Posts

Palestra aborda práticas de biossegurança e atividades com agentes químicos

A jornada de biossegurança do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) encerrou nesta quarta-feira, 16/8, com a palestra “Biossegurança e atividades com agentes químicos”, ministrada pelo técnico em saúde pública do Centro de Pesquisas René Rachou (CPqRR), Rogério de Oliveira Queiroz.

O evento visa sensibilizar, informar e orientar profissionais da instituição para a prática dos conceitos e normas de biossegurança, com o objetivo de garantir a integridade física e patrimonial e a qualidade dos resultados obtidos nas pesquisas científicas e serviços de saúde.

Segundo a coordenadora da Comissão Interna de Biossegurança do Instituo, Sônia Oliveira, a atividade é uma das estratégias de capacitação que visam diminuir riscos nas ações de pesquisa. “Nossa ideia foi fazer com que todos os alunos da instituição tivessem esse contato pessoal, e pudessem interagir com os palestrantes. É importante a participação de toda a instituição nessas atividades para a diminuição dos riscos que estamos sujeitos. A biossegurança precisa capacitar as pessoas dentro das instituições, que desenvolvem determinadas atividades de pesquisa”, explicou.

Durante a apresentação, foram abordados três eixos: Um que destaca melhor compreensão dos agentes de risco químico; A organização correta dos reagentes no laboratório, de forma segura, minimizando chances de acidentes; Abordagem sobre acidentes em atividades de laboratório envolvendo o uso de produtos químicos.

Em sua apresentação, Rogério destacou que biossegurança não é algo que envolve apenas os agentes biológicos, engloba todas as possibilidades de risco que podem ocorrer nos laboratórios. “Ao longo do tempo, a gente percebe que essa questão da segurança química é olhada de forma secundária. Estamos tentando com essas palestras, levar um pouco mais de informação e orientação para as questões de biossegurança nas atividades que envolvem o uso de produtos químicos. Precisamos olhar com mais cuidado para essa classe de riscos”, alertou.

CENTRO DE ESTUDOS

A palestra ministrada por Rogério será validada como atividade do Centro de Estudos da instituição, nesta semana. O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ao ensino para a promoção da saúde.

SOBRE O PALESTRANTE

Rogério Queiroz é mestre em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP/FIOCRUZ). Atua nas áreas de gestão e de saúde coletiva, especificamente em Gestão em Biossegurança, desenvolvendo atividades principalmente nos seguintes temas: Biossegurança, segurança química, gestão ambiental, gestão de resíduos e saúde do trabalhador.

Ascom ILMD/ Fiocruz Amazônia

Fotos e texto: Eduardo Gomes

Palestra aborda desafios para publicação em periódicos de alto impacto

Atualmente, existem milhares de periódicos científicos no mundo. Diante desse vasto universo bibliográfico, como driblar as barreiras na hora de escrever, e escolher a revista onde você vai publicar uma descoberta que acabou de fazer? A palestra desta semana do Centro de Estudos do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), trouxe em seu título o questionamento “Como escrever e publicar artigos em revistas internacionais?”

A abordagem foi feita pela pesquisadora do Instituto Superior de Agronomia, da Universidade de Lisboa, doutora Marina Temudo. Na ocasião, a pesquisadora falou também sobre temas relacionados a suas pesquisas, desenvolvidas no campo da agronomia política e ecologia política e humana, com abordagem interdisciplinar que inclui técnicas qualitativas e quantitativas.

Para a pesquisadora, uma das principais barreiras na hora de escrever para revistas internacionais é o domínio da escrita em inglês. “Penso que o maior problema não só dos brasileiros, mas também dos portugueses é a escrita em inglês, não só pelo domínio da língua inglesa, mas também pelo estilo de escrita em português ser muito rebuscado, com períodos muito longos. Mesmo quando a pessoa escreve em português e manda traduzir, se não fizerem um esforço de simplificar a redação antes de tradução, o tradutor não vai conseguir traduzir aquilo bem, transformando o conteúdo em algo sem sentido”, destacou.

Segundo Marina Temudo, outra dificuldade é a escolha da revista. “Temos de ser muito criteriosos, pois perdemos muito tempo para encontrar as revistas que se adequam a cada um dos temas que estamos trabalhando. Precisamos ler a revista, saber qual é o público preferencial dessa revista e suas respectivas áreas disciplinares”, explicou.

IMPACTO DE PUBLICAÇÔES

Outro fator que merece atenção dos pesquisadores são os Rankings internacionais, que avaliam o impacto de publicações científicas com base no número de vezes que seus artigos são citados em textos de outros periódicos. Publicar estudos relevantes o suficiente para conseguir um número grande de menções é uma das metas dos autores e das revistas.

ESTRATÉGIAS

Para a escolha da revista, a pesquisadora destacou as seguintes dicas: Saber a experiência de colegas que escrevem para essa revista; Ler muitos artigos publicados na revista escolhida, para conhecer o público; Conhecer o estilo de redação dos artigos; Estar atento as regras do periódico: dimensão, enfoque, estilo, nível de detalhe exigido, citação.

Antes de submeter o artigo, ela sugere que colegas, da mesma área e de outras, possam ler e contribuir com críticas. Mariana também pontua que é importante afinar o título para ser sintético e agarrar os leitores, verificar se o resumo descreve bem o argumento e as principais conclusões, conferir se o argumento está claro e se as secções estão bem ligadas umas às outras por um fio condutor, além de examinar se as conclusões estão bem relacionadas com o argumento, se dialogam com a literatura teórica, e principalmente se respondem às perguntas formuladas na primeira secção do artigo.

Sobre os entraves para publicar nas revistas de alto impacto, Mariana destacou que é importante não desistir. “Publicar um artigo em uma boa revista não é um Sprint, é uma maratona. Se temos confiança de que nosso artigo é bom devemos continuar a tentar publicar das boas revistas, pois essas revistas é que vão valorizar o nosso trabalho. Uma má revista possui milhares de publicações, podemos conseguir publicar nessas revistas, mas é um tiro em falso que estamos dando. Quando temos a certeza de que nosso trabalho é bom, devemos continuar até conseguir publicar em uma revista de alto impacto”, enfatizou.

CENTRO DE ESTUDOS

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ao ensino para a promoção da saúde. Os eventos ocorrem às sextas-feiras e deles podem participar estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde. A entrada é franca.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Estudo sequencia genoma do vírus zika encontrado em Culex

Profissionais da Fiocruz Pernambuco isolaram e sequenciaram, de forma inédita no mundo, o genoma do vírus zika coletado no organismo de mosquitos do gênero Culex. Também pela primeira vez, foi fotografada, por meio de microscopia eletrônica, a formação de partículas virais na glândula salivar do inseto. Essas conquistas, obtidas com o uso exclusivo das plataformas tecnológicas da Fiocruz Pernambuco, estão descritas no artigo Zika virus replication in the mosquito Culex quinquefasciatus in Brazil, publicado nesta quarta-feira (9/8) na revista Emerging microbes & infections, do grupo Nature.

A equipe do Departamento de Entomologia da instituição detectou a presença do vírus em amostras naturais de Culex colhidas na Região Metropolitana do Recife e também comprovou em laboratório que esse vírus consegue se replicar no interior do mosquito e alcançar a glândula salivar. Utilizando cartões especiais para a coleta, foi comprovada a presença de partículas do vírus na saliva dos mosquitos, o que indica a possibilidade de transmissão ao picar uma pessoa. Para a coordenadora do estudo, Constância Ayres, o artigo demonstra, “de diversas formas diferentes”, a possibilidade do Culex ser um dos vetores do vírus zika na cidade.

O pesquisador Gabriel Wallau, que também integra a equipe, considera que esse artigo vem mostrar, “com dados consistentes”, que o zika consegue se replicar dentro do organismo de Culex e que existem mosquitos dessa espécie infectados no campo. Responsável pelo sequenciamento do genoma, Gabriel explica que a cepa do vírus isolada de dois pools (grupos) de C. quinquefasciatus é semelhante à que foi previamente sequenciada, a partir de amostras humanas, pela equipe do Departamento de Virologia e Terapia Experimental da Fiocruz Pernambuco, em parceria com pesquisadores da Universidade de Glasgow (com artigo publicado na revista PLoS Neglected Tropical Diseases em outubro de 2016). Ele destaca que o ineditismo de agora reside no fato do vírus ter sido obtido de amostras de mosquito.

Para Gabriel, essa semelhança era esperada, pois trata-se de uma linhagem de vírus que estava circulando no estado. Mas o fato de terem sido encontradas mutações nas amostras corrobora a metodologia utilizada nas análises, mostrando que não houve contaminação no laboratório. O pesquisador explica que os vírus de RNA de fita simples, como o zika, têm uma altíssima taxa de mutação e que já existem trabalhos na literatura científica reportando que a simples replicação desses vírus dentro do organismo, humano ou do mosquito, gera novas mutações.

Os resultados encontrados estão servindo de base para o início de novos estudos. De um lado, na verificação das mutações presentes nos genomas e se elas influenciam na capacidade de replicação do vírus no organismo do mosquito. Por outro lado, agora que estabeleceu a competência do Culex quinquefasciatus como vetor do zika, o grupo parte para estudar a sua capacidade vetorial, ou seja, será analisado o conjunto de suas características fisiológicas e comportamentais, no ambiente natural, para entender o papel e a importância dessa espécie na transmissão do vírus zika.

MAIS DETALHES DA PESQUISA

O estudo foi conduzido pela Fiocruz Pernambuco na Região Metropolitana do Recife, onde a população do Culex quinquefasciatus é cerca de vinte vezes maior do que a população de Aedes aegypti. Os resultados da pesquisa de campo apresentados no artigo mostram a presença de Culex quinquefasciatus infectados naturalmente pelo vírus zika em três pools (grupos) de mosquitos Culex (de um total de 270 pools) e dois pools de Aedes (de um total de 117). Em duas dessas amostras os mosquitos não estavam alimentados, demonstrando que o vírus estava disseminado no organismo do inseto e não em uma alimentação recente num hospedeiro infectado. O vírus foi isolado dessas amostras e seu genoma foi sequenciado.

Na etapa de laboratório, com o objetivo de investigar a competência vetorial das espécies Culex quinquefasciatus e Aedes aegypti, os mosquitos foram alimentados com uma mistura de sangue e vírus, permitindo o acompanhamento do processo de replicação do patógeno dentro do inseto. Foram realizadas duas infecções de mosquitos, cada infecção com duas concentrações de vírus diferente (104 e 106). A menor simula a condição de viremia de um paciente real. Depois os mosquitos foram coletados em diferentes momentos: no tempo zero (logo após a infecção), três dias, sete dias e 15 dias após a infecção pelo vírus.

Um grupo controle, com mosquitos alimentados com sangue sem o vírus, também foi mantido. Cada mosquito foi dissecado para a extração do intestino e da glândula salivar, tecidos que representam barreiras ao desenvolvimento do vírus. Se a espécie não é vetor, em determinado momento o desenvolvimento do vírus é bloqueado pelo organismo do mosquito. No entanto, se ela é vetor, a replicação do vírus acontece, dissemina no corpo do inseto e acaba infectando a glândula salivar, a partir da qual poderá ser transmitido para outros hospedeiros durante a alimentação sanguínea, pela liberação de saliva contendo vírus. Segundo Constância, a partir do terceiro dia após a alimentação artificial, já foi possível detectar a presença do vírus nas glândulas salivares das duas espécies de mosquito investigadas. Após sete dias, foi observado o pico de infecção nessas glândulas.

Além da detecção do vírus nesses tecidos (intestino e glândula salivar), foram investigadas amostras de saliva expelida pelos mosquitos infectados. A carga viral encontrada nas duas espécies estudadas (Aedes aegypti e Culex quinquefasciatus) foi similar.

Fiocruz Pernambuco, por Solange Argenta 

Fonte: AFN

Centro de Estudos vai abordar publicação de artigos em revistas internacionais

A palestra desta semana do Centro de Estudos do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), traz em seu título o questionamento “Como escrever e publicar artigos em revistas internacionais?”

O tema será abordado pela pesquisadora do Instituto Superior de Agronomia, da Universidade de Lisboa, doutora Marina Temudo. O encontro acontece na sexta-feira, 11/8, às 9h, no Salão Canoas, na sede do ILMD/Fiocruz Amazônia, à rua Teresina, 476, Adrianópolis, zona centro-sul de Manaus.

Segundo Claudia Ríos, Coordenadora do Centro de Estudos, e Vice-Diretora de Ensino, Comunicação e Informação do Instituto, “a palestrante falará sobre sua experiência como pesquisadora e sobre o processo contínuo de aprendizagem de escrita e publicação de artigos em revistas internacionais de alto impacto”.

Na ocasião, Marina Temudo abordará também temas relacionados a suas pesquisas, desenvolvidas no campo da agronomia política e ecologia política e humana, com abordagem interdisciplinar que inclui técnicas qualitativas e quantitativas. Seus trabalhos abrangem desde o uso da terra e mudanças na paisagem, até seguridade alimentar, conservação de agrobiodiversidade e conservação de recursos naturais indígenas.

CENTRO DE ESTUDOS

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ao ensino para a promoção da saúde. Os eventos ocorrem às sextas-feiras e deles podem participar estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde. A entrada é franca.

ILMD/ Fiocruz Amazônia

Novos membros do Conselho Deliberativo do ILMD/Fiocruz Amazônia são apresentados

Foram apresentados nessa segunda-feira (7/8), os novos membros do Conselho Deliberativo (CD) do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), durante reunião ordinária do Conselho.

A Comissão Eleitoral apresentou os titulares e suplentes, representantes das áreas de Pesquisa, Ensino e Gestão da Fiocruz Amazônia, eleitos para o biênio 2017-2019.

A eleição ocorreu na última sexta-feira (4/8), e a apuração foi feita em seguida pela Comissão Eleitoral. A Comissão da eleição foi instituída e homologada pelo Conselho Deliberativo do ILMD/ Fiocruz Amazônia, por meio da Portaria número 018, de 19/6/2017, para organizar e coordenar os trabalhos relativos às eleições.

Foram eleitos na área da pesquisa: Priscila Aquino e Pritesh Lalwani, com 67,65% dos votos; Rodrigo Tobias e Fernando Herkrath, com 70,51%; Stefanie Lopes e Amandia Souza, com 58,82%; Ani Beatriz Matsuura e Maria Jacirema, com 79,41% dos votos válidos. Na área da gestão foram eleitos Helena Coutinho e Carlos Fabrício da Silva, com 91% dos votos; e no Ensino foram nomeados Aldemir Maquiné e Anízia Aguiar, com 100% dos votos válidos.

Ascom ILMD/ Fiocruz Amazônia

Fiocruz divulga ofício sobre suspensão das bolsas do CNPq

A presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade Lima, escreveu um ofício para o presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Mario Neto Borges, manifestando preocupação com a suspensão de bolsas anunciada no portal do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Leia o documento na íntegra:

“Ao Senhor
Mario Neto Borges
Presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Senhor Presidente,

Considerando a informação veiculada pelo portal do MCTIC que os recursos do CNPq são suficientes para o pagamento dos bolsistas apenas até o mês de agosto, a Fundação Oswaldo Cruz vem expressar sua preocupação com os efeitos da suspensão das bolsas.

Assim como nas demais instituições de pesquisa no país, o impacto de tal suspensão na Fiocruz seria extremamente negativo. Além de representar um forte desestímulo aos estudantes em formação, a ausência de bolsas acarretaria prejuízos para diversas pesquisas em andamento. Desnecessário ressaltar o papel fundamental da ciência, tecnologia e inovação para garantir um futuro nacional com soberania e justiça social.

Somente no âmbito da iniciação científica, mestrado e doutorado, na Fiocruz, seriam afetados mais de 650 bolsistas atuantes em diversas áreas de conhecimento no campo da saúde.

Desde 1952, o CNPq investe na formação de pesquisadores brasileiros e sua atuação contribui fortemente para a consolidação de instituições de pesquisa do país, pelo que seria desalentador interromper tal atuação. Devemos, ainda, alertar que os efeitos de um suspensão, ainda que temporária, exigirá muitos anos para a sua recuperação.

Acreditando que a pesquisa é patrimônio da sociedade brasileira e que pesquisadores brasileiros vêm encontrando visibilidade crescente na comunidade internacional através do apoio fundamental do CNPq, esperamos que a agência consiga superar as dificuldades atuais e viabilize o pagamento das bolsas sem descontinuidade.

Atenciosamente,

Nísia Trindade Lima
Presidente da Fundação Oswaldo Cruz”

 

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias

Eleições para o CD/ ILMD: conheça as chapas

Neste ano, servidores do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) elegem seus representantes no Conselho Deliberativo (CD) do Instituto.

A Comissão Eleitoral promoveu nesta terça-feira (1/8) encontros para a apresentação das chapas inscritas para o processo de escolha dos membros do conselho para o biênio 2017-2019.

A eleição será realizada na próxima sexta-feira (4/8), no período de 8h às 17h, a ocorrer na sala de reunião da Biblioteca. O servidor que não puder comparecer à urna no dia da eleição, poderá votar por e-mail:  comissaoeleitoral.ilmd@fiocruz.br .

A Comissão desta eleição foi instituída e homologada pelo Conselho Deliberativo do ILMD/ Fiocruz Amazônia, por meio da Portaria 018/2017, de 19/6/2017, para organizar e coordenar os trabalhos relativos às eleições.

A apuração dos votos será feita pela Comissão Eleitoral, imediatamente após o término da votação, nas dependências do ILMD.

Confira as chapas inscritas e cartas-compromisso

ENSINO

TITULAR: Aldemir Maquiné

SUPLENTE: Anízia Aguiar

 

GESTÃO

TITULAR: Helena Guedes Coutinho

SUPLENTE: Carlos Fabrício da Silva

 

PESQUISA

TITULAR: Priscila Aquino

SUPLENTE: Pritesh Lalwani

 

PESQUISA

TITULAR: Rodrigo Tobias Lima

SUPLENTE: Fernando Herkrath

 

PESQUISA

TITULAR: Stefanie Lopes

SUPLENTE: Amandia Souza

 

PESQUISA

TITULAR: Ani Beatriz Matsuura

SUPLENTE: Maria Jacirema Gonçalves

 

PPGVIDA e PPGBIO-INTERAÇÃO divulgam resultado de seleção para aluno especial

Os Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA), e em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro (PPGBIO-INTERAÇÃO), do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) divulgaram nesta quinta-feira, 20/7, o resultado da seleção de candidatos para vagas de aluno especial.

Os selecionados devem confirmar sua participação nas disciplinas as quais foi selecionado, através de mensagem eletrônica para selecaoalunoespecial.ilmd@fiocruz.br nos dias 25 e 26 de julho de 2017. Os candidatos que não confirmarem sua participação, dentro do período definido serão considerados desistentes, e estarão automaticamente excluídos da(s) disciplina(s).

Acesse a lista dos selecionados para o PPGVIDA e PPGBIO-INTERAÇÃO

LMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Foto: Eduardo Gomes ILMD/Fiocruz Amazônia

Oficina discute programação do 13º Congresso Internacional da Rede Unida

Representantes da saúde, educação e cultura reúnem-se nesta quinta-feira (20), para elaborar a programação do 13º Congresso Internacional da Rede Unida. O encontro organizado pelo Comitê Gestor do congresso ocorre até as 17h, na Escola de Enfermagem de Manaus (EEM), da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), situada no bairro Adrianópolis, Zona Sul de Manaus.

Na oportunidade, os participantes discutem os cinco eixos nos quais se apoiam as atividades da 13ª edição do Congresso, que acontecerá de 30 de maio a 2 de junho de 2018, na UFAM, cujo tema central será “Faz escuro, mas cantamos: redes em re-existência nos encontros das águas.

De acordo com o coordenador nacional da Rede Unida, Júlio Schweickardt, o objetivo da oficina é que as instituições locais de gestão, serviço e educação, os movimentos sociais e associações possam construir, junto com a Rede Unida, uma programação que contemple todas essas áreas dentro do Congresso. “As atividades do nosso congresso estão apoiadas na educação, gestão, trabalho, participação social e cultura, mas as atividades de preparação começam agora, com o compartilhamento de temas trazidos pelos representantes das instituições e grupos locais”, enfatizou.

Para ele, o desafio deste ano será mobilizar vários setores e atores que atuam no contexto da saúde e da educação, incluindo usuários de serviços de saúde e trabalhadores do SUS, oportunizando um fórum especial de participação cidadã.

Realizado pela primeira vez na região Norte, segundo Júlio Schweickardt, a organização do 13º Congresso Internacional da Rede Unida é um dos desafios da atual coordenação, que tem dentre os seus objetivos mobilizar os vários setores e atores que atuam no contexto da saúde e da educação, incluindo usuários de serviços de saúde, membros de Conselhos de Saúde e trabalhadores do SUS, oportunizando um fórum especial de participação cidadã. “Ver com novos olhares a saúde pública brasileira, fortalecer o nosso Sistema Único de Saúde [SUS] e pensar na formação dos profissionais da área são algumas de nossas missões à frente da Rede Unida, uma instituição muito atuante e comprometida com as políticas de saúde no Congresso”, concluiu.

As inscrições para submissões dos trabalhos poderão ser realizadas no site da Rede Unida pelo endereço eletrônico www.redeunida.org.br a partir do dia 09 de agosto de 2017.

SOBRE A REDE UNIDA

A Associação Brasileira Rede Unida (ou para os íntimos Rede Unida) reúne projetos, instituições e pessoas interessadas na mudança da formação dos profissionais de saúde e na consolidação de um sistema de saúde equitativo e eficaz com forte participação social

A Associação Brasileira Rede Unida (ou para os íntimos Rede Unida) reúne projetos, instituições e pessoas interessadas na mudança da formação dos profissionais de saúde e na consolidação de um sistema de saúde equitativo e eficaz com forte participação social. A principal ideia força da Rede Unida é a proposta de parceria entre universidades, serviços de saúde e organizações comunitárias. Não se trata de qualquer parceria: trata-se de uma modalidade de co-gestão do processo de trabalho colaborativo, em que os sócios compartilham poderes, saberes e recursos.

Saiba mais AQUI

Rede Unida, por Mirinéia Nascimento

Edição, Ascom ILMD/Fiocruz Amazônia

Divulgado resultado final da seleção de candidatos para o PPGVIDA

A comissão de seleção do Mestrado do Programa de Pós-graduação Strictu Senso em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA), do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), divulgou nesta sexta-feira, 14/7, o resultado final do processo de seleção de candidatos para ingresso no 2º semestre de 2017, referente a chamada pública nº 001/2017.

Neste processo seletivo foram oferecidas 12 vagas, divididas em duas linhas de pesquisa: Fatores sócio biológicos no processo saúde-doença na Amazônia, com nove vagas; e Processo Saúde-Doença e Organização da Atenção a populações indígenas e outros grupos em situações de vulnerabilidade, com três vagas.

Confira aqui o resultado.

Os candidatos aprovados deverão efetuar a matrícula institucional nos dias 26 e 27/7, pela manhã (8h às 12h) ou no período da tarde (13h às 16h), na Secretaria Acadêmica (SECA), localizada no prédio anexo da Unidade, situado à Rua Teresina, 476, Adrianópolis, Manaus.

SOBRE O CURSO

O PPGVIDA – ILMD/Fiocruz Amazônia é um programa de pós-graduação que tem como objetivo capacitar profissionais para desenvolver modelos analíticos capazes de subsidiar pesquisas em saúde, apoiar o planejamento, execução e gerenciamento de serviços e ações de controle e o monitoramento de doenças e agravos de interesse coletivo e do Sistema Único de Saúde na Amazônia.

O curso é em regime integral e as aulas estão previstas para iniciar dia 28 de agosto deste ano. Ao final do mestrado, o egresso do curso receberá diploma de Mestre em Saúde Pública.