Posts

A vigilância das arboviroses deve estar atenta ao vírus Oropouche, alerta pesquisador da Fiocruz Amazônia

Os recentes relatos sobre a possibilidade de emergência do vírus Oropouche, um outro arbovírus no país, causaram preocupação na população. No entanto, não há motivo para pânico, informa o vice-diretor de Pesquisa e Inovação do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), Felipe Gomes Naveca.

Ele explica que são necessários alguns fatores para desencadear um novo surto por um arbovírus como: densidade vetorial, circulação do vírus, população vulnerável e até mesmo condições climáticas. “Até o momento, o vetor implicado na transmissão do Oropouche é o maruim, portanto não se espera um cenário igual ao dos vírus transmitidos por Aedes aegypti”. O maruim recebe o nome científico de Culicoides paraensis.

 

O pesquisador adverte que é preciso ampliar a vigilância para monitorar a possibilidade de emergência de casos, e é isto que o ILMD/Fiocruz Amazônia tem feito por meio de projetos em parceria com a Fundação de Vigilância em Saúde  (FVS-AM), Laboratório Central de Saúde Pública do Amazonas (LACEN-AM), Hospital Adventista de Manaus (HAM), Fundação de Medicina Tropical – Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), Universidade Federal de Roraima (UFRR), LACEN-RR e o Instituto Evandro Chagas (IEC), no Pará.

“A Fiocruz Amazônia tem atuado em parceria com outras instituições e auxiliado com o desenvolvimento de ferramentas para o diagnóstico dessas arboviroses. Atua também executando e coordenando projetos de vigilância epidemiológica, para a detecção de possíveis casos humanos e a circulação em potenciais vetores”, explica Naveca.

SINTOMAS

A infecção pelo arbovírus Oropouche causa sintomas muito parecidos com a Dengue, como febre, mal estar, dores no corpo e, nos casos mais graves e raros pode apresentar encefalite.

A semelhança com os sintomas da Dengue dificulta o diagnóstico clínico da febre Oropouche. Atualmente, a confirmação laboratorial por técnicas de biologia molecular está disponível apenas em instituições que fazem pesquisa no Brasil. Na Região Norte, por exemplo, pode ser realizado na Fiocruz Amazônia, na FMT-HVD e no IEC.

NOVO MÉTODO DE DIAGNÓSTICO

Um novo protocolo de diagnóstico molecular da infecção pelos arbovírus Mayaro e Oropouche, desenvolvido por Naveca e pela pesquisadora Valdinete Nascimento, ambos do ILMD/Fiocruz Amazônia, foi publicado na revista Memórias do Instituto Oswaldo Cruz  e teve seu depósito de pedido de patente no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

Trata-se do “Conjunto de oligonucleotídeos e método para o diagnóstico molecular da infecção pelos vírus Mayaro e Oropouche”, uma invenção que torna possível realizar o diagnóstico molecular da infecção por esses arbovírus, de maneira simultânea, com alta sensibilidade e especificidade, utilizando a técnica de PCR em Tempo Real.

A proposta é que o invento se torne uma nova ferramenta na identificação de casos de febre Mayaro e Oropouche, utilizando uma estrutura já existente nos laboratórios centrais dos estados brasileiros.

Segundo Naveca, o método já está em uso e o protocolo tem sido utilizado para o estudo de casos humanos suspeitos, mas não confirmados, de Dengue, Zika e Chikungunya, tanto em projetos coordenados por pesquisadores do ILMD/Fiocruz Amazônia, quanto em projetos coordenados por pesquisadores de outras instituições parceiras.

O projeto teve como escopo desenvolver e validar estratégias para a detecção de dois arbovírus emergentes e de importância médica, em especial na região Amazônica e foi financiado pelo edital 012/2009 do Programa de Infraestrutura para Jovens Pesquisadores Programa Primeiros Projetos (PPP-CNPq/FAPEAM).

LACENS

O pesquisador adianta que todos os LACENs do País estão dotados de infraestrutura para fazer o diagnóstico molecular dos casos de Dengue, Zika e Chikungunya. “A mesma infraestrutura pode ser usada para o ensaio que desenvolvemos no ILMD e validamos no IEC”, explica Naveca.

No início de agosto, a equipe do LACEN de Roraima será capacitada para realizar o ensaio. Esta é uma das atividades do projeto “Avaliação de fatores epidemiológicos, vetoriais e humanos, ligados à transmissão do vírus Zika e outros arbovírus emergentes ou reemergentes em dois estados da Amazônia Ocidental Brasileira” – Chamada MCTIC/FNDCT -CNPq / MEC-CAPES/ MS-Decit No 14/2016 – Prevenção e Combate ao vírus Zika.

O QUE SÃO ARBOVÍRUS?

Arbovírus são vírus transmitidos por artrópodes como, por exemplo, o vírus da dengue, transmitido principalmente pelo mosquito Aedes aegypti. Existem centenas de arbovírus conhecidos, destes, mais de 30 foram identificados infectando seres humanos.

“Esses números, assim como o exemplo do vírus Zika e do Chikungunya, nos mostram que existe o risco de outros vírus se tornarem um importante problema de saúde pública. Por este motivo o sistema de vigilância em saúde deve ser dotado de diversas tecnologias, as quais permitam identificar os casos de infecções por vírus emergentes de maneira rápida e confiável”, disse.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes

Pesquisadores da Fiocruz Amazônia desenvolvem método de diagnóstico molecular da infecção pelos arbovírus Mayaro e Oropouche

Método desenvolvido por pesquisadores do Instituto Leônidas e Marias Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) recebe aprovação de depósito de patente. Denominado Conjunto de oligonucleotídeos e método para o diagnóstico molecular da infecção pelos vírus Mayaro e Oropouche, a invenção é dos pesquisadores Felipe Gomes Naveca e Valdinete Alves do Nascimento

Com o novo método torna-se possível realizar o diagnóstico molecular da infecção pelos arbovírus Mayaro e Oropouche de maneira simultânea, com alta sensibilidade e especificidade, utilizando a técnica de PCR em Tempo Real.

Valdinete Nascimento e Felipe Naveca. Foto: Eduardo Gomes

Valdinete Nascimento e Felipe Naveca. Foto: Eduardo Gomes

Segundo Naveca, o método já está em uso e o protocolo tem sido utilizado para o estudo de casos humanos suspeitos, mas não confirmados, de Dengue, Zika e Chikungunya, tanto em projetos coordenados por pesquisadores do ILMD, quanto em projetos coordenados por pesquisadores de outras instituições parceiras.

“Temos novos resultados já obtidos com a utilização do protocolo, os quais foram informados ao sistema de vigilância em saúde e estão em fase de redação dos artigos científicos. Fomos contatados por algumas empresas que demonstram interesse pela invenção, estamos conversando”, acrescentou o pesquisador.

OBJETIVOS

A proposta é que o invento se torne uma nova ferramenta na identificação de casos de febre Mayaro e Oropouche, utilizando uma estrutura já existente nos laboratórios centrais dos estados brasileiros.

A ferramenta utiliza estrutura já existente nos laboratórios centrais. Foto Eduardo Gomes

A ferramenta utiliza estrutura já existente nos laboratórios centrais. Foto Eduardo Gomes

Naveca explica que arbovírus são vírus transmitidos por artrópodes como, por exemplo, o vírus da dengue, transmitido principalmente pelo mosquito Aedes aegypti. Existem centenas de arbovírus conhecidos, destes, mais de 30 foram identificados infectando seres humanos.

“Esses números nos mostram que existe o risco de outros vírus se tornarem um importante problema de saúde pública. De fato, a emergência e o avanço epidêmico dos vírus Chikungunya e Zika nos últimos anos, é uma prova irrefutável desse risco. Por este motivo o sistema de vigilância em saúde deve ser dotado de diversas tecnologias, as quais permitam identificar os casos de infecções por vírus emergentes de maneira rápida e confiável”, disse.

O projeto teve como escopo desenvolver e validar estratégias para a detecção de dois arbovírus emergentes e de importância médica, em especial na região Amazônica e foi financiado pelo edital 012/2009 do Programa de Infraestrutura para Jovens Pesquisadores Programa Primeiros Projetos (PPP-CNPq/Fapeam).

PERSPECTIVA

O pesquisador salienta que a experiência com o depósito do pedido de patente permitiu aos pesquisadores reavaliar o potencial de outras invenções desenvolvidas por seu grupo de pesquisa, e adianta que em breve devem ocorrer novos pedidos de patentes, sempre com o foco de inovação para o SUS.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas