Posts

Em agosto a Fiocruz Amazônia intensifica celebrações dos seus 25 anos

Instituído oficialmente por meio da Portaria Fiocruz nº 195, de 19 de agosto de 1994, como Escritório Técnico da Amazônia (ETA-Fiocruz), o Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) completa em agosto 25 anos.

As comemorações do seu jubileu vão ocorrer até 2020, com uma programação variada que inclui eventos científicos, de popularização da ciência e de geração e difusão do conhecimento científico e tecnológico, voltado para a promoção da saúde, qualidade de vida, meio ambiente, sustentabilidade e cidadania.

O jubileu do ILMD/Fiocruz Amazônia vem sendo pensado desde o início deste ano e, com o apoio da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), um selo foi criado especialmente para este aniversário.

ALEAM

Numa propositura da autoria da deputada estadual Alessandra Campelo, no dia 23 de agosto, às 13h, uma Sessão Especial, a ser realizada na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), marcará o jubileu do ILMD/Fiocruz Amazônia, com o reconhecimento parlamentar da importância da instituição para o Amazonas.

A Sessão Especial será realizada no Plenário Ruy Araujo, na Av. Mario Ypiranga Monteiro, 3.950 – Parque 10. O evento é aberto ao público.

Na ocasião será lançada a 4ª edição da Fiocruz Amazônia Revista, uma publicação de divulgação científica do ILMD, que numa edição especial trará um resgate histórico do Instituto.

MOSTRA DE FILMES

As celebrações do jubileu deram início em junho, com a mostra de filmes de “Adrian Cowell – Um olhar sobre a Amazônia”, que abordou questões socioambientais e políticas da Amazônia Brasileira. O evento aconteceu entre os dias 12 e 14 de junho, no Casarão de Ideias, que fica no Centro de Manaus.

Para acompanhar as celebrações do jubileu do ILMD/Fiocruz Amazônia acesse e curta a fanpage

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas

Mostra de filmes marcará abertura de atividades do Jubileu de prata da Fiocruz Amazônia

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), em parceria com a Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) promove entre os dias 12 e 14 de junho, no Casarão de Ideias, a mostra de filmes “Adrian Cowell – Um olhar sobre a Amazônia”, que abordará questões socioambientais e políticas da Amazônia Brasileira. O evento marcará a abertura das atividades, em comemoração aos 25 anos de atuação da Fiocruz na Amazônia.

A mostra exibirá os filmes “Matando por terras”, “O destino dos Uru Eu Wau Wau” e “Batida na floresta”, obras do documentarista, registradas durante suas experiências pelo Brasil, acompanhando o processo de desenvolvimento da Amazônia, o impacto dos grandes projetos, avanços da agricultura e pecuária, projetos de colonização, construção de estradas e hidrelétricas, retratando suas conseqüências no cotidiano das pessoas que vivem na região: populações indígenas, seringueiros, madeireiros, garimpeiros e outros.

Os documentários contribuem para o debate político e cultural que envolve a Amazônia e constituem a memória dos povos da floresta, promovendo férteis discussões, no sentido de compatibilizar o desenvolvimento socioambiental e o uso sustentável dos recursos naturais. Após a exibição dos filmes, serão realizados debates sobre os temas apresentados.

Para Stella Oswaldo Cruz Penido, curadora da mostra, é de grande relevância a abertura de debates sobre os aspectos históricos ambientais da Amazônia, presentes em importantes debates da atualidade. “É incrível essa possibilidade de parceria entre a COC, a Fiocruz Amazônia e o Casarão de Ideias, pois com essas ações reuniremos um público específico para este tipo de debate aqui no Amazonas. O acervo chegou ao Brasil em 2008, já se passaram mais de 10 anos, mas faz todo sentido trazer os filmes do Adrian, nesse momento, mostrando os aspectos históricos dessas questões sobre Amazônia. É muito importante atualizarmos o debate sobre essas questões ambientais, com pessoas que estão atuando, militando nessa agenda ambiental em 2019, discutindo esses filmes”, destacou.

A entrada para assistir aos filmes e participar dos debates da mostra “Adrian Cowell – Um olhar sobre a Amazônia” será gratuita. O Casarão de Ideias fica localizado na Rua Barroso, 279, no Centro de Manaus.

SOBRE ADRIAN COWELL

Adrian Cowell foi um documentarista chinês, naturalizado britânico, estudou na Austrália e na Inglaterra. Graduou-se em história pela Universidade de Cambridge em 1955. Entre 1955 e 1956, foi com a Oxford & Cambridge Far Eastern Expedition de Londres até Singapura, fazendo uma série de três programas, de 26 minutos para a BBC, intitulados “Travellers Tales“.

Entre 1957 e 1958, esteve pela primeira vez no Brasil, quando a Oxford & Cambridge Expedition veio à América do Sul, para a produção de quatro programas de 26 minutos, para a série “Adventure” da BBC. A convite dos irmãos Villas Bôas, Adrian filmou, de 1967 a 1969, a expedição para contatar a tribo de índios isolados Panará. Os filmes realizados neste período “The Tribe that Hides From Man” (A Tribo Que Se Esconde do Homem) e “Kingdom in the Jungle” (O Reinado na Floresta), foram produzidos para a ATV.

No Brasil, ele se tornou amigo de Chico Mendes. Produziu diversos filmes sobre a Amazônia, nos quais ele retrata a difícil situação dos índios e as injustiças sociais existentes no local. O Acervo Adrian Cowell é constituído de filmes 16 mm, fitas de vídeo, slides e diários de campo sobre a Amazônia. São 50 anos de trabalhos que documentam a história, por meio das imagens registradas por Adrian Cowell e equipe, acompanhando o processo de desenvolvimento da região.

Confira a sinopse dos filmes que serão exibidos:

  • Dia 12/6 – ”MATANDO POR TERRAS” (52 min / 1990)

Filmado em 1986 na fronteira leste da Amazônia, ao longo da rodovia Belém Brasília, período em que foram assassinadas mais de 100 pessoas. Grandes fazendeiros, prestes a perder benefícios adquiridos durante o governo militar, contratam pistoleiros para expulsar grupos de sem-terra acampados. Casas queimadas, assassinatos, famílias expulsas: fatos que levam à retaliação dos sem-terra com queimadas de pastos e protestos, forçando os pistoleiros a abandonar o local.

Contudo, a eficácia de tais medidas só dura até o assassinato de mais dois sem-terra e de uma criança de três anos. Nem mesmo a polícia ousa enfrentar os assassinos e a justiça libera os mandantes do crime por falta de evidências. Uma entrevista com o pistoleiro mais famoso da região, conhecido por ter assassinado mais de 300 pessoas, deixa evidente que a justiça não alcança pistoleiros e latifundiários. Primeira versão brasileira (2011).

Debatedor: Felipe Milanez (UFBA)

Debatedor: Vicente Rios (PUC-GO)

Mediadora: Stella Oswaldo Cruz Penido (COC- Fiocruz)

  • Dia 13/6 – “O DESTINO DOS URU EU WAU WAU” (52min / 1999)

Este filme faz parte da Trilogia “Os Últimos Isolados”. Três décadas depois de “Na Trilha dos Uru Eu Wau Wau”, Adrian Cowell reencontra alguns dos personagens. Descobrimos que o líder Tari, que raptou a criança branca de “Na Trilha dos Uru Eu Wau Wau”, teve sua própria irmã raptada, por brancos, quando tinha 6 anos. O filme proporciona um encontro inesperado dos irmãos e nos mostra como os Uru Eu Wau Wau puderam lidar com as transformações em seu mundo, ao longo dessas décadas.

Debatedora: Elaíze Farias (Jornalista / Portal Amazônia Real)

Debatedor: André Fernando Baniwa (Organização Indígena da Bacia do Içana OIBI)

Mediadora: Selda Vale da Costa (UFAM)

  • Dia 14/6 – “BATIDA NA FLORESTA” (59min / 2005)

A luta de Walmir de Jesus, gerente do IBAMA em Ji-Paraná, para conter o desmatamento desenfreado da Amazônia em Rondônia. O filme mostra Walmir combatendo a extração e a venda ilegal de madeira, corrupção na política e no funcionalismo público local, desemprego e invasões em áreas de Parques Nacionais e de índios isolados.

Debatedor: Phillip Fearnside (Instituto Nacional de Pesquisas na Amazônia – INPA)

Mediador: Felipe Milanez (UFBA)

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagens: Mackesy Pinheiro