Posts

Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente recebe professores e alunos para a semana de premiação

Começa na segunda-feira, 26/11, a Semana de Premiação da 9ª Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente (Obsma). O evento reunirá no Rio de Janeiro, professores e estudantes representantes de escolas de todas as regiões do país, cujos trabalhos foram selecionados como destaques regionais e os três trabalhos que vão receber o Prêmio Obsma Ano Oswaldo Cruz.

A Obsma é um projeto educativo bienal promovido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para estimular o desenvolvimento de atividades interdisciplinares nas escolas públicas e privadas de todo o país. O projeto tem como principais objetivos reconhecer o trabalho desenvolvido por professores e alunos nas escolas e a cooperação com a divulgação de ações governamentais criadas em prol da educação, da saúde e do meio ambiente.

Durante a semana de premiação professores e estudantes vão participar de uma vasta programação que incluem visitas guiadas a museus e outros espaços culturais além da visita ao Castelo Mourisco, sede da Fiocruz. A Cerimônia de Premiação Nacional, aberta ao público, vai acontecer dia 28 de novembro no campus Manguinhos.

A 9ª edição da Obsma obteve números recordes: entre 2017 e 2018, foram 1.228 trabalhos inscritos representando todos os estados brasileiros, contando com o envolvimento de 4.270 professores e 67.179 estudantes do ensino fundamental e médio. Nos últimos dois anos, a equipe do projeto também percorreu o país oferecendo 20 Oficinas Pedagógicas a professores de 13 estados com foco nas modalidades Projeto de Ciências, Produção de Texto e Produção Audiovisual. Professores e alunos foram estimulados a abordar de forma crítica e criativa temas da Agenda 2030, de acordo com os  17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável preconizados pelas Nações Unidas.

Selecionado na modalidade Projeto de Ciências e coordenado pelo professor de Filosofia Paulo Roberto de Sousa, o trabalho “Kenosi Road” foi desenvolvido por 10 alunos da Escola Estadual Padre José Schneider, na cidade de Santa Isabel do Rio Negro, no Amazonas. “Trata-se de um game que traz informações importantes sobre o lixo e sua reciclagem. Kenosi significa lixo na linguagem Ianomami, e road, estrada em inglês. Resolvemos utilizar uma terminologia local e uma língua universal para formar ‘caminho do lixo’”, explica o professor. Segundo ele, a notícia de que o trabalho havia sido selecionado pela Olimpíada pegou todos de surpresa. “Sabíamos que o trabalho poderia se destacar, mas não imaginávamos que seria selecionado. É muito gratificante esse reconhecimento, já que é um trabalho multidisciplinar, que envolve tecnologia, realizado em uma escola que fica a três dias de barco da capital Manaus”, reforça Paulo.

Uma ‘batalha de rap’ promovida pelos alunos do Colégio Estadual Dorival Passos, de Salvador, na Bahia, abordou o tema das infecções sexualmente transmissíveis e o trabalho foi selecionado na categoria Produção Audiovisual. Com o título Seja vencedor nessa batalha!, o grupo mobilizou toda a escola, que ostentou uma faixa parabenizando a equipe representante. “É a primeira vez que participamos e o resultado é muito importante para os alunos e para a escola. Nossa ideia era trazer a linguagem do rap, uma linguagem jovem, para reforçar a prevenção ao HIV, por exemplo, que vem registrando aumento de casos entre os adolescentes. A gravação foi toda feita com o celular e os próprios alunos editaram utilizando softwares livres”, relata a professora Luzânia Fonseca Imperial, que viaja para o Rio de Janeiro com o aluno do 3º ano do Ensino Médio Paulo César, de 17 anos.

O trabalho “Poluição e camada de ozônio”, do Colégio Militar de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, foi selecionado também na categoria Produção Audiovisual. A professora que coordenou o desenvolvimento do projeto, Adriane Schio Silva, conta que decidiu participar da 9ª Obsma quando percebeu que já trabalhava a temática da iniciativa em sala de aula. “Estávamos discutindo assuntos como poluição, camada de ozônio, efeito estufa e aquecimento global no 6º ano, permeando os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que também estavam sendo trabalhados com o 9º ano, na Iniciação Científica. Sugeri a participação na Olimpíada e todos ficaram muito empolgados”, diz Adriane. No Colégio, grupos realizaram tanto produções audiovisuais como textuais para serem inscritas na Olimpíada: “De duas turmas de 6º ano, selecionei cinco trabalhos em que 19 alunos estiveram envolvidos. A reação deles ao saber que um dos trabalhos foi selecionado foi de uma felicidade estonteante! Foi incrível ver aqueles rostinhos risonhos me perguntando: ‘— Professora, a senhora viu? Nós ganhamos! É verdade, mesmo?’ Foi muito gratificante, fiquei muito feliz!”, comemora a professora.

Para a coordenadora nacional da Obsma Cristina Araripe, os objetivos da 9ª edição foram plenamente alcançados. “Estamos felizes neste encerramento pois conseguimos estimular o desenvolvimento de atividades interdisciplinares em escolas públicas e privadas de todo o país, reconhecer o trabalho desenvolvido por professores e alunos e fortalecer a cooperação com a divulgação de ações governamentais criadas em prol da educação, da saúde e do meio ambiente”, avalia.

Clique aqui para conferir a lista completa de trabalhos premiados na 9ª Obsma

 Com informações da assessoria de comunicação Obsma

Reunião Anual de Iniciação Científica da Fiocruz Amazônia encerra com premiação de projetos

Em meio a emoções e alegrias encerrou nesta sexta-feira, 8/6, a 15ª Reunião Anual de Iniciação Científica (Raic), do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia). O evento que iniciou na quarta-feira, 6/6, com a palestra “2045, o ano em que o homem se tornou imortal”, ministrada pelo professor emérito do Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Gilberto Barbosa Domont, encerrou com a premiação de projetos que se destacaram em suas respectivas áreas.

Na avaliação da coordenadora do Programa de Iniciação Científica e Tecnológica (PIC-ILMD/Fiocruz Amazônia), Stefanie Lopes, “a 15ª. Raic foi um sucesso. Nós fomos brindados com uma palestra de abertura que trouxe contestações e inquietações sobre ciências, o que foi muito especial; além disso, as apresentações foram de qualidade, contamos com o envolvimento dos orientadores, e as bancas entenderam a finalidade da Raic, que é, principalmente, estimular os estudantes para o pensamento científico”, destacou.

Foram apresentados nos três dias de Raic, 33 projetos, distribuídos em 5 categorias (Eco-Epidemiologia; Biotecnologia; Saúde, Sociedade e Ambiente; Microbiologia; e Parasitologia), contando com 26 orientadores e 15 avaliadores externos.

Para a estudante do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade do Estado do Amazonas, Gigliola D’Elia, que pela primeira vez participa da Raic, a experiência da iniciação científica na Fiocruz Amazônia, está sendo ótima. “Aprendi muito com a Raic, pois os estudantes têm a oportunidade de disseminar para as outras pessoas o que estão pesquisando. Fiquei muito nervosa na apresentação, mas gostei muito”, declarou.

PREMIAÇÃO

Seis projetos destacaram-se da 15ª Raic, sendo um em cada categoria e um como Projeto Inovador.

André Mariuba, coordenador do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT/Fiocruz Amazônia), explica que o destaque como Projeto Inovador é destinado ao projeto de pesquisa que leva ao desenvolvimento de tecnologia e/ou produto, portanto, concorrem somente os projetos que ofereçam essa possibilidade.

Confira os destaques:

  • Categoria Eco-Epidemiologia: Heliana Christy Matos Belchior, orientada por Claudia Ríos Velásquez;
  • Categoria Biotecnologia: Gigliola Mayara Ayres D’Eli, orientada por Josy Caldas Rodrigues;
  • Categoria Saúde, Sociedade e Ambiente: Aryanne dos Santos Chaves, orientada por Amandia Sousa;
  • Categoria Microbiologia: Kemily Nunes da Silva, orientada por Priscila Ferreira de Aquino;
  • Categoria Parasitologia: Francy’s Sayara de Araújo, orientada por Stefanie Costa Pinto Lopes;
  • Projeto Inovador: Macejane Ferreira de Souza, orientada por Stefanie Costa Pinto Lopes.

SOBRE A RAIC

A Raic é um evento que acontece anualmente em todas as unidades da Fiocruz. Durante a Raic, os bolsistas do PIC-ILMD/Fiocruz Amazônia apresentam os resultados dos projetos desenvolvidos no período de vigência do Programa, por meio da exposição e discussão de seus trabalhos, para avaliação dos projetos e intercâmbio de experiências entre estudantes, pesquisadores e demais profissionais. Essa experiência reforça a importância da iniciação científica na construção do conhecimento e incentiva os jovens pesquisadores a prosseguirem nas carreiras acadêmicas.

Da 15ª. Raic participaram estudantes das seguintes universidades: Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Instituto Federal do Amazonas (Ifam), Faculdade Metropolitana de Manaus  (Fametro), Faculdade  Estácio de Sá, Faculdade Fucapi, Universidade Nilton Lins, Universidade Paulista (Unip), e Centro Universitário do Norte (UniNorte).

SOBRE O PIC

O Programa de Iniciação Científica da Fiocruz Amazônia tem como objetivos despertar a vocação científica e incentivar novos talentos potenciais entre estudantes de graduação; contribuir para a formação de recursos humanos para a pesquisa e inovação tecnológica nos Determinantes Socioculturais, Ambientais e Biológicos do Processo Saúde-Doença-Cuidado para a melhoria das condições sociossanitárias na Amazônia;  estimular pesquisadores produtivos a envolverem estudantes de graduação em suas atividades científicas, tecnológicas e profissionais; e proporcionar ao bolsista, orientado por pesquisador qualificado, a aprendizagem de técnicas e métodos de pesquisa, bem como estimular o desenvolvimento do pensamento científico e da criatividade, decorrentes das condições criadas pelo confronto direto com os problemas estudados ou alvo da pesquisa.

O PIC-ILMD/Fiocruz Amazônia é desenvolvido em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e com Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde (Fiotec/Fiocruz).

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes

Iniciação Científica da Fiocruz Amazônia recebe inscrições de estudantes até 25/5

Até a sexta-feira, 25/5, a coordenação do Programa de Iniciação Científica do Instituto Leônidas & Maria Deane (PIC-ILMD/Fiocruz Amazônia) recebe inscrições de estudantes de graduação interessados em desenvolver projetos de iniciação científica.

Podem participar estudantes de cursos de graduação de instituições de ensino superior públicas ou privadas reconhecidas pelo Ministério da Educação (MEC). O candidato deve estar regularmente matriculado e ter Coeficiente de Rendimento Acumulado (CRA) com valor igual ou maior que 7,0 (no caso de bolsa nova) e não ter reprovação em disciplinas afins às atividades do projeto de pesquisa que pretende desenvolver, além de outras condições, conforme edital.

Segundo a coordenadora do PIC-ILMD/Fiocruz Amazônia, Stefanie Lopes, os estudantes interessados devem buscar a área de interesse no site da instituição, www.amazonia.fiocruz.br, e verificar as linhas de pesquisa e orientadores que trabalhem nessas áreas. Depois, entrar em contato com o próprio pesquisador ou com a secretaria do PIC, através do e-mail pic.ilmd@fiocruz , para saber da disponibilidade de vaga.

Acesse aqui o edital do PIC-ILMD/Fiocruz Amazônia ou na página Chamadas Públicas.

As bolsas serão concedidas por um período de 12 meses, de 1º.  de agosto de 2018 até 30 julho de 2019, com possibilidades de renovação.

O PIC-ILMD/Fiocruz Amazônia é desenvolvido em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e com Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde (Fiotec/Fiocruz).

SOBRE O PIC

O Programa de Iniciação Científica da Fiocruz Amazônia tem como objetivos despertar a vocação científica e incentivar novos talentos potenciais entre estudantes de graduação; contribuir para a formação de recursos humanos para a pesquisa e inovação tecnológica nos Determinantes Socioculturais, Ambientais e Biológicos do Processo Saúde-Doença-Cuidado para a melhoria das condições sociossanitárias na Amazônia;  estimular pesquisadores produtivos a envolverem estudantes de graduação em suas atividades científicas, tecnológicas e profissionais; e proporcionar ao bolsista, orientado por pesquisador qualificado, a aprendizagem de técnicas e métodos de pesquisa, bem como estimular o desenvolvimento do pensamento científico e da criatividade, decorrentes das condições criadas pelo confronto direto com os problemas estudados ou alvo da pesquisa.

Na edição de 2017/2018 o PIC-ILMD/Fiocruz Amazônia beneficiou 35 bolsistas, estudantes dos cursos de  Biotecnologia, Biomedicina, Farmácia, Medicina, Ciências Biológicas e Ciências Sociais de instituições de ensino superior públicas e privadas de Manaus.

As bolsas são pagas diretamente aos bolsistas, mediante depósito mensal em conta bancária. O valor da mensalidade é estipulado pelo Conselho Diretor da Fapeam e pela Fiotec, conforme a vinculação da bolsa.

ILMD/Fiocruz Amazônia por Marlúcia Seixas
Foto: Eduardo Gomes