Posts

Fiocruz Amazônia divulga resultado do processo seletivo para curso de mestrado do PPGBIO-Interação

A Comissão de Seleção do Processo Seletivo do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro (PPGBIO-Interação), do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), divulga o Resultado final do processo seletivo, referente a 4ª Republicação da Chamada Pública nº 008/2020.

O Resultado está disponível na Plataforma Siga-Fiocruz de Gestão Acadêmica em: https://www.sigass.fiocruz.br/pub/inscricao.do?codP=127

SOBRE O PPGBIO-INTERAÇÃO

O Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro é curso strictu sensu que tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro no âmbito da maior biodiversidade mundial.

O curso se enquadra na grande área em Parasitologia devido a pesquisa e ensino terem ênfase na eco-epidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores; fatores de virulência, mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

Estes diversos aspectos são os principais delineadores para escolha da área de concentração da Ciências Biológicas III, por esta ser uma área multidisciplinar e baseada no eixo bioquímica, genética, biológico, celular e molecular. Os alunos recebem uma formação em áreas estratégicas por sua importância e que precisam ser desenvolvidas no Estado.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagem: Mackesy Nascimento

Fiocruz Amazônia convoca aprovados para matrícula institucional no Curso de Doutorado PPGBIO-Interação

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), por intermédio do Serviço de Pós-graduação, da Vice-Diretoria de Ensino, Informação e Comunicação, considerando o que estabelece a Chamada Pública nº 009/2020 e suas republicações, torna público que os candidatos classificados no Processo Seletivo/2020, para ingresso no Curso de Doutorado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro – PPGBIO no 1º semestre de 2021.

Os aprovados deverão apresentar-se para efetivação da Matrícula Institucional, observando os dias, local, horários e os documentos necessários especificados nesta Chamada, publicada no endereço eletrônico http://www.sigass.fiocruz.br/pub/inscricao.do?codP=127 e disponível para consulta no site https://amazonia.fiocruz.br/?page_id=32704

Ascom-ILMD/Fiocruz Amazônia
Imagem: Mackesy Nascimento

Fiocruz prorroga inscrições de Curso de Formação voltado a profissionais da saúde, educação, proteção social, jovens e lideranças indígenas

O Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) prorrogou 25/02/2021 as inscrições para o Curso “Bem-Viver: Saúde Mental Indígena”, voltado para formação de profissionais que estão diretamente envolvidos na assistência das populações indígenas da Amazônia brasileira. 

A ação faz parte do projeto “Juntos contra a COVID-19 e na proteção de crianças e adolescentes indígenas na Amazônia Brasileira”, do qual participam, além da Fiocruz, o Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef) e a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab). 

Indígenas, profissionais ligados à saúde, à educação, sistemas de proteção social (conselheiros tutelares, professores) e à assistência social são o público-alvo da formação. A ideia é construir uma rede de apoio psicossocial que se estenderá pelos estados do Amazonas, Acre, Pará, Roraima e Amapá, e por oito áreas de abrangência: Alto Rio Negro (AM), Alto Solimões (AM), Alto Purus (AC-AM); Yanomami (RR), Leste de Roraima (RR), Guamá-Tocantins (PA) e Amapá e Norte do Pará (AP-PA).

Para inscrições, acesse: http://bit.ly/cursobemviver ou site da Fiocruz https://cursos.campusvirtual.fiocruz.br/

O Curso de formação é completamente virtual e tem seis módulos que abrangem aspectos relacionados à saúde mental e fatores psicossociais que já eram enfrentados pelas populações, mas que se intensificaram no período da COVID-19. São eles: autoatenção e estratégias comunitárias; cuidados com crianças, jovens e idosos; violência; uso abusivo de álcool e outras drogas; e suicídio.

Fiocruz Amazônia divulga resultado preliminar do processo seletivo para o PPGBIO-Interação

A Comissão de Seleção do Processo Seletivo do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro (PPGBIO-Interação), do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), divulga os resultados preliminares da 3ª etapa (Prova Oral), da 4ª etapa (Análise de Currículo), bem como o resultado preliminar do processo seletivo.

Conforme Chamada Pública 008/2020 e suas 14 republicações, a lista nominal e a colocação dos 12 candidatos preliminarmente aprovados estão disponíveis na Plataforma Siga-Fiocruz de Gestão Acadêmica em: https://www.sigass.fiocruz.br/pub/inscricao.do?codP=127

SOBRE O PPGBIO-INTERAÇÃO

O Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro é curso strictu sensu que tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro no âmbito da maior biodiversidade mundial.

O curso se enquadra na grande área em Parasitologia devido a pesquisa e ensino terem ênfase na eco-epidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores; fatores de virulência, mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

Estes diversos aspectos são os principais delineadores para escolha da área de concentração da Ciências Biológicas III, por esta ser uma área multidisciplinar e baseada no eixo bioquímica, genética, biológico, celular e molecular. Os alunos recebem uma formação em áreas estratégicas por sua importância e que precisam ser desenvolvidas no Estado.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Imagem: Mackesy Nascimento

Covid-19: Fiocruz envia ventiladores pulmonares para o Amazonas

O programa Unidos Contra a Covid-19 continua apoiando o estado do Amazonas no enfrentamento da Covid-19. O projeto enviou 50 ventiladores pulmonares para os hospitais da capital (Manaus) e interior do estado, com o apoio da Força Aérea Brasileira e o Hospital Sírio Libanês. Os ventiladores serão entregues a Secretaria Estadual de Saúde, que cuidará da distribuição. São 30 ventiladores para transporte de pacientes e mais 20 ventiladores para uso em UTI.

“O programa Unidos Contra a Covid-19 possibilitou a distribuição de 216 ventiladores pulmonares, que foram utilizados pelo Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas [INI/Fiocruz] e a rede assistencial do Sistema Único de Saúde [SUS]. Identificamos que 50 desses ventiladores poderiam ser encaminhados para o Amazonas, possibilitando abertura de mais leitos de UTI”, diz o vice-presidente de Gestão e Desenvolvimento Institucional da Fiocruz, Mario Moreira. 

Os equipamentos fortalecem a infraestrutura do SUS e ficarão como um legado para o estado, podendo ser utilizados pelos hospitais em emergências futuras.

Aryanne Valenzuela (Escritório de Captação de Recursos da Fiocruz)

PPGBIO – INTERAÇÃO abre inscrição para vaga de aluno especial

O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro – PPGBIO – INTERAÇÃO do Instituto Leônidas & Maria Deane – ILMD/Fiocruz Amazônia, através do Serviço de Pós-graduação da ViceDiretoria de Ensino, Informação e Comunicação, estará com inscrições abertas para candidatos externos interessados nas disciplinas oferecidas para o primeiro semestre de 2021.

As inscrições ocorrerão nos dias 18 e 19 de fevereiro de 2021. Para se inscrever, os candidatos devem preencher formulário de inscrição, disponível no site institucional e, após preenchimento, o formulário deverá ser impresso, assinado pelo candidato e anexado juntamente com outros documentos estabelecidos no edital.

A seleção dos candidatos ocorrerá no período de 22 a 25 de fevereiro de 2021. Confira o edital na plataforma SIGA, ou no site da Fiocruz Amazônia.

Os candidatos devem enviar os documentos solicitados em chamada pública, para o e-mail alunoespecial.ilmd@fiocruz.br. O envio da inscrição será considerado até as 16h (horário de Manaus) do último dia de inscrição.

Para saber mais, confira na Plataforma SIGA, a disciplina ofertada, o formulário de inscrição, o edital e demais informações, para aluno especial do PPGVIDA.

QUEM PODE SE INSCREVER:

Alunos de outros cursos de pós-graduação stricto sensu da Fiocruz;

Alunos de outros cursos de pós-graduação stricto sensu de outras instituições públicas e/ou privadas;

Alunos de curso de pós-graduação lato sensu da Fiocruz;

Alunos de outros cursos de pós-graduação lato sensu de outras instituições públicas e/ou privadas;

Candidatos com curso de pós-graduação lato sensu concluído, que não estejam no momento da inscrição fazendo outro curso de lato sensu ou cursando stricto sensu.           

DISCIPLINA OFERTADA

Serão ofertadas vagas para as seguintes disciplinas disponível: “Fundamentos em Biologia Molecular”, “Biossegurança (Transversal)”, “Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro Vertebrado” e “Interações entre patógenos e seus Vetores”.

SOBRE O PPGBIO-INTERAÇÃO

O Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro é curso strictu sensu que tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro no âmbito da maior biodiversidade mundial.

O curso se enquadra na grande área em Parasitologia devido a pesquisa e ensino terem ênfase na eco-epidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores; fatores de virulência, mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

Estes diversos aspectos são os principais delineadores para escolha da área de concentração da Ciências Biológicas III, por esta ser uma área multidisciplinar e baseada no eixo bioquímica, genética, biológico, celular e molecular. Os alunos recebem uma formação em áreas estratégicas por sua importância e que precisam ser desenvolvidas no Estado.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Imagem: Mackesy Nascimento

PPGVIDA abre inscrição para vaga de aluno especial

O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA) do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), através do Serviço de Pós-graduação da Vice-Diretoria de Ensino, Informação e Comunicação (VDEIC), estará com inscrições abertas para candidatos externos interessados nas disciplinas oferecidas para o primeiro semestre de 2021.

As inscrições ocorrerão nos dias 18 e 19 de fevereiro de 2021. Para se inscrever, os candidatos devem preencher formulário de inscrição, disponível no site institucional e, após preenchimento, o formulário deverá ser impresso, assinado pelo candidato e anexado juntamente com outros documentos estabelecidos no edital.

A seleção dos candidatos ocorrerá no período de 22 a 25 de fevereiro de 2021. Confira o edital na plataforma SIGA, ou no site da Fiocruz Amazônia.

Os candidatos devem enviar os documentos solicitados em chamada pública, para o e-mail alunoespecial.ilmd@fiocruz.br. O envio da inscrição será considerado até as 16h (horário de Manaus) do último dia de inscrição.

Para saber mais, confira na Plataforma SIGA, a disciplina ofertada, o formulário de inscrição, o edital e demais informações, para aluno especial do PPGVIDA.

QUEM PODE SE INSCREVER:

Alunos de outros cursos de pós-graduação stricto sensu da Fiocruz;

Alunos de outros cursos de pós-graduação stricto sensu de outras instituições públicas e/ou privadas;

Alunos de curso de pós-graduação lato sensu da Fiocruz;

Alunos de outros cursos de pós-graduação lato sensu de outras instituições públicas e/ou privadas;

Candidatos com curso de pós-graduação lato sensu concluído, que não estejam no momento da inscrição fazendo outro curso de lato sensu ou cursando stricto sensu.

DISCIPLINA OFERTADA

Serão 10 vagas ofertadas para cada disciplina disponível: “Espaço, Saúde e Ambiente na Amazônia” e “Bioética em Saúde Coletiva”

SOBRE O PPGVIDA

O curso de mestrado em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia tem como objetivo capacitar profissionais para desenvolver modelos analíticos, capazes de subsidiar pesquisas em saúde, apoiar o planejamento, execução e gerenciamento de serviços e ações de controle e o monitoramento de doenças e agravos de interesse coletivo e do Sistema Único de Saúde na Amazônia.

O PPGVIDA também visa planejar, propor e utilizar métodos e técnicas para executar investigações na área de saúde, mediante o uso integrado de conceitos e recursos teórico-metodológicos advindos da saúde coletiva, biologia parasitária, epidemiologia, ciências sociais e humanas aplicadas à saúde, comunicação e informação em saúde e de outras áreas de interesse acadêmico, na construção de desenhos complexos de pesquisa sobre a realidade amazônica.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Imagem: Mackesy Nascimento

Covid-19: Fiocruz publica nota técnica sobre vacinação de idosos e cuidadores

Os pesquisadores do Comitê de Saúde da Pessoa Idosa da Fiocruz lançam a nota técnica Acesso prioritário à vacinação contra a Covid-19 para as pessoas idosas com limitações funcionais e seus cuidadores(as) para chamar atenção sobre os critérios de prioridade da vacinação contra a Covid-19. O grupo propõe que idosos com limitação da capacidade funcional sejam considerados prioridade independentemente de sua faixa etária; assim como a adoção de estratégias para vacinar idosos com dificuldade de sair de casa; e atenção à vacinação dos cuidadores de idosos que atuam nos domicílios, sejam estes um familiar ou uma pessoa contratada.

De acordo com a nota, “no Brasil existem 5, 2 milhões de idosos que necessitam de ajuda para as suas atividades da vida diária. Em pelo menos 80% dos casos, o cuidado é prestado por algum familiar e em 20% este é prestado por uma cuidadora remunerada. Estima-se, portanto, que cerca de 4,2 milhões de familiares cuidam de idosos e 1 milhão de cuidadores sejam contratados ou remunerados”.

O comitê destaca que a Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19 prevê o acesso prioritário à vacinação por pessoas idosas segmentadas por faixa etária e os trabalhadores de saúde, mas, no grupo dos trabalhadores de saúde foram incluídos os cuidadores de idosos remunerados, excluindo os familiares que são cuidadores de seus parentes idosos.

Limitação da capacidade funcional como critério para acesso prioritário

Segundo a nota técnica, “o envelhecimento no país não acontece de forma igual para toda a população. Uma pessoa de 75 anos pode ter melhores condições de saúde que uma de 60 anos. A situação econômica e o acesso ao sistema de saúde durante a vida são determinantes da desigualdade ante a velhice”. O grupo alerta que se tenha como grupo prioritário no Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19 os idosos com incapacidade funcional (provocados por uma doença, acidente, problema degenerativo ou outra situação) e que precisam de cuidados domiciliares.

Assim, os pesquisadores sugerem a incorporação do critério de capacidade funcional dos idosos, de forma complementar ao critério de idade, como indicador da situação da saúde; a adoção de estratégias para vacinar idosos com dificuldade de sair de casa; e que a prioridade da vacinação inclua efetivamente os cuidadores de idosos que atuam nos domicílios, sejam estes um familiar ou uma pessoa contratada.

A nota destaca ainda que “a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS 2013) identificou que 6,8% dos idosos possuía algum tipo de limitação para a realização das atividades básicas da vida diária e 17,3% para as atividades instrumentais da vida diária. Em 2020, a Convid Pesquisa de Comportamentos, feita no contexto da pandemia, mostrou que em 8% dos domicílios brasileiros havia pelo menos um idoso que necessitava de ajuda para as suas atividades da vida diária. O inquérito “Estudo Longitudinal de Saúde dos Idosos Brasileiros (ELSI Brasil)”, realizada entre 2019 e 2020, mostrou níveis similares à PNS: 16,6% dos idosos têm comprometimentos de saúde ou limitações a tal ponto que necessitam de ajuda para realizar as atividades básicas ou instrumentais da vida diária. Doenças que muitas vezes geram limitação da capacidade funcional são a hipertensão, acidente vascular encefálico, artrite e diabetes, entre outras”.

A nota destaca ainda que, segundo a PNS, 14,7% das pessoas idosas não conseguiam ou tinham grande dificuldade para sair de casa por causa de limitações na sua funcionalidade, o que corresponde a um número aproximado de 4,5 milhões de idosos com possível dificuldade para se vacinar fora do seu domicílio. Há de se acrescentar ainda a existência de um importante número de idosos que residem sozinhos e não dispõem de ajuda no seu dia a dia, ainda que dela necessitem. Cerca de 11% dos idosos com limitações funcionais não recebem nenhum tipo de ajuda.

Cuidadores de pessoas idosas como prioridade

No Brasil, a maior parte do trabalho de cuidados com os idosos é realizado, de forma não remunerada por algum familiar. Esse número vem aumentando, acompanhando o crescimento da demanda por cuidados associada ao envelhecimento da população. Segundo a nota técnica, dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (PNAD) do IBGE apontaram que o número de familiares que se dedicavam aos cuidados de indivíduos de 60 anos ou mais saltou de 3,7 milhões em 2016 para 5,1 milhões em 2019.

De agosto a novembro de 2020, a Fiocruz realizou a pesquisa CuidaCOVID, sobre as pessoas cuidadoras de idosos durante a pandemia. Resultados preliminares mostram que 91,4% dos familiares cuidadores de idosos são mulheres, quase 60% têm 50 anos ou mais e quase 40% sofrem de alguma doença crônica considerada de risco, se contagiada por Covid-19 (hipertensão, diabetes, asma/doença respiratória crônica/doença de pulmão, doença de coração ou câncer).

A nota técnica destaca ainda que, “segundo dados da CuidaCOVID, 90,1% das cuidadoras remuneradas em 2020 eram mulheres, e 63%, negras. Tais características são semelhantes às das demais trabalhadoras do emprego doméstico, uma categoria historicamente marcada por situações de discriminação de gênero, raça e classe social. Estudos mostram que fatores como raça/cor e classe social têm sido determinantes para o maior risco de mortalidade por Covid-19”.

“A pessoa idosa foi a que mais morreu durante a pandemia da Covid-19. Já somam 73% do total de mortes no Brasil. Dentro desse quadro, como vamos resgatar os mais vulneráveis? Qual a prioridade da vacinação? Há uma dificuldade também em se conhecer o cuidador de idoso que é um familiar, pois ele não é remunerado e, portanto, não tem um contrato, não há um cadastro. Cuidar de quem cuida é necessário para a sociedade”, afirma Dalia Romero, pesquisadora do Icict/Fiocruz e coordenadora do Grupo de Informação e Envelhecimento (GISE/LIS), uma das que assina a nota técnica.

Além disso, os pesquisadores do comitê manifestaram a sua preocupação com a vacinação dos cuidadores domiciliares de idosos que atuam de forma remunerada, já que a maioria não possui carteira de trabalho assinada e pode ter dificuldades em comprovar a atuação na área.

Os pesquisadores do comitê recomendam que idosos com limitação da capacidade funcional (por doença, incapacidade ou restrição de atividades) sejam considerados prioridade independentemente de sua faixa etária; a vacinação casa a casa seja efetivamente uma estratégia para garantir o acesso àqueles que têm mobilidade limitada; a prioridade de vacinação entre os trabalhadores de saúde respeite o Plano nacional e vacine, de fato, os cuidadores de idosos que atuam nos domicílios; cuidadores familiares e outras pessoas que cuidam de idosos sem receber remuneração também sejam vacinados entre os grupos prioritários.

A nota técnica foi elaborada pelo grupo de pesquisadores do Comitê Saúde da Pessoa Idosa-Fiocruz: Dalia Romero, Daniel Groisman, Edinilsa Ramos de Souza, Ivana Cristina de Holanda Cunha Barreto, José Gomes Temporão, José Luiz Telles, Karla Cristina Giacomin, Maria Cecília de Souza Minayo, Maria Fernanda Lima Costa, Odorico Monteiro e Valéria Teresa Saraiva Lino.

Live vai abordar Hanseníase em tempos de pandemia

O Mestrado Profissional em Saúde da Família (ProfSaúde), em parceria com o Laboratório Território, Ambiente, Saúde e Sustentabilidade (LTASS) do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), promove no dia 8/2, às 14h (horário/Brasília), uma live com a temática “Hanseníase: identificar, tratar e curar em tempos de pandemia COVID-19 no Brasil”. A atividade será transmitida via plataforma Zoom, através do link: https://zoom.us/j/93252804267 , utilizando o ID da reunião: 932 5280 4267.

Participam da live, Marcos Túlio Raposo, membro do InfoHansen e docente do Curso de Fisioterapia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Universidade Federal da Bahia; Luana Massoti de Farias, psicóloga do Hospital Santa Marcelina de Rondônia, referência Estadual em Hanseniase; Adriana da Silva dos Reis, enfermeira, supervisora de campo do Programa PEP ++ (profilaxia pós exposição) pela NHR – Brasil, no município de Sobral (CE); Danielle Christine Moura dos Santos, da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças da Universidade de Pernambuco; Luana Nascimento, nutricionista, residente em Saúde Coletiva e Gerente de Vigilância da Doenças Negligenciadas e Infecções Sexualmente Transmissíveis da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco e, Artur Custódio Moreira de Sousa, Coordenador do MORHAN Nacional, Conselheiro Nacional de Saúde, e coordenador da comissão intersetorial de vigilância em saúde.

Para se inscrever e receber o certificado, acesse: https://forms.gle/tfzx7JyAu9dhtYXX7

O diálogo será mediado por Jessíca Reco Cruz, enfermeira da Secretaria Municipal de Saúde de Cacoal-RO, mestranda do PROFSAUDE/Fiocruz Amazônia. A iniciativa conta com o apoio do Núcleo Amazonas do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde da ILMD/Fiocruz Amazônia e do InfoHansen.

A ação visa dialogar com trabalhadores, docentes, discentes, pesquisadores e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) da Amazônia e do país, no intuito de mobilizar esforços para o controle da Hanseníase, em tempos de pandemia da COVID-19. Em 2016, o Ministério da Saúde oficializou o mês de janeiro e consolidou a cor roxa para campanhas educativas sobre a doença.

Para o pesquisador da Fiocruz Amazônia e coordenador geral da atividade, Marcilio Medeiros, a necessidade de diálogo sobre tratamento precoce da doença, ganha ainda mais força diante do atual cenário de pandêmico. “Sabemos do atual redirecionamento da estrutura da Atenção Primaria à Saúde às necessidades de enfrentamento a Covid-19, estão impactando o programa de controle das doenças crônicas, seja em virtude do desabastecimento dos medicamentos necessários para o tratamento ao paciente com hanseníase, seja em decorrência dos adiamentos de consultas, cirurgias e a interrupção dos grupos de autocuidado. Diante deste cenário, há necessidade de reforçamos e mobilizarmos esforços, em especial no mês de janeiro, dedicado à conscientização e à prevenção e tratamento precoce da hanseníase, para dialogamos, refletirmos e conhecermos a atual situação do programa nos estados brasileiros”, explicou.

JANEIRO ROXO

A campanha de 2021 tem como slogan: A hanseníase é negligenciada, mas a saúde não! O Brasil é o segundo país com maior número de casos de hanseníase, perdendo apenas para a Índia. Por ano são notificados cerca de 30 mil novos casos da doença. De acordo com a Sociedade Brasileira de Clínica Médica (SBCM), a partir de dados do Ministério da Saúde, a doença é mais frequente nas regiões Nordeste, Centro-Oeste e Norte, que respondem por quase 85% dos casos do país.

A hanseníase é uma doença que tem cura se o tratamento for seguido à risca. O Sistema Único de Saúde (SUS) é quem oferece o tratamento, que quanto mais rápido for iniciado contribui para que a doença deixe de ser transmissível. Após o início do tratamento é de extrema importância tomar os medicamentos. Para dar início ao tratamento, basta procurar um posto de saúde ou uma equipe de saúde da família.

Ascom ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagem: Mackesy Pinheiro