Posts

Fiocruz Amazônia lança exposições durante simpósio na tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru

A popularização da ciência é tema essencial para sociedades atuais e, em particular, para os países em desenvolvimento ou emergentes, como o Brasil. Mais do que nunca, o cidadão está sendo chamado a participar ativamente dos rumos da sociedade e apropriar-se dos conteúdos de CT&I.

Pensando nisso, o Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) lançou esta semana, duas exposições que visam popularizar o conhecimento produzido pela Instituição. “Malária – O caminho da gota espessa” e “DigiCiência”, projetos aprovados no edital N. 009/2019 – POP CT&I, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), foram apresentadas ao público, entre os dias 27 e 29/11, durante a “Feira Ciência & Saúde Para Você”, realizada no município de Tabatinga (AM) e em Letícia, na Colômbia.

As exposições fazem parte da Política de Extensão, Divulgação e Popularização da Ciência do  ILMD/Fiocruz Amazônia, visando o compromisso com a disseminação e compartilhamento de conhecimento e tecnologias voltadas para o fortalecimento e a consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS), que contribuam para a promoção da saúde e da qualidade de vida da população, redução das desigualdades sociais e dinâmica nacional de inovação, tendo em vista a defesa do direito à saúde. O circuito de atividade promovidas pela Fiocruz Amazônia, comtemplam também a 16ª Semana Nacional de Ciência & Tecnologia (SNCT).

Mais de 200 visitantes passaram pelo Instituto Federal do Amazonas (Ifam/Campus Tabatinga), para conferir as exposições que retratam pesquisas, o trabalho de pesquisadores e alunos da Unidade, além de contar a trajetória da Instituição na Amazônia.

MALÁRIA – O CAMINHO DA GOTA ESPESSA

A região amazônica concentra quase totalidade dos casos de malária do Brasil. Para se ter o diagnóstico da doença, é realizado o exame de Gota Espessa. A técnica é muito simples e eficaz no diagnóstico e combate à malária, e atende às especificidades do território amazônico, além do acesso aos serviços de saúde.

No entanto, há um longo caminho construído pelo sistema de saúde até se chegar ao exame amplamente conhecido pela população. Uma forma de buscar a diminuição das desigualdades construídas no acesso aos tratamentos de saúde, passa pela compreensão das ações necessárias ao seu enfrentamento.

Cientes desse quadro, pesquisadores e estudantes do ILMD/Fiocruz Amazônia, sobretudo do Laboratório Ecologia de Doenças Transmissíveis na Amazônia (EDTA), vêm desenvolvendo ações de pesquisa nesta área, utilizando esta técnica de coleta, tendo gerado, inclusive, publicações científicas.

Ao lado disso, o grupo também empreende esforços na estratégia de sensibilizar a população para a importância de um diagnóstico rápido e eficaz, o que é oportunizado pelo exame da Gota Espessa. A exposição abre a possibilidade de uma sensibilização coletiva para a importância da realização do exame.

Painéis, cartilhas e 25 expositores destacam, de forma didática, as fases de execução do exame da Gota Espessa para o diagnóstico da malária, potencializando a ampliação da divulgação do conhecimento acerca do exame.

O projeto pretende beneficiar os moradores da Comunidade Rural do Rio Pardo, em Presidente Figueiredo e Lago do Limão, Iranduba, Amazonas, onde o ILMD/Fiocruz Amazônia mantém estações de trabalho, além do município de Tabatinga, fronteira com Colômbia e Peru, onde o Instituto tem ações com parceiros Panamazônicos, visando dar continuidade às atividades de pesquisa, extensão e popularização científica que já vêm ocorrendo nessas comunidades.

Eric Fabrício Marialva, membro do laboratório, explicou que estas ocasiões são extremamente relevantes para aproximar ciência e comunidade. “Ter participado desse evento foi muito gratificante, pois nos possibilita ter um contato maior com a comunidade. Nós que desenvolvemos pesquisa, geralmente temos dificuldade de passar os resultados para a população de uma maneira mais acessível. Foi uma experiência muito boa”, disse.

“DIGICIÊNCIA”

Apresentar através de conteúdos audiovisuais o trabalho de pesquisadores e alunos da Fiocruz Amazônia é uma das metas do projeto “DigiCiência – Oficina de Vídeos Digitais para Divulgar Ciência (II Edição)”. Nesse sentido, alunos da Instituição, selecionados durante a Oficina promovida pelo projeto, estiveram em Tabatinga (AM), para apresentar os resultados dos vídeos produzidos e dialogar com os visitantes sobre a produção de conteúdos multimídia, de fácil entendimento ao público em geral.

A primeira etapa do projeto, promoveu oficinas de comunicação com a finalidade de orientar os alunos de pós-graduação a promoverem a divulgação científica, de forma criativa e lúdica, utilizando a tecnologia e uso do smartphone no processo de comunicação da ciência.

Os vídeos produzidos durante a oficina foram expostos, em Tabatinga, e posteriormente devem ser disponibilizados na homepage institucional, nas mídias sociais digitais da instituição, além de apresentados em eventos científicos e distribuídos em forma de DVD a parceiros e interessados.

A ideia dos organizadores é gerar um produto de divulgação e conscientização que chegue, em linguagem fácil e acessível, ao grande público e que tenha um caráter mais duradouro e menos ocasional, contribuindo, para o alcance de um importante compromisso institucional.

Ana Elizabeth Reis, mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA), foi uma das selecionadas para participar da ação em Tabatinga. “Foi uma experiência muito exitosa. Precisamos mostrar para a sociedade o que o ILMD faz, o que a pesquisa pode gerar de benefícios. Essa atividade deu a oportunidade para os estudantes se aproximarem mais da pesquisa. Estou levando as experiências dessa ação para serem aplicadas no laboratório onde estou atuando”, destacou.

SOBRE A SNCT

A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) é uma ação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e tem o objetivo de aproximar Ciência e Tecnologia da população, promovendo eventos que congregam centenas de instituições, a fim de realizarem atividades de divulgação científica em todo o País. A SNCT tem como premissa levar a ciência em uma linguagem acessível à população, por meios inovadores que estimulem sua curiosidade e motivem a discutir as implicações sociais da Ciência, além de aprofundarem seu conhecimento sobre o tema.

Com 25 anos de atuação, o ILMD/Fiocruz Amazônia, por meio de seus pesquisadores, tecnologistas, técnicos e bolsistas, promove e protagoniza ações de extensão, divulgação e popularização científica, o que tem gerado um conjunto de projetos e produtos, que estabelecem um diálogo direto e efetivo com a sociedade.

Ascom – ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Fotos: Edmilson Bibiani

SNCT: Oficina incentiva popularização da ciência através de conteúdo audiovisual

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) promoveu entre os dias 12 e 14/11, uma oficina gratuita de vídeos digitais para divulgar ciência. Intitulada Digiciência, a atividade reuniu pesquisadores, pós-graduandos e bolsistas de Iniciação Científica.

Em sua 2ª edição, a ação teve o objetivo de promover oficinas de comunicação com a finalidade de orientar os alunos de pós-graduação a desenvolverem a divulgação científica, de forma criativa e lúdica, utilizando a tecnologia e uso do smartphone no processo de comunicação da ciência.

A atividade faz parte da programação da Semana Estadual de Ciência & Tecnologia e conta com fomento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) por meio do Edital POP CT&I e com recursos do edital de Divulgação Científica da Fiocruz. As aulas foram ministradas pelo jornalista Rômulo Araújo.

“Foi bem interessante ver como eles se encantaram com a possibilidade de cumprir etapas de produção de um vídeo, para divulgar suas próprias pesquisas. Sairão daqui bons materiais, e creio que essa seja mais uma mídia que eles terão para divulgar seus estudos, e consequentemente fazer com que as pessoas envolvidas com o tema que eles atuam, possam ter conhecimento disso”, destacou Araújo.

Através das aulas, os participantes puderam conhecer e manipular softwares específicos para edição que permitem criar vídeos e disponibilizá-los nas plataformas digitais. Os vídeos produzidos serão disponibilizados também em canais de difusão: plataformas digitais (Youtube, Facebook da Fiocruz Amazônia).

Para a coordenadora técnica da oficina, Cristiane Barbosa, a ideia é “preparar quem produz ciência para levar ao grande público as informações e resultados de pesquisas desenvolvidas nas instituições de pesquisa científica e tecnológica. Além de pós-graduandos e alunos de Iniciação Científica da Fiocruz, estão participando também pessoas que lidam com a ciência de outras instituições”, explicou.

SOBRE A OFICINA

A atividade apresentará possibilidades da utilização de vídeos como recurso tecnológico para popularizar a ciência junto ao público, produzidos pelo próprio aluno de pós-graduação. A ideia central é fornecer aos participantes, algumas ferramentas e estratégias que podem ser utilizadas na produção de conteúdos sobre as pesquisas, experimentos e estudos realizados por eles.

Na oportunidade, o palestrante apresentou também algumas técnicas de produção de vídeos digitais, iniciando pela elaboração do roteiro e elementos de pré-produção, passando pela gravação e pela edição até chegar ao produto final.

Posteriormente, os participantes do evento apresentarão os materiais produzidos (vídeos) a alunos de escolas da rede pública estadual em Manaus, Tabatinga e Presidente Figueiredo. Os vídeos produzidos serão disponibilizados também em canais de difusão: plataformas digitais (Youtube, Facebook da Fiocruz Amazônia); eventos científicos; DVD com os vídeos para distribuição nos materiais institucionais.

“É um trabalho crucial, pois a construção de um vídeo digital, tem o potencial de instigar reflexões sobre o papel do pesquisador enquanto divulgador científico e ao mesmo tempo propiciar ao grande público, o acesso às pesquisas. Neste sentido, o uso da tecnologia do smartphone como ferramenta digital é essencialmente importante no processo criativo da geração de conteúdo de divulgação científica dos projetos desenvolvidos, visto que todo o material produzido será estrategicamente difundido por todos os meios de comunicação”, ressaltou Cristiane Barbosa.

SOBRE O PALESTRANTE

Rômulo Araújo é jornalista, mestrando em Sociedade e Cultura na Amazônia, com especialização em Design, Comunicação e Multimídia e em Divulgação e Jornalismo Científico na Amazônia. É editor de conteúdo na Secretaria Municipal de Comunicação (Semcom) da Prefeitura de Manaus e professor do curso de Jornalismo no Centro Universitário do Norte – UniNorte/Laureate.

Com dez anos de experiência na área de comunicação, foi videorrepórter, produtor e roteirista de um telejornal local, repórter e âncora de um programa universitário de rádio, bolsista de comunicação científica e freelancer de um portal nacional de notícias e de uma agência internacional de produção de conteúdos, além de autor de iniciativas de produção independe, como conteúdos audiovisuais em série.

Ascom – ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Fotos: Eduardo Gomes

Fiocruz Amazônia oferece Oficina gratuita de vídeos digitais para divulgar ciência

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) está com as inscrições abertas para a 2ª edição da Oficina de Vídeos Digitais para Divulgar Ciência (DigiCiência). A atividade é gratuita e vai ocorrer nos dias 12, 13 e 14/11, das 8h às 12h, na sede do instituto, na Rua Teresina, 476, Adrianópolis. A oficina é voltada para o público externo e interno (pesquisadores, pós-graduandos e bolsistas de Iniciação Científica). Para os participantes, a atividade conta como 30 horas complementares no certificado.

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas pelo e-mail: eventos.ilmd@fiocruz.br, por pesquisadores, graduandos e pós-graduandos interessados em divulgar pesquisas em vídeos. Basta informar o nome, CPF, instituição.

O objetivo é de promover oficinas de comunicação com a finalidade de orientar os alunos de pós-graduação a desenvolverem a divulgação científica, de forma criativa e lúdica, utilizando a tecnologia e uso do smartphone no processo de comunicação da ciência.

A atividade faz parte da programação da Semana Estadual de Ciência & Tecnologia e conta com fomento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) por meio do Edital POP CT&I e com recursos do edital de Divulgação Científica da Fiocruz.

Na oportunidade, os participantes irão conhecer e manipular softwares específicos para edição que permitem criar vídeos e disponibilizá-los nas plataformas digitais. Os vídeos produzidos serão disponibilizados também em canais de difusão: plataformas digitais (Youtube, Facebook da Fiocruz Amazônia).

SOBRE A OFICINA

A atividade apresentará possibilidades da utilização de vídeos como recurso tecnológico para popularizar a ciência junto ao público, produzidos pelo próprio aluno de pós-graduação.

Na sequência, serão apresentadas algumas técnicas de produção de vídeos digitais, iniciando pela elaboração do roteiro e elementos de pré-produção, passando pela gravação e pela edição até chegar ao produto final.

Serão apresentados softwares específicos para edição, que permitirão aos participantes criar vídeos e disponibilizá-los nas plataformas digitais. Em momento posterior, os participantes do evento apresentarão os materiais produzidos (vídeos) a alunos de escolas da rede pública estadual em Manaus, Tabatinga e Presidente Figueiredo.

Os vídeos produzidos serão disponibilizados também em canais de difusão: plataformas digitais (Youtube, Facebook da Fiocruz Amazônia); eventos científicos; DVD com os vídeos para distribuição nos materiais institucionais.

PROGRAMAÇÃO:

Dia: 12/11 – Local: Laboratório de Informática do ILMD/Fiocruz Amazônia: 8h  –   12h: Apresentação do plano de atividades da oficina; Introdução à linguagem de roteiro. À tarde: participantes deverão captar imagens para a edição do vídeo no dia seguinte.

Dia:13/11 – Local: Laboratório de Informática do ILMD/Fiocruz Amazônia: 8h     –     12h: Produção e edição do vídeo.

Dia: 14/11 – Apresentação dos vídeos e avaliação dos mesmos.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Cristiane Barbosa