Posts

Palestra do Centro de Estudos vai abordar coleta de dados secundários em pesquisa

O Centro de Estudos do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) promove na próxima sexta-feira, 23/11, a partir de 10h, na sala de aula 2, prédio anexo, na sede do Instituto, a palestra “Coleta de dados secundários em pesquisa”, a ser ministrada pela pesquisadora Lisiane Lappe dos Reis.

Segundo Lisiane, a apresentação irá abordar sua experiência na busca de dados secundários, durante a realização do curso de mestrado, do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA), da Fiocruz Amazônia. A pesquisadora antecipou, que será uma oportunidade de trocar experiências, por meio de exemplos de como os alunos podem utilizar esses dados em suas experiências no campo da pesquisa científica.

SOBRE O PALESTRANTE

Lisiane é graduada em Farmácia-Bioquímica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e mestre em Saúde Pública pelo Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/ Fiocruz-Amazônia).

Atualmente é Tecnologista em Saúde Pública – área Parasitologia, na Fiocruz-Amazônia. Atua como farmacêutica bioquímica plantonista na Secretaria de Saúde do Estado do Amazonas. Tem experiência em Análises Clínicas, análise de banco de dados secundários e epidemiologia de doenças infecciosas. Desenvolve pesquisas na área de epidemiologia de doenças infecciosas e caracterização molecular de parasitos.

CENTRO DE ESTUDOS

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ao ensino para a promoção da saúde.

Os eventos são gratuitos e as atividades são destinadas a estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Como preencher e incrementar seu currículo Lattes?

Apesar da grande utilização no meio acadêmico, especialmente para quem deseja dar continuidade aos seus estudos através de cursos de mestrado e doutorado, ou por aqueles que desde a graduação se interessam por pesquisa e fazem iniciação científica, muitas pessoas ainda não sabem exatamente o que é o currículo Lattes, ou quando sabem, têm dificuldade para preenchê-lo ou atualizá-lo.

O currículo é uma ferramenta criada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), por meio da Plataforma Lattes, com o objetivo de integrar as bases de dados, organizar e padronizar os currículos do território nacional.

Com o tema “Como preencher e incrementar seu currículo Lattes”, a pesquisadora Elizabeth Teixeira, professora do Centro Universitário Luterano de Manaus (CEULM/Ulbra), apresentou nesta sexta-feira, 6/4, no Salão Canoas, auditório do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), palestra com sugestões e dicas sobre o currículo Lattes.

A palestra foi organizada pelo Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia, núcleo que oportuniza encontros, conferências, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa, ensino e promoção da saúde.

Acompanhe a entrevista com Elizabeth Teixeira:

Fiocruz Amazônia: Qual a importância do Lattes no meio acadêmico?

Elizabeth – O Lattes vai começar a espelhar a trajetória da pessoa, vai revelar o que ela tem feito, o que tem buscado, as participações, as movimentações interinstitucionais e extrainstitucionais. Quando se está num campo acadêmico é preciso se preparar para um campo profissional, e o lattes é um elemento representador, um cartão de visitas, um retrato profissional e acadêmico, sem falar nos processos seletivos. Durante a graduação a pessoa pode desejar tornar-se um bolsista de iniciação científica, de um programa ou projeto e o processo seletivo é realizado inicialmente pela análise do Lattes.

Fiocruz Amazônia: Qual a melhor maneira elaborar o resumo do Lattes?

Elizabeth – O resumo pode ser automático, cedido pela própria plataforma Lattes, extremamente quantitativo. Eu sugiro que as pessoas façam seus próprios textos, na primeira pessoa, apresentando sua trajetória em uma ordem cronológica. Na medida que você vai caminhando, você vai ter outros elementos para destacar, mas não precisa colocar nesse texto a quantidade de coisas que faz, pois o lattes já faz essa tabulação. O resumo é um texto descritivo qualitativo.

Fiocruz Amazônia: Quais as principais dificuldades encontradas no preenchimento do Lattes?

Elizabeth – Como a gente possui uma tendência de acumular, muito certificado, muito papel, e pouco tempo para atualizar, a pessoa acaba ficando parada na mesma tela e não descendo com o cursor, com isso preenche apenas as opções que são obrigatórias para o Lattes. Palavras-chaves não são obrigatória, outras informações também não, o campo das grandes áreas não é obrigatório, e acabam ficando todos em branco. A gente sugere que periodicamente, com maior regularidade, o usuário da plataforma Lattes a atualize, para não acumular papel e querer inserir vários itens de uma só vez.

Fiocruz Amazônia: Como delimitar um bom perfil profissional dentro da plataforma?

Elizabeth – O que vai definir o perfil é a palavra-chave, pois nesse campo você constrói a tendência.

Fiocruz Amazônia: Que eventos devem ser considerados como “formação complementar” e como diferenciá-los do campo  de“participação em eventos”?

Elizabeth – Formação complementar é quando o pesquisador está se formando, podendo ser a institucional formal, e a complementar é a que você pode fazer participando de oficinas, cursos, processos de atualização. Hoje, neste encontro, cada um que aqui esteve fez uma formação complementar, ou seja, são os cursos onde  se aluno ou estudante. No entanto, se durante um evento apresenta-se trabalhos, tipo resumos, pôsteres, banners, neste caso é participação em eventos. É importante salientar que na mesma oportunidade pode-se ter as duas ações.

Fiocruz Amazônia: Como você analisa a presença dos tópicos “inovação” e “popularização da ciência e tecnologia dentro da plataforma?

Elizabeth – Acredito que nos tópicos de inovação e popularização da ciência e tecnologia, nós ainda estamos muito tímidos. As pessoas tendem a imaginar que inovação é apenas quanto se patenteia algo, da mesma forma que imaginam sobre o que é a popularização. Se eu estou em um evento apresentando um trabalho, eu não estou popularizando ciência e tecnologia? É claro que eu estou. Nós precisamos quebrar essas representações que colocam tudo muito longe de nós.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Foto: Eduardo Gomes

De forma descontraída, ex-aluna de Maria Deane fala da cientista

“Uma mulher brava, que tinha que se impor num mundo dominado por homens”.  Esta e outras lembranças de Maria Deane foram compartilhadas por sua ex-aluna e pesquisadora, Antônia Franco, em palestra sobre a cientista, que juntamente com seu marido emprestam seus nomes à unidade da Fiocruz na Amazônia.

A palestra “Maria Deane: Lembranças de uma vida” foi proferida nesta sexta-feira, 17/3, por Antônia Franco, pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e aluna de Maria Deane nos anos 80, em edição especial do Centro de Estudos.

A abertura do evento foi feita pelo diretor do Instituto Maria e Leônidas Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), Sérgio Luz, também ex-aluno do casal Deane, que em muito contribuiu com lembranças sobre a dupla de cientistas.

Antônia Franco trabalhou por 12 anos com o casal e lembra que Maria e Leônidas sempre foram parceiros. “Essa cumplicidade entre eles existia desde o tempo de universidade”, pois os dois nasceram no Pará e lá cursaram a universidade de medicina.

Maria Deane. (Foto: Arquivo IOC/Fiocruz)

Maria Deane. (Foto: Arquivo IOC/Fiocruz)

MARIA DEANE

Maria José von Paumgartten Deane (1916 – 1995) sempre foi uma mulher à frente de seu tempo, não media esforços em sua atuação a serviço da saúde pública. Segundo Antônia, ela dizia que todos a achavam brava, no entanto, as coisas saiam conforme o marido Leônidas queria, ele mais detalhista.

Antônia recorda ainda da perseguição política sofrida pelo casal que fez com os dois saíssem do País. Para ela, Maria era uma mulher firme, que trabalhou até seus últimos dias, sempre pesquisando, sempre atenta a tudo no laboratório.

Ela atuava na área de protozoologia, e ao lado do marido, percorreu o Norte e o Nordeste do País para investigar ocorrências de doenças como leishmaniose visceral, malária e doença de Chagas.

ANTÔNIA FRANCO

Antônia Franco é graduada em Licenciatura Plena e Bacharel em Ciências Biológicas pela Fundação Técnico Educacional Souza Marques, mestre em Biologia Parasitária, e doutora em Biologia Celular e Molecular pela Fundação Oswaldo Cruz, com parte do estudo desenvolvido na Universidade de Yale (EUA). Atualmente é pesquisadora titular do Inpa.

Atuou diretamente com Maria Deane. “Conheci a Dra Deane desde o ano de minha entrada como estagiária na Fiocruz, no ano de 1982. Foi minha orientadora de mestrado, co-orientadora, de doutorado”, lembra.

Saiba mais sobre Antônia Franco.

As atividades do Centro de Estudos ocorrem às sextas-feiras. (Fotos: Eduardo Gomes)

As atividades do Centro de Estudos ocorrem às sextas-feiras. (Fotos: Eduardo Gomes)

CENTRO DE ESTUDOS

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza semanalmente encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ensino para a promoção da saúde.

Atualmente, o Centro vem promovendo todas as sextas-feiras palestras para os alunos de pós-graduação e pesquisadores do ILMD/ Fiocruz Amazônia e para comunidade em geral.

Para Sérgio Luz, o Centro de Estudos do ILMD está consolidado, na medida em que vem cumprindo sua programação de atividades. “Sempre tentamos engrenar o Centro de Estudos aqui na Unidade, e dessa vez estamos conseguindo, pois nosso maior público são nossos alunos de pós-graduação. Aqui, eles têm oportunidade de encontrar os colegas, partilhar experiências e discutir suas pesquisas e trabalhos, e isso acaba sendo uma grande possibilidade de troca de conhecimento”.

As atividades são gratuitas, e todos podem participar, especialmente estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde.

Sobre a atividade desta sexta-feira, Sérgio Luz disse que “foi uma excelente oportunidade não só pela experiência que a palestrante passou através do seu conhecimento, do tempo de trabalho, amizade e companheirismo que teve com a Dra Deane, mas também pelo sentido do que é fazer ciência, o que vai além dos papers e produção científica”.

INSTITUTO MARIA E LEÔNIDAS DEANE

Especialmente neste mês de março, a Unidade da Fiocruz na Amazônia, que se chama Instituto Leônidas e Maria Deane, em homenagem a mulher cientista está sendo chamado de Instituto Maria e Leônidas Deane.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas