Posts

Divulgado resultado das inscrições homologadas para pesquisador visitante do ILMD

Divulgado nesta quarta-feira, 8/11, o resultado das inscrições homologadas para o processo seletivo para pesquisador visitante do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia). As inscrições iniciaram no dia 18/10/2017.

O processo seletivo é realizado em conformidade com a Portaria ILMD N.044/2017, que institui o Programa de Pesquisador Visitante (PV/ILMD/Fiocruz Amazônia), no âmbito do Programa de Fomento ao Ensino e à Pesquisa do Instituto, sob contrato Nº 26/2016, com a Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde (PFEP/ILMD/Fiotec).

Confira aqui as inscrições homologadas

O valor mensal da bolsa é de R$ 6.136,00 (seis mil e cento e trinta e seis reais), e terá a duração de dois anos, podendo ser prorrogada por mais dois.

Para esta chamada pública está sendo oferecida uma bolsa na modalidade Pesquisador Visitante, no entanto, pode haver ampliação para até três bolsas, dependendo da disponibilidade orçamentária e financeira do ILMD/Fiocruz Amazônia. A linha de pesquisa da oferta é “Processo Saúde, Doença e Organização da Atenção a Populações Indígenas e outros Grupos em Situações de Vulnerabilidade do Programa de Pós-graduação Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA)”.

Para acesso à Chamada Pública Nº 005/2017, do Programa Pesquisador Visitante, clique na página de editais do ILMD/Fiocruz Amazônia.

Ascom ILMD/ Fiocruz Amazônia

Fiocruz Amazônia recebe inscrições para pesquisador visitante até 3/11

Interessados em participar do processo seletivo para pesquisador visitante do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) têm até o dia 3 de novembro para fazerem suas inscrições.

O valor mensal da bolsa é de R$ 6.136,00 (seis mil e cento e trinta e seis reais), e terá a duração de dois anos, podendo ser prorrogada por mais dois.

As inscrições iniciaram no dia 18/10/2017. O processo seletivo é realizado em conformidade com a Portaria ILMD N.044/2017, que institui o Programa de Pesquisador Visitante (PV/ILMD/Fiocruz Amazônia), no âmbito do Programa de Fomento ao Ensino e à Pesquisa do Instituto, sob contrato Nº 26/2016, com a Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde (PFEP/ILMD/Fiotec).

Para esta chamada pública está sendo oferecida uma bolsa na modalidade Pesquisador Visitante, no entanto, pode haver ampliação para até três bolsas, dependendo da disponibilidade orçamentária e financeira do ILMD/Fiocruz Amazônia. A linha de pesquisa da oferta é “Processo Saúde, Doença e Organização da Atenção a Populações Indígenas e outros Grupos em Situações de Vulnerabilidade do Programa de Pós-graduação Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA)”.

Para acesso à Chamada Pública Nº 005/2017, do Programa Pesquisador Visitante, clique na página de editais do ILMD/Fiocruz Amazônia.

SOBRE O PV-ILMD/FIOCRUZ AMAZÔNIA

O Programa de Pesquisador Visitante tem por objetivos fixar temporariamente pesquisadores com título de doutor, para atuar na Instituição; viabilizar a participação de pesquisadores e profissionais de alto nível nas equipes de pesquisadores e docentes da Instituição, visando o intercâmbio cientifico, tecnológico e a inovação;  possibilitar a participação de pesquisadores e profissionais de alto nível em projetos de pesquisa científica e/ou de desenvolvimento tecnológico, e de desenvolvimento e aperfeiçoamento qualitativo dos Programas de Pós-graduação Stricto e Lato Sensu; além de colaborar com o Programa de Iniciação Científica e Tecnológica (PIC/ILMD), nas áreas de saúde, ciências biológicas e das ciências sociais e humanas em saúde.

Informações sobre o processo seletivo podem ser solicitados através do e-mail posgradvida.ilmd@fiocruz.br

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Foto: divulgação

Fiocruz Amazônia abre processo seletivo para pesquisador visitante

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) lança chamada pública para seleção simplificada de candidatos à bolsa de Pesquisador Visitante para brasileiros e estrangeiros.   As inscrições iniciam amanhã (18/10) e vão até o próximo dia 3 de novembro.

Para esta chamada pública está sendo oferecida uma bolsa na modalidade Pesquisador Visitante, no entanto, pode haver ampliação para até três bolsas, dependendo da disponibilidade orçamentária e financeira do ILMD/Fiocruz Amazônia. A linha de pesquisa da oferta é Processo Saúde, Doença e Organização da Atenção a Populações Indígenas e Outros Grupos em Situações de Vulnerabilidade do Programa de Pós-graduação Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA).

O valor mensal da bolsa é de R$ 6.136,00 (seis mil e cento e trinta e seis reais), e terá a duração de dois anos, podendo ser prorrogada por mais dois.

O processo seletivo é realizado em conformidade com a Portaria ILMD N.044/2017, que institui o Programa de Pesquisador Visitante (PV/ILMD/Fiocruz Amazônia), no âmbito do Programa de Fomento ao Ensino e à Pesquisa do Instituto, sob contrato Nº 26/2016, com a Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde (PFEP/ILMD/Fiotec).

Acesse aqui a página do processo seletivo.

SOBRE O PV/ILMD/FIOCRUZ AMAZÔNIA

O Programa de Pesquisador Visitante tem por objetivos fixar temporariamente pesquisadores com título de doutor, para atuar na Instituição; viabilizar a participação de pesquisadores e profissionais de alto nível nas equipes de pesquisadores e docentes da Instituição, visando o intercâmbio cientifico, tecnológico e a inovação;  possibilitar a participação de pesquisadores e profissionais de alto nível em projetos de pesquisa científica e/ou de desenvolvimento tecnológico, e de desenvolvimento e aperfeiçoamento qualitativo dos Programas de Pós-graduação Stricto e Lato Sensu; além de colaborar com o Programa de Iniciação Científica e Tecnológica (PIC/ILMD), nas áreas de saúde, ciências biológicas e das ciências sociais e humanas em saúde.

Informações sobre o processo seletivo podem ser solicitados através do e-mail posgradvida.ilmd@fiocruz.br

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Foto: divulgação

Lesões e mortes causadas no trânsito devido ao consumo de bebida alcoólica e à velocidade também são de responsabilidade do Estado, aponta pesquisador

O excesso de velocidade é responsável por uma em cada três mortes por acidentes de trânsito em todo o mundo, aponta relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), Managing Speed divulgado em maio deste ano.

Estes números podem ser maiores se ocorrer a associação entre embriaguez alcoólica e direção veicular. Essa combinação é responsável por 9,4% das mortes e 9,0% das incapacidades de pessoas nas Américas, estima a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), no “Relatório de situação regional sobre o álcool e saúde nas Américas”, publicado em 2015.

Em ensaio publicado pela revista Saúde e Sociedade, disponível na SciELO, sob o título “Apontamentos sobre as modalidades de intervenção social no enfrentamento das lesões e mortes causadas por acidentes de trânsito relacionados ao consumo de bebida alcoólica”, o pesquisador Marcilio Medeiros, do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) apresenta algumas reflexões sobre as modalidades de intervenção social no enfrentamento às lesões e mortes causadas por acidentes de trânsito relacionados ao consumo de bebida alcoólica.

Álcool e Saúde

O consumo de álcool está associado a diversos problemas de saúde em todo o mundo, sendo o principal fator de risco de morte e incapacidade da população mundial na faixa etária de 15 a 49 anos de idade.

De acordo com informações do pesquisador, no Brasil, a estimativa dessa combinação: velocidade + álcool, varia de acordo com o método e as circunstâncias em que foram coletados os dados. “Por exemplo, em Porto Alegre (RS), foi constatada uma associação de 54,2%. Esse dado foi coletado dos prontuários do Instituto Medicina Legal que aferiu alcoolemia de vítimas fatais de sinistro de trânsito naquela cidade.  Mas há outros que estimam a associação em 22,3%. É o caso da metodologia que coletou dados de 71 serviços de urgência e emergência sentinela das unidades de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) do país, quando o vitimado recebeu os primeiros cuidados e apresentou sinais de embriaguez ou confirmou o consumo de álcool”, explica Marcílio Medeiros.

Marcílio Medeiros

De quem é a responsabilidade?

Para o pesquisador, ao mesmo tempo em que o Estado adota medidas para reduzir os acidentes de trânsito, permite a fabricação de veículos e motocicletas de alto desempenho, e a propaganda sem restrições de bebida alcoólica.

A reflexão identificou que as duas iniciativas (Lei Seca e o Legislação de Trânsito no que tange a obrigatoriedade de uso de equipamento de segurança e de respeitar a velocidade permitida) do Estado na redução das lesões e mortes por acidentes de trânsito envolvendo embriaguez ao volante agem no gerenciamento do risco, transferindo aos sujeitos a responsabilidade de erradicar comportamentos de risco.

Por outro lado, os conteúdos das mensagens publicitárias de bebida alcoólica atuam tanto no processo de tomada de decisão do indivíduo quanto no aumento do consumo geral de álcool. As peças publicitárias enfatizam temas e apelos relacionados ao efeito ansiolítico do produto, como também são associadas a símbolos nacionais, sempre evidenciando características positivas, calcadas em tecnologias discursivas modalizadoras da felicidade.

Situação no Amazonas

No Amazonas ainda não se tem estudos específicos que analisem o nível de alcoolemia dos prontuários de óbito do Instituto Médico Legal (IML). O teste de alcoolemia no IML Manaus somente é realizado por demanda judicial, ou seja, não é de rotina. No entanto, a estimativa de lesões e mortes de trânsito é de 22,3%, de acordo com dados dos serviços sentinela do Programa de Vigilância de Violências e Acidentes do Ministério da Saúde. Portanto, estima-se que velocidade e consumo de álcool podem ser responsáveis por ¼ dos sinistros de trânsito em Manaus.

A partir de dados coletados em outro estudo sob sua coordenação, o pesquisador observa a interiorização do problema. Quando “comparamos os números de mortes por violência de trânsito terrestre nos anos de 1998 e 2009, verificamos que no primeiro ano havia registro de óbitos fatais em 18 dos 62 municípios amazonenses. Em 2009, o número de municípios saltou para 39”.

Legislação

O pesquisador reconhece que de 1980 a 2010 ocorreram mudanças importantes na legislação, que tornaram-na mais rigorosa, o que influenciou na percepção e responsabilidade das pessoas sobre as lesões e mortes de trânsito associadas a embriaguez. “Mas sabemos que outros fatores agem da determinação da violência de trânsito, como por exemplo, a qualidade do transporte coletivo, a infraestrutura das cidades (construção, conservação e sinalização das estradas); o que nos remetem a pensarmos sobre qual cidade queremos para viver, ou seja, o planejamento da mobilidade urbana”.

Dentre essas inconsistências, o pesquisador cita a questão da compreensão do termo ‘acidente de trânsito”, que, pelo seu significado, pode transferir suas causas a ideias de destino, vontade divina ou intencionalidade, possibilitando que seja ponderada a sua relação com a violência.

Uma outra contradição está ligada a aplicação da Lei Seca que possibilitou aos órgãos públicos fiscalizar, multar e prevenir os acidentes de trânsito relacionados ao consumo do álcool, por meio de teste de bafômetro em pontos de checagem de sobriedade (concentração de etanol no sangue de 0,2 g/L) e que reduziu em 17 das 27 capitais brasileiras o número de mortes no segundo semestre de 2008, em comparação com o ano de 2007. Porém, essa redução não foi homogênea entre as unidades da Federação, sendo mais expressiva apenas nas capitais, onde se dispõem com mais frequência do etilômetro.

A outra questão ganha abrangência internacional, e diz respeito à proibição da propaganda de bebida alcoólica e a redução dos danos atribuíveis ao seu consumo.  Nesta luta entram os movimentos sociais que atuam em uma perspectiva de reduzir os efeitos nocivos do álcool em todo o mundo, através da promoção de políticas baseadas nos conhecimentos científicos existentes, independentemente de interesses comerciais.

Para Marcilio Medeiros, “essas novas lutas sociais, em nível mundial, pregam que as estratégias de enfrentamento dos problemas relacionados ao consumo de bebidas alcoólicas devem ser planejadas globalmente, visto que  o marketing das indústrias de bebidas alcoólicas opera de forma globalmente articulada”.

Sobre o pesquisador

Marcílio Medeiros é doutorando em Saúde Pública e Direitos Humanos pela Fundação Oswaldo Cruz e Universidade de Coimbra e coordena o Curso de Especialização em Saúde Ambiental do Instituto Leônidas e Maria Deane, unidade técnica-científica da Fundação Oswaldo Cruz na Amazônia.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Foto 1: divulgação
Foto 2: Eduardo Gomes

Homenagem a Antônio Levino acontece sexta, 5 de maio

O Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), a família, amigos e colegas realizam nesta sexta-feira, 5/5, a partir das 17h30, homenagem ao médico, pesquisador e professor Dr Antônio Levino da Silva Neto (in memoriam). O evento será na Oca do ILMD/Fiocruz Amazônia, à rua Teresina, 476, Adrianópolis.

Para este encontro estão sendo programadas várias atividades como apresentação musical, declamação de poesias, lembranças e memorias da convivência com Antonio Levino, e demais atividades culturais.

SOBRE LEVINO

Além de pesquisador e professor do ILMD/Fiocruz Amazônia, Antônio Levino também foi docente da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) pesquisador orientador e subcoordenador do Programa Multiinstitucional de Pós-Graduação em Saúde Sociedade e Endemias na Amazônia (PPGSSEA) da Ufam/FIOCRUZ. Sua atuação era na área de Saúde Coletiva com ênfase em Saúde Pública, principalmente em temáticas ligadas a políticas públicas na área de saúde, avaliação de programas e serviços de saúde, saúde em áreas de fronteira, geoprocessamento, epidemiologia e educação em saúde.

HOMENAGEM

A homenagem está sendo organizada pelos colegas do ILMD/Fiocruz Amazônia, juntamente com a família, amigos de Antônio Levino e integrantes do Comitê Municipal do Partido Comunista do Brasil (PCdoB).

O evento é aberto ao público e podem participar todos os que desejarem partilhar memórias vividas ao lado de Levino.

ILMD/Fiocruz, por Marlúcia Seixas

O ILMD está de luto: amigos e colegas falam sobre Antônio Levino

O Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia ) está de luto com a morte do  médico Antônio Levino da Silva Neto, pesquisador desta Unidade desde agosto de 2002.

Amigos e colegas de trabalho ainda consternados manifestaram-se sobre Levino:

Nísia Trindade Lima, presidente da Fiocruz, lamentou a perda e ressaltou o comprometimento de Levino com o trabalho: “quando ocupei a vice de Ensino pude testemunhar o forte compromisso de Levino com a Educação, a Ciência e a Saúde”.

Luciano Toledo, ex-diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia, também expressou tristeza com a notícia, e disse: “Levino sempre foi um colega e amigo muito leal. Fui seu orientador de mestrado. Uma dissertação muito bonita sobre tuberculose e aids em Manaus. Que tristeza”.

Sérgio Luz, diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia, salientou a lealdade e sobriedade de Levino. “Ele era uma pessoa muito coerente em suas observações; chegamos a publicar um trabalho juntos; ele fará uma grande falta pelo conhecimento e domínio que tinha sobre saúde pública no estado do Amazonas”.

Antônio Levino da Silva Neto, pesquisador e professor desta Unidade desde agosto de 2002.

Antônio Levino da Silva Neto, pesquisador e professor desta Unidade desde agosto de 2002.

Luiza Garnelo, vice-diretora de Ensino, Comunicação e Informação do ILMD disse que manifestar-se sobre Levino neste momento é ao mesmo tempo fácil e difícil – “fácil porque Levino foi alguém sobre quem se pode escrever com carinho, com verdade e com a certeza de que, enquanto esteve entre nós, se esmerou no compromisso com o coletivo, na luta incessante pela melhoria das injustiças e das desigualdades do mundo. Comunista orgulhoso de sua escolha, jamais renegou a ideia de que os trabalhadores, os oprimidos e os explorados deveriam virar a mesa e se colocar em pé de igualdade numa sociedade livre, justa e solidária. Assim viveu e assim pensou e agiu até sua morte. Mas essa é também uma difícil missão, pois como selecionar o que dizer sobre o longo caminho que trilhamos juntos como professora e aluno, colegas de trabalho, companheiros de lutas, amigos de ontem e de sempre? Como falar sobre alguém a quem sempre se podia recorrer quando o cansaço, o desânimo, a dúvida ou a felicidade demandavam diálogo, companhia, um café ou um dedo de prosa? Impossível selecionar para falar de uma entre tantas lembranças, quando o sentimento e as palavras se enroscam e se prendem no peito e na garganta”.

Júlio César Schweickardt, pesquisador do ILMD/Fiocruz Amazônia e chefe do Laboratório de História, Políticas Públicas e Saúde na Amazônia (LAHPSA), onde Levino também atuava destacou que o colega foi “um pesquisador coerente e comprometido com a superação das desigualdades sociais e em saúde na Amazônia”.

Cleinado Costa, reitor da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), declarou ter perdido um amigo e um irmão, “mantemos no Levino um exemplo de coerência pela causa do nosso povo e uma vida dedicada ao avanço do Amazonas e do Brasil. Se foi o nosso irmão Levino e fica conosco um exemplo de luta”.

Levino atuava na área de Saúde Coletiva com ênfase em Saúde Pública, principalmente com os seguintes temas: políticas públicas na área de saúde, avaliação de programas e serviços de saúde, saúde em áreas de fronteira, geoprocessamento, epidemiologia e educação em saúde.

Ascom-ILMD/Amazônia Fiocruz
Fotos: ILMD/Fiocruz Amazônia

Centro de Estudos do ILMD promove palestra sobre flebotomíneos

Os insetos estão presentes em todos os ambientes, e algumas espécies não encontram barreiras nos espaços urbanos, pelo contrário, reproduzem-se facilmente nas cidades.  A palestra desta semana do Centro de Estudos do Instituto Maria e Leônidas Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), traz em seu título o questionamento “Os flebotomíneos estão se tornando sinantrópicos na Amazônia Central”?

O tema será abordado pelo pesquisador e professor Felipe Arley Pessoa, na sexta-feira, 24/3, às 9h, no Salão Canoas, na sede do ILMD/Fiocruz Amazônia, à rua Teresina, 476, Adrianópolis, zona centro-sul de Manaus.

Segundo Felipe Pessoa, devido ao longo processo de desmatamento e ocupação, particularmente no Nordeste e Sudeste do País, pesquisadores observaram um processo de urbanização ou sinantropização  dos flebotomíneos e, consequentemente, a transmissão de leishmanioses em áreas urbanizadas, particularmente em áreas socioeconômicas de baixa renda.

Ele alerta que na Região Amazônica, esse processo de sinantropização dos flebótomos, ainda vem sendo pouco acompanhado, no entanto, há alguns resultados que mostram que esse fenômeno pode estar avançando em áreas ocupadas por assentamentos rurais, próximas de Manaus.

Os flebótomos são insetos pequenos que habitam em praticamente todos os ecótopos brasileiros, algumas espécies são transmissoras de leishmanioses, doenças que antes eram associadas apenas a áreas florestadas e rurais.

SOBRE O PALESTRANTE

Felipe Arley Pessoa é biólogo, graduado pela Universidade Federal do Ceará, mestre e doutor em Ciências Biológicas (Entomologia) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), e pesquisador titular em Saúde Pública do ILMD/Fiocruz Amazônia. Atua em Parasitologia, com ênfase em entomologia médica (ecologia, epidemiologia, sistemática e filogenia).

CENTRO DE ESTUDOS

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ao ensino para a promoção da saúde.

Os eventos ocorrem às sextas-feiras e deles podem participar estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde. A entrada é franca.

 

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia  Seixas

Foto: Arquivo ILMD/Fiocruz Amazônia