Posts

Protocolo diagnóstico desenvolvido por pesquisador da Fiocruz Amazônia identifica simultaneamente mayaro e outros arbovírus

Mayaro, um vírus que esta semana passou a assustar a população do sudeste do Brasil, já é estudado desde 2007, pelo pesquisador do Instituto Leônidas & Marias Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), Felipe Gomes Naveca.

“Todas as vezes em que temos procurado em amostras negativas para dengue, zika e chikungunya, nós temos encontrado o vírus Mayaro. Já o encontramos no Amazonas e em Roraima”, explica o pesquisador.

A identificação rápida do vírus tem sido possível graças aos protocolos de diagnóstico laboratorial pelo método PCR em Tempo Real, desenvolvidos pelo pesquisador, que identifica Parvovírus B19, sarampo, vírus Oeste do Nilo, oropouche, mayaro e outras arboviroses.

Os insumos específicos para o diagnóstico de mayaro e oropouche já estão publicados e foram patenteados pela Fiocruz, em 2017. No momento, estão sendo usados pelos Laboratórios Centrais de Saúde Pública (Lacen) de Roraima e, mais recentemente, pelo de Mato Grosso do Sul.

Os sintomas da infeção por mayaro são semelhantes à chikungunya, como febre alta, calafrios, dor de cabeça muito forte, dor nas articulações, fotofobia e dor na região lombar.

O pesquisador explica que a Fiocruz Amazônia tem atuado em parceria com outras instituições e auxiliado com o desenvolvimento de ferramentas para o diagnóstico de arboviroses. Naveca trabalha na execução e coordenação de projetos de vigilância epidemiológica, para a detecção e caracterização genética de possíveis casos humanos de arboviroses e a circulação em potenciais vetores, com financiamento do Decit-MS, CNPq, Capes (a partir da Chamada MCTIC/FNDCT – CNPq / MEC-Capes / MS-Decit Nº 14/2016 – Prevenção e Combate ao Vírus Zika), e do Programa Inova Fiocruz (a partir das chamadas Geração de Conhecimento e Produtos Inovadores).

Felipe Naveca esclarece que os arbovírus são vírus transmitidos por artrópodes como, por exemplo, o vírus da dengue, transmitido principalmente pelo mosquito Aedes aegypti. Existem centenas de arbovírus conhecidos, destes, mais de 30 foram identificados infectando seres humanos.

“Esses números demonstram que existe o risco de outros vírus se tornarem um problema de saúde pública. A emergência e o avanço epidêmico dos vírus chikungunya e zika, nos últimos anos, são provas desse risco. Por esse motivo, o sistema de vigilância em saúde deve ser dotado de diversas tecnologias, as quais permitam identificar os casos de infecções por vírus emergentes de maneira rápida e confiável”, comentou.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Foto: Eduardo Gomes

Formulação da pergunta na pesquisa científica é tema do Centro de Estudos da Fiocruz Amazônia

O Centro de Estudos do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) promove na próxima sexta-feira, 26/4, às 9h, a palestra “Narrow down research question”, a ser ministrada pelo pesquisador, Antonio Luiz Boechat, professor adjunto da disciplina de imunologia médica e psiconeuroimunologia, no Instituto de Ciências Biológicas e coordenador do Programa de Imunologia Básica e Aplicada (PPGIBA) da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

A palestra irá abordar um dos importantes pontos no planejamento da pesquisa científica: a delimitação das questões a serem investigadas. Os interessados em participar desta edição do Centro de estudos devem baixar o texto “Selection of the Questions: Finding the Research Question”, leitura obrigatória indicada pelo palestrante.

A apresentação ocorrerá na sala de aula 1, prédio anexo, na sede da Fiocruz Amazônia, situada à rua Teresina, 476, Adrianópolis, em Manaus.

SOBRE O PALESTRANTE

Antônio Boechat é graduado em Medicina pela Ufam, especialista em clinica médica e medicina de urgência pela Sociedade Brasileira de Clinica Médica, e em reumatologia pela Sociedade Brasileira de Reumatologia, doutor em Biotecnologia na Universidade Federal do Amazonas (área de concentração: biotecnologias para saúde).

Atualmente é professor adjunto da disciplina de imunologia médica e psiconeuroimunologia no Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Amazonas. Possui experiência em reumatologia clínica, desenvolvendo pesquisas nas áreas de imunogenética, biologia molecular das doenças autoimunes e infecciosas, modelos experimentais de inflamação e autoimunidade, farmacologia das drogas antiartríticas e imunobiológicas, além de aspectos cardiovasculares da artrite reumatóide.

CENTRO DE ESTUDOS

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ao ensino para a promoção da saúde.

Os eventos são gratuitos e ocorrem às sextas-feiras. As atividades são destinadas a estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagem: Mackesy Nascimento

Apresentação dos indicadores da pesquisa na Fiocruz Amazônia marcou o encerramento do Seminário Interno de Avaliação Institucional da Pesquisa

O segundo dia do Seminário Interno de Avaliação Institucional da Pesquisa do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) deu continuidade às apresentações e compartilhamento de informações entre laboratórios, pesquisadores e alunos dos cursos de pós graduação da unidade.

A programação do dia 17/4 iniciou com a apresentação dos pesquisadores seniores: Bernardo Horta, Yara Cseko, e Ana Carolina Vicente, momento em que cada um falou sobre sua atuação na Fiocruz Amazônia e sobre estudos e pesquisas para os quais estão contribuindo no Instituto.

Ana Carolina Vicente ressaltou a importância do momento de compartilhamento de informações entre os pesquisadores, laboratórios, e entre as áreas de atuação do Instituto, bem como lembrou que os projetos dos seniores têm dois vieses: a pós-graduação e os laboratórios. “Quando se tem interação e sinergismo as ações tomam outro significado, que é algo fantástico. A Fiocruz Amazônia está de parabéns por isso”, concluiu.

Outro ponto de destaque da programação foi a apresentação dos indicadores institucionais da pesquisa, referentes aos anos 2016/2017 e 2018. Segundo o vice-diretor de Pesquisa e Inovação, Felipe Naveca, os indicadores do Instituto “são frutos de vários anos de discussão de um grupo de trabalho que envolveu representantes de todos os laboratórios, mas eles não são imutáveis, e precisam estar sempre sendo aprimorados. A ideia dos indicadores é saber se a gente está melhorando, em que caminhos se deve seguir e o que fortalecer, no sentido do planejamento a médio e longo prazos. A partir desses indicadores, temos três anos para avaliação e planejamento para os anos seguintes ”, disse.

Depois, foi aberta discussão sobre os indicadores e apontamentos das Diretrizes da Pesquisa e Inovação no ILMD/Fiocruz Amazônia para o triênio 2019/2020 e 2021. O evento encerrou com as considerações sobre os dois dias do Seminário, 16 e 17/4.

Saiba mais em https://bit.ly/2PdvhP8

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes

Fiocruz Amazônia promove Seminário Interno de Avaliação Institucional da Pesquisa

Pesquisadores e alunos de programas de pós-graduação do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) participam hoje e amanhã (16 e 17/4) do Seminário Interno de Avaliação Institucional da Pesquisa. O evento acontece no Salão Canoas, na sede do Instituto, no bairro de Adrianópolis, em Manaus, de 9h às 17h.

Durante a abertura do evento, o pesquisador e diretor da unidade da Fiocruz no Amazonas, Sérgio Luz, falou da importância do evento especialmente por conta do compartilhamento de informações entre os laboratórios, o que pode estimular a realização de estudos e pesquisas em parceria entre os mesmos.

“Nossa intenção é avançar numa gestão mais participativa e mais equilibrada da pesquisa, por isso a ideia do seminário, para que cada laboratório se apresente e com isso todos tenham dimensão das áreas em que são desenvolvidas pesquisas na Fiocruz Amazônia”, explicou o diretor.

Uma linha do tempo até a realização do Seminário Interno foi apresentada, demonstrando que essa atividade teve início com a realização das jornadas de pesquisa, depois com a análise dos indicadores institucionais, até o atual momento, de avaliação institucional da pesquisa.

Para a pesquisadora Ormezinda Fernandes, do Laboratório Diversidade Microbiana da Amazônia com Importância para a Saúde (DMAIS/Fiocruz Amazônia), eventos como o Seminário Interno de Avaliação Institucional da Pesquisa são muito importantes para a instituição, pois demonstram a necessidade dos pesquisadores saberem mais sobre o que seus pares estão fazendo.

“Comungo com a ideia de que existem projetos de pesquisa que devem ser institucionalizados, que não sejam apenas de um ou de outro laboratório, mas que sejam abraçados pela instituição. No laboratório DMAIS temos profissionais com expertise em micologia, bacteriologia e parasitologia, e somos agraciados com profissionais que atuam na epidemiologia, que desenvolvem suas ações nessa relação entre saúde, ambiente e o homem. Nesse contexto queremos fortalecer nosso laboratório com a ideia de uma saúde global, que envolve o homem e o ambiente e, nesse ambiente, vamos encontrar os animais, que podem ser vetores ou hospedeiros intermediários de determinadas doenças”, explica Ormezinda.

O SEMINÁRIO

Amanhã, 17/4, a programação do seminário constará de apresentação dos indicadores institucionais da pesquisa, bem como das diretrizes da pesquisa no ILMD/Fiocruz Amazônia (2018-2020).

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes

Estudo realizado em Manaus avaliou homicídios intencionais em mulheres, com enfoque em feminicídios

Saúde e violência contra mulher são temas que ainda temos muito que discutir com a sociedade e com organizações que defendem os direitos básicos das mulheres.

O Brasil é um dos campeões em mortes violentas, e nessa triste estatística entram os casos de feminicídios, onde 50% das mortes nesses casos são causadas por parceiros íntimos, companheiros ou ex-companheiros das vítimas.

Em estudo sobre o assunto, o pesquisador do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), Jesem Orellana, apurou que cerca de 50% dos assassinatos de mulheres no Brasil no ano de 2017, envolveram agressões por enforcamentos/estrangulamentos, queimaduras por chamas/fogo, facas, arma de fogo, pauladas e objetos contundentes, agressões físicas fatais e agressões sexuais por meio de força física. Há de se destacar que o montante de agressões por meio de armas de fogo, considerado no estudo, representa apenas 20% do total de agressões registradas por essas armas, no país.

O estudo abordou ainda os  homicídios intencionais de mulheres com enfoque nos feminicídios, em Manaus, nos anos de 2016/2017,  e apontou que cerca de 40% das mortes de mulheres maiores de 11 anos foram feminicídios, ou seja, a cada 10 homicídios de mulheres, em Manaus, nesse período, quatro foram feminicídios, e em torno de 30% e 20% das vítimas de homicídio, sofreram violência sexual e fizeram uso de álcool antes da agressão, respectivamente.

Outro dado identificado no estudo é que na Região Norte a ocorrência de feminicídio parece ser maior, comparando-se com outras regiões do país. Jesem Orellana explica que não se tem uma resposta exata para esse complexo fenômeno e receia que não seja possível determinar suas causas, diante da reduzida visibilidade dada ao assunto e à carência de informações qualificadas e de estudos compreensivos a respeito. “Mas, de modo geral, podemos supor que parte dessa explicação esteja associada ao patriarcado dominante e ao sentimento masculino de que a mulher é propriedade privada, algo que historicamente foi sedimentado na sociedade brasileira, especialmente naquelas em que alguns desses valores ainda são bastante difundidos e valorizados, como pode ser o caso da Região Norte do Brasil. Porém, é possível que esse fenômeno seja parcialmente influenciado pelos elevados padrões de violência urbana observados na região, que na maior parte das vezes, é superior aos padrões de regiões socioeconomicamente mais desenvolvidas”, explica.

Orellana alerta  ainda que até meados de 2018, no Amazonas, não havia nenhuma condenação por feminicídio. “Esta é uma triste realidade que assola não somente o Amazonas, mas outros Estados, e os motivos são diversos e podem incluir o subdimensionamento desse problema – feminicídio – e a lentidão da justiça, por exemplo. O subdimensionamento do problema, porque muitas mortes violentas de mulheres sequer chegam a ser investigadas, seja porque não há corpo ou porque nunca foram identificadas como mortes por razões de gênero. Nesses casos, não há como a polícia civil tomar conhecimento do crime e abrir uma investigação e um inquérito policial para, em seguida, caso ele não seja interrompido por falta de pessoal ou “provas”, possa fornecer elementos à tramitação desses casos, na justiça”.

MARÇO

No Brasil, o número de mortes de mulheres é aproximadamente cinco vezes menor que o de homens. Mas, a diferença que incomoda e requer reflexão, diz respeito a quem pratica o ato criminoso.

O pesquisador observa que trazer a violência contra a mulher para o rol de assuntos a serem discutidos no mês de março, quando se celebra o Dia Internacional da Mulher (8/3) é oportuno e urgente, para dar maior visibilidade a um problema que carece de respostas efetivas da sociedade, do executivo, do legislativo e judiciário.

Vale ressaltar que com a promulgação da Lei Maria da Penha, em 2006, e da Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015, feminicídio tornou-se crime hediondo.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Imagem: Mackesy Nascimento
Foto: Eduardo Gomes

Projeto da Fiocruz Amazônia de controle do Aedes é testado em Goiânia

Goiânia é uma das capitais contempladas por projeto de pesquisadores do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) que avalia a eficácia de alternativa para controle do Aedes aegypti e A. albopictu, transmissores dos vírus da Dengue, Zika e Chikungunya.

O projeto é apoiado pelo Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD), do Ministério da Saúde, e sua tática é a utilização dos próprios mosquitos para disseminarem larvicida em criadouros que estão em locais de difícil acesso como calhas de telhados, terrenos baldios etc.

Para tanto são utilizados baldes plásticos, cobertos com pano preto impregnados de larvicida, e  com uma certa quantidade de água para atrair os mosquitos. Depois de preparados, os baldes tornam-se Estações Disseminadoras de Larvicida, pois atraem mosquitos adultos, por meio da água, e estes ao pousarem na superfície da Estação, partículas do larvicida são aderidas às suas pernas e no corpo. Assim, os mosquitos acabam levando esse produto para outros criadouros e com isso conseguem matar larvas e pupas.

Em Goiânia, o projeto conta com o apoio da Superintendência de Vigilância em Saúde, da Secretaria Municipal de Saúde, e  está sendo implantado nos bairros de Capuava, Jardim Novo Mundo e Jardim Guanabara. Foram treinados 35 agentes de endemias para atuarem na implantação das Estações e manutenção das mesmas.

O projeto é coordenado pelos pesquisadores Sérgio Luz (do ILMD/Fiocruz Amazônia), Fernando Abad-Franch (do Instituto René Rachou – IRR/Fiocruz Minas), José Joaquín Carvajal Cortés,  e Samylla Suany de Souza Soares, ambos do ILMD/Fiocruz Amazônia.

A pesquisa iniciou em 2014 nas cidades de Manaus e em Manacapuru, no Amazonas, onde foram apresentados resultados promissores na eliminação de larvas dos mosquitos, mesmo em ambientes adversos. Agora, com o apoio do Ministério da Saúde, por meio do Departamento de Ciência e Tecnologia, e do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis (Decit & Devit/MS), da Organização Pan-Americana da Saúde-Organização Mundial da Saúde (Opas-OMS), e  com apoio de secretarias municipais e estaduais de Saúde, os ensaios ocorrem em diferentes regiões do Brasil, visando avaliar a eficácia da tática do uso das Estações Disseminadoras de Larvicida para o controle do Aedes aegypti e A. albopictus, em diferentes paisagens geográficas e escalas.

O larvicida utilizado nas Estações é o pyriproxyfen, que não apresenta riscos à saúde humana ou de animais domésticos.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes

Fiocruz Amazônia recebe visita de Marcelo Ramos

O diretor do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), Sérgio Luz, recebeu nesta sexta-feira, 7/12, a visita do deputado federal eleito, Marcelo Ramos, que veio conhecer um pouco mais do trabalho da Fiocruz no Amazonas, bem como disponibilizar seu mandato a serviço de projetos significativos para a saúde no Estado.

Na oportunidade, Sérgio Luz, falou das ações e projetos desenvolvidos pela Fiocruz Amazônia, para a melhoria das condições de vida e saúde das populações amazônicas e para o desenvolvimento científico e tecnológico regional, tendo como ações a pesquisa, a educação e atividades na área de saúde pública.

“É muito importante a gente falar de saúde na Amazônia, do nosso trabalho, da nossa instituição para os parlamentares, para os tomadores de decisões e pensarmos juntos em propostas para integrar as questões da saúde, da ciência, e do desenvolvimento para o Amazonas”, disse o diretor.

Marcelo Ramos disse estar impressionado com tudo o que viu e ouviu sobre o trabalho da Fiocruz, especialmente na área de pesquisa e formação de recursos humanos para atuação na Saúde, além da capacidade institucional de desenvolver tecnologias sociais e produtos para a inovação em saúde.

“A Fiocruz, com suas limitações, principalmente no interior do Estado, nas comunidades indígenas, supri muito das necessidades da saúde, especialmente na formação de recursos humanos. Não conhecia essa outra expertise da Fiocruz de desenvolvimento de produtos e tecnologias para a saúde, e sua capacidade para a produção de fármacos”, disse o deputado ao conhecer algumas tecnologias desenvolvidas pela Fiocruz.

Marcelo Ramos, ao final do encontro, parabenizou o trabalho de pesquisadores e equipes da Fiocruz Amazônia e disse estar a estabelecendo uma pauta de ações e que já tem uma tarefa inicial que é trazer para Manaus a produção de novo medicamento para a malária, que irá reduzir os dias de tratamento da doença.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes

Vacinação contra sarampo é essencial para que países mantenham eliminação da doença nas Américas, reitera OPAS

A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) adverte que, ante os surtos de sarampo nas Américas, os países devem redobrar esforços para vacinar suas populações, fortalecer a vigilância a fim de detectar possíveis pacientes e implementar medidas para responder rapidamente a qualquer caso suspeito, em uma atualização epidemiológica publicada nesta sexta-feira (16).

A região foi declarada por um Comitê Internacional de Especialistas como livre da rubéola e da síndrome da rubéola congênita, em 2015, e do sarampo, em 2016. A eliminação dessas três doenças foi o ponto culminante de um esforço de 22 anos que incluiu a vacinação em massa contra o sarampo, a caxumba e a rubéola em todo o continente. No entanto, como o vírus do sarampo é altamente contagioso e permanece em circulação no resto do mundo, como o vírus da rubéola, a região corre o risco de surtos dessas doenças.

Nos primeiros meses de 2018, são nove os países que relataram casos confirmados de sarampo: Antígua e Barbuda (1 caso), Brasil (14 casos), Canadá (4 casos), Colômbia (1 caso), Estados Unidos da América (13 casos), Guatemala (1 caso), México (4 casos), Peru (2 casos) e Venezuela (886 casos no total, 159 em 2018), aponta a atualização epidemiológica.

Em 2017, quatro países relataram casos confirmados de sarampo: Argentina, Canadá, Estados Unidos e Venezuela. Além disso, os casos na região europeia quadruplicaram em 2017, o que aumenta o risco de casos de sarampo serem importados para países das Américas. A OPAS/OMS vem alertando sobre esta situação desde maio de 2017 e em sucessivas atualizações epidemiológicas.

Ante esta situação, a OPAS/OMS recomenda a seus países:

1 – Vacinar a população para manter uma cobertura homogênea de 95% com a primeira e a segunda dose da vacina contra sarampo, caxumba e rubéola em todos os municípios.

2 – Fortalecer a vigilância epidemiológica do sarampo para detectar casos suspeitos nos serviços de saúde públicos e privados.

3 – Dar uma resposta rápida ao detectar casos importados de sarampo, com o objetivo de evitar o restabelecimento da transmissão endêmica do vírus (ou seja, que existe de forma contínua e constante dentro de uma determinada região), incluindo a ativação de equipes que deem seguimento aos casos e seus contatos.

4 – Manter uma reserva de vacina sarampo-rubéola para ações de controle de casos importados em cada país da região.

Em 2017, os países das Américas se comprometeram a tomar medidas para manter a eliminação do sarampo, rubéola e síndrome da rubéola congênita, ao aprovar um plano de ação com esse objetivo. O plano enfatiza que, para manter a eliminação, os níveis de cobertura vacinal da população devem ser de 95% ou mais. Nos últimos cinco anos, a cobertura regional com a primeira dose da vacina contra o sarampo, a rubéola e a caxumba variou entre 92% e 94%.

O sarampo é uma das doenças mais contagiosas e afeta principalmente as crianças. É transmitida por gotas no ar ou contato direto com secreções do nariz, boca e garganta de indivíduos infectados. Os sintomas consistem em febre alta, erupção cutânea generalizada em todo o corpo, nariz entupido e olhos avermelhados. Pode causar complicações graves, como cegueira, encefalite, diarreia grave, infecções de ouvido e pneumonia, especialmente em crianças com problemas nutricionais e pacientes imunodeprimidos.

Fonte: OPAS

Fiocruz desenvolve molécula para tratamento de leucemia

Os resultados de uma pesquisa desenvolvida pelo Instituto Carlos Chagas (ICC/ Fiocruz Paraná) abrem novas perspectivas para o tratamento de câncer, em especial da Leucemia Linfóide Aguda (LLA). Tratada desde 1970 com terapia que inclui a enzima asparaginase extraída de bactérias, a doença atinge com mais frequência crianças e jovens. No Brasil, cerca de 4 mil pacientes dependem deste tipo de medicamento, importado e utilizado pelos serviços de oncologia do Sistema Único de Saúde (SUS). O estudo desenvolveu uma versão inovadora da asparaginase humana, que passou a ter maior atividade bioquímica após mudanças em sua estrutura, o que confere a ela um potencial terapêutico. A descoberta feita pelos inventores Stephanie Bath de Morais, Nilson Zanchin e Tatiana Brasil, com pedido de patente já depositada, abre perspectivas para o tratamento com uma enzima mais especifica e menos tóxica, uma contribuição importante para o tratamento da leucemia infantil.

 “A enzima obtida a partir de bactérias, embora efetiva no tratamento, provoca uma reação forte do sistema imunológico, causando diversos efeitos colaterais no paciente. A vantagem de se utilizar no tratamento uma proteína de origem humana seria a diminuição dos efeitos colaterais decorrentes do reconhecimento de uma molécula estranha. As células humanas produzem a asparaginase, porém a proteína nativa não apresenta atividade suficiente para utilização como medicamento. Utilizando a expertise do nosso grupo, nosso objetivo foi o de investigar a estrutura dessa molécula. Então, foram realizadas mudanças na sua estrutura que resultaram em atividade compatível com potencial uso terapêutico”, explica a pesquisadora do Laboratório de Proteômica e Engenharia de Proteínas, Tatiana Brasil. “Em quatro anos de pesquisa, identificamos as mudanças necessárias na estrutura da asparaginase humana e produzimos uma molécula inovadora no laboratório”, comemora.

Além da diminuição dos efeitos colaterais causados pelo medicamento disponível hoje no mercado, a descoberta pode abrir a possibilidade de produção nacional de um biofármaco com utilização essencial no tratamento da leucemia. “Hoje, o Brasil importa a asparaginase bacteriana que é utilizada nos serviços de oncologia cadastrados pelo SUS. Com a produção nacional dessa molécula humana inovadora, teríamos a possibilidade de melhorar o tratamento, baratear o custo e reduzir a dependência das importações”, ressalta Tatiana.

Os resultados também reforçam a característica de inovação das pesquisas desenvolvidas nos laboratórios da Fiocruz Paraná. O grupo foi orientado, durante todo o processo de proteção patentária, pelo Núcleo de Inovação Tecnológica da Fiocruz Paraná. “Passamos por duas avaliações e nossa descoberta está com o pedido de patente depositada. Não encontramos dificuldade no processo de proteção, pois os profissionais da Fiocruz nesta área estiveram presentes desde o início do projeto”, lembra a pesquisadora. “Nosso próximo passo é otimizar o processo de produção, e produzirmos a molécula humana modificada em quantidade suficiente para que possamos realizar os testes pré-clínicos a fim confirmar o potencial farmacológico dessa enzima”, finaliza Tatiana.

Conheça a atuação do Laboratório de Proteômica e Engenharia de Proteínas da Fiocruz Paraná aqui.

Fiocruz Paraná, por Renata Fontoura
Fonte: AFN Notícias
Foto: Fiocruz Paraná

1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde vai debater fortalecimento do SUS

Tem início nesta terça-feira (27), em Brasília, a 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde. Organizada pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS), o objetivo é propor diretrizes para a formulação da Política Nacional de Vigilância em Saúde e o fortalecimento de ações de Promoção e Proteção à saúde.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, participa da abertura da Conferência, ocasião em que fará um balanço das ações de vigilância em saúde. O fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS), a democracia, a importância do olhar para o território, as responsabilidades do poder público e o lugar da Vigilância em Saúde no SUS, estão entre os temas que serão discutidos com acadêmicos, especialistas, conselheiros de saúde, trabalhadores, usuários e gestores.

A abertura terá como tema Vigilância em Saúde: Direito, Conquistas e Defesa de um Sistema Único de Saúde (SUS) Público de Qualidade. O evento deverá reunir cerca de 2 mil pessoas de várias partes do Brasil que participaram de centenas de conferências, realizadas em 2017 em todo o país, tanto municipais quanto estaduais, distrital, macrorregionais, livres e plenária. Ao todo 170 propostas consolidadas nas etapas preparatórias serão levadas para a Conferência Nacional.

Para discutir questões nos eixos de Vigilância em Saúde: Direito, Conquista e Defesa de um SUS Público de Qualidade; O Lugar da Vigilância em Saúde no SUS e Saberes, Práticas, Processos de trabalhos e Tecnologias na Vigilância em Saúde; e Responsabilidades do Estado com a Vigilância em Saúde e Vigilância Participativa e Democrática para o Enfrentamento das Iniquidades Sociais em Saúde, a Conferência Nacional vai reunir palestrantes como: o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Jarbas Barbosa; a procuradora do Ministério Público de Contas do Estado de SP, Élida Graziane; o professor do Departamento de Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Norberto Rech; e o ex-ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo.

A 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde surgiu a partir dos resultados da 15ª Conferência Nacional de Saúde, realizada em 2015, e em decorrência de diversos debates ocorridos no Conselho Nacional de Saúde em torno de variadas agendas. O evento será realizado, até o dia 02 de março, no Centro de Eventos da Ascade (SCES Trecho 2, Conjunto 10, Lote 18, Asa Sul, Brasília). A abertura oficial será as 18 horas.

Para saber mais:

Conheça a programação e os palestrantes da 1ª CNVS

Conheça o Caderno das Propostas Consolidadas para a 1ª CNVS

Agência Saúde, Por Ana Cláudia Amorim
Fonte: Minstério da Saúde