento

PPGBIO – Interação divulga calendário de qualificações da turma 2019

A Secretaria Acadêmica (SECA) do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) informa novas datas de qualificação da Turma 2019 do Curso de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro (PPGBIO-Interação). As apresentações acontecem na sede da Fiocruz Amazônia, situada à Rua Teresina, 476, Adrianópolis/ Manaus.

 

CALENDÁRIO DE QUALIFICAÇÕES:

 

Título do Projeto: Anomalias em glândulas salivares de Anopheles darlingi E Anopheles aquasalis, e suas implicações no ciclo esporogônico do Plasmodium vivax

Aluno:  Hermom Souza Mendes

Orientadora: Dr.ª Cláudia Maria Rios Velasquez – ILMD/FIOCRUZ

Data: 12/02/2020

Horário: 09h

Local: Sala de aula 101, 1º andar – ILMD-FIOCRUZ – Rua Teresina, 476, Adrianópolis/ Manaus-AM CEP 69057 070.

 

Título do Projeto: Filárias em roedores silvestres, marsupiais e vetores em um assentamento rural na Amazônia Central

Aluno: Paulo Roberto Bonates da Silva

Orientadora: Dr.ª Alessandra Ferreira Dales Nava – ILMD/FIOCRUZ

Data: 20/02/2020

Horário: 09h

Local: Sala de aula 101, 1º andar – ILMD-FIOCRUZ – Rua Teresina, 476, Adrianópolis/ Manaus-AM CEP 69057 070.

 

Título do Projeto: Vigilância genômica de vírus respiratórios circulantes nos anos de 2019 e 2020 em Manaus, Amazonas

Aluna: Fernanda Oliveira do Nascimento

Orientador: Dr. Felipe Gomes Naveca – ILMD/FIOCRUZ

Data: 20/02/2020

Horário: 09h

Local: Salão Canoas, Térreo – ILMD-FIOCRUZ – Rua Teresina, 476, Adrianópolis/ Manaus-AM CEP 69057 070.

 

Título do Projeto: Caracterização genética do Parvovírus B19 em pacientes com Síndrome Febril Indiferenciada nos Estados do Amazonas e de Roraima

Aluna: Ágatha Kelly Araújo da Costa

Orientador: Dr. Felipe Gomes Naveca – ILMD/FIOCRUZ

Data: 20/02/2020

Horário: 13h

Local: Salão Canoas, Térreo – ILMD-FIOCRUZ – Rua Teresina, 476, Adrianópolis/ Manaus-AM CEP 69057 070.

 

Título do Projeto: Avaliação de método alternativo de coletas de dípteros hematófagos por meio de atração humana protegida

Aluna: Jokebede Melynda dos Santos Paulino Rosa

Orientador: Dr. Felipe Arley Costa Pessoa – ILMD/FIOCRUZ

Data: 21/02/2020

Horário: 09h

Local: Sala de aula 01, Anexo – ILMD-FIOCRUZ – Rua Teresina, 476, Adrianópolis/ Manaus-AM CEP 69057 070.

 

Título do Projeto: Caracterização molecular de uma nova cepa de Wolbachia sp. e sua relação com Simulium Oyapockense de região Amazônica

Aluna: Caroline Coelho Ferreira

Orientador: Dr. James Lee Crainey – ILMD/FIOCRUZ

Data: 02/03/2020

Horário: 14h

Local: Sala de aula 101, 1º andar – ILMD-FIOCRUZ – Rua Teresina, 476, Adrianópolis/ Manaus-AM CEP 69057 070.

 

Título do Projeto: Prevalência de Tripanossomatídeos em pequenos mamíferos capturados em um assentamento rural na Amazônia central

Aluna: Adria Maria Matos Teles

Orientadora: Dr.ª Cláudia Maria Rios Velasquez – ILMD/FIOCRUZ

Data: 14/03/2020

Horário: 14h

Local: Sala de aula 01, Anexo – ILMD-FIOCRUZ – Rua Teresina, 476, Adrianópolis/ Manaus-AM CEP 69057 070.

 

Título do Projeto: Caracterização proteica do secretoma de espécies Paecilomyces spp. ovicidas do vetor Aedes aegypti (Diptera: Culicidae)

Aluna: Kemily Nunes da Silva

Orientadora: Dr.ª Priscila Ferreira de Aquino – ILMD/FIOCRUZ

Data: 17/03/2020

Horário: 14h

Local: Sala de aula 101, 1º andar – ILMD-FIOCRUZ – Rua Teresina, 476, Adrianópolis/ Manaus-AM CEP 69057 070.

Ascom ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Diovana Rodrigues

Fiocruz Amazônia realizará curso de  especialização em Vigilância em Saúde na Rede de Atenção Primária à Saúde em Manacapuru

A direção do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) recebeu nesta terça-feira (4/2) o secretário de Saúde do município de Manacapuru (AM), Rodrigo Balbi, para definir tratativas para a realização de mais um curso de especialização em Vigilância em Saúde na Rede de Atenção Primária à Saúde, a ser oferecido no âmbito do Projeto QualificaSUS.

O curso será gratuito e destina-se a profissionais de nível superior que atuam em unidades básicas de saúde ou em unidades de saúde da família em Manacapuru e municípios vizinhos. As aulas são realizadas em período integral (matutino e vespertino), em sistema modular, uma semana por mês, de segunda a sábado.

O objetivo do curso é qualificar profissionais que atuam em cuidados primários de saúde para implantação e desenvolvimento de ações de Vigilância em Saúde no plano territorial-local, promovendo a integração entre oferta de cuidados da atenção primária à saúde e ações de vigilância na rede básica de serviços de saúde.

O diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia, Sérgio Luz, explica que o Projeto QualificaSUS tem tido um alcance muito grande no Amazonas. “O QualificaSUS possibilitou em 2019 a realização de 48 turmas de cursos de atualização em 29 municípios. Estão em andamento 4 turmas de cursos de especialização e uma de mestrado profissional. Só neste início de 2020, estamos com 7 turmas de atualização acontecendo em São Gabriel da Cachoeira (2), Barcelos, Santa Isabel do Rio Negro, Autazes, Careiro da Várzea, e Manaquiri, além de  Manaus (4)”.

Rodrigo Balbi disse estar muito animado com a possibilidade de que o curso se realize em Manacapuru, especialmente por ser uma especialização a ser oferecida pela Fiocruz, uma instituição pela qual tem muito apreço, pois é egresso da pós-graduação da Fiocruz. “Desde que soube desta oportunidade fiquei muito feliz em poder proporcionar para os nossos trabalhadores essa capacitação, pois eu acredito muito e tenho muita fé nesta instituição”, comentou.

O edital está previsto para ser lançado no início do mês de maio e o curso de especialização em Vigilância em Saúde na Rede de Atenção Primária à Saúde deve iniciar em junho deste ano,  com 50 alunos.

PÚBLICO-ALVO

O curso será destinado aos profissionais de nível superior que desempenham suas funções e/ou atividades em unidades básicas de saúde e/ou unidades de saúde da família, ou equivalente.

SOBRE O QUALIFICASUS

O Projeto QualificaSUS  é uma iniciativa do ILMD/Fiocruz Amazônia  que tem como objetivo qualificar o corpo de trabalhadores no nível da gestão e do serviço das Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Amazonas e órgãos parceiros, a fim de proporcionar um serviço de melhor qualidade e efetividade aos usuários do SUS.

São cursos de atualização, especialização e mestrado que adotam modelo pedagógico pautado na integração ensino-serviço, na problematização da realidade local, na valorização do conhecimento e experiência do aluno trabalhador, entendido como sujeito das práticas de gestão e sanitárias desenvolvidas nas unidades de saúde.

Os cursos são ofertados em todos os 61 municípios do Amazonas, além da capital Manaus. A iniciativa conta com apoio da bancada parlamentar do Amazonas e com parceria do onselho dos Secretários Municipais de Saúde do Amazonas  (Cosems-AM).

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Marlúcia Seixas

Estudo experimental da Fiocruz Amazônia comprova transmissão de Leishmaniose visceral por novo vetor

Você sabe o que é leishmaniose? Uma enfermidade antes restrita a zonas rurais, mas que com as alterações ambientais, como desmatamento e queimadas, tornou-se também um problema dos espaços urbanos.

A leishmaniose pode ser definida como uma doença infecciosa não contagiosa, causada pelo protozoário do gênero Leishmania, essa doença é transmitida pelo inseto hematófago, flebotomíneo. Mas, no dialeto popular, é conhecida como ferida brava ou calazar. “Aquela ferida que não sara nunca, que se você não tomar a medicação correta, não vai ter cura, vai se espalhar pelo corpo ou vísceras. Uma parasitose,  que pode ocorrer no corpo todo”, explica Eric Marialva, mestre em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro, pelo Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), que abordou a temática durante a realização de sua dissertação de mestrado.

Para compreender mais sobre a leishmaniose visceral, em especial sobre o protozoário Leishmania infantum chagasi e as formas de transmissão da doença, Eric Marialva, sob orientação do pesquisador Felipe Arley Costa Pessoa, desenvolveram o estudo “Bionomia de Migonemyia migonei (Diptera, Psychodidae, Phlebotominae) em condições experimentais”.

O estudo teve como principais resultados, a comprovação de um novo vetor de Leishmania infantum chagasi, novos métodos de criação em massa de Migonemyia migonei em laboratório e redescrição das fases imaturas desse vetor, que pode está causando  preocupações à saúde básica por transmitirem doenças viscerais no Brasil e na Argentina.

As  oito espécies de Leishmania catalogadas que causam enfermidades à humanos no Brasil são: Leishmania (V) braziliensis, Leishmania (V) guyanensis, Leishmania (V) lainsoni, Leishmania (L) amazonenses, Le.(V) shawi, Le. (V) naiffi e Le. (V) lindenbergi, sendo essas sete causadoras da forma tegumentar   e Leishmania (L) chagasi, da forma visceral

PESQUISA

A pesquisa de Eric Marialva enfatizou mais um vetor para se tomar cuidado no combate, já que o inseto Migonemyia migonei está vivendo ao mesmo tempo com a outra espécie já conhecida das pessoas, o Lutzomyia longipalpis. Então, as duas espécies preocupam e exigem para seu controle, cuidados com a limpeza do ambiente, para evitar a proliferação desses mosquitos.

O estudo definiu características morfológicas das larvas do flebotomíneo, para destacar aspectos como a taxonomia (classificação, descrição e identificação dos organismos), filogenia (relação evolutiva entre grupos de organismos) e a evolução.

Outra importante descoberta está relacionada às condições de colonização de Migonemyia migonei em laboratório, com o intuito de verificar informações relevantes sobre o inseto, como ciclo de vida, fertilidade, fecundidade, longevidade e preferência de oviposição (deposição de ovos por fêmeas de animais invertebrados). Essas informações serviram para auxiliar na colonização em massa dessa espécie em condições laboratoriais.

O estudo verificou ainda, o desenvolvimento do modelo de transmissão de Leishmania infantum chagasi, através da picada de indivíduos colonizados. “Um dos experimentos realizados foi a infecção de Migonemyia migonei com Leishmania infantum chagasi. Após sete dias era feita a transmissão para um vertebrado em modelo murino. Conseguimos fazer a  transmissão em vivo”, relata Eric Marialva, sobre os métodos e experiências utilizadas no estudo.

Com esse estudo, foi possível incriminar mais um vetor de Leishmania infantum chagasi na América Latina. Essa informação aciona um alerta para a Vigilância em Saúde, pois mais um vetor é capaz de transmitir a leishmaniose.

Para saber mais sobre a pesquisa, acesse aqui o artigo na íntegra.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Diovana Rodrigues
Fotos / Imagens: Acervo EDTA/ILMD Fiocruz Amazônia