Posts

Fiocruz Amazônia lança edital para curso de especialização que será realizado em Tabatinga (AM)

Começam na terça-feira, 22/8, as inscrições para o processo seletivo do Curso de Especialização em Vigilância em Saúde na Rede de APS na Tríplice Fronteira do Alto Solimões, do Programa de Pós-Graduação Lato Sensu em Vigilância em Saúde, do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia).  O curso será realizado no município de Tabatinga (AM), localizado à margem esquerda do Rio Solimões, na fronteira com a Colômbia e o Peru .

Conforme o edital da Chamada Pública Nº 004/2017, estão sendo oferecidas 20 vagas. A carga horaria é de 440 horas, distribuídas em disciplinas e Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), que ocorrerão em 12 meses, em período integral – matutino e vespertino – em sistema modular, uma semana por mês, de segunda a sábado.

O curso é resultado de parceria com Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas (Susam), Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Amazonas (Cosems-AM), ​Assessoria de Assuntos Internacionais de Saúde do Ministério da Saúde (Aisa), Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA), Organização Panamericana de Saúde(Opas), Programa de Doenças Sexualmente Transmissíveis – Aids do Ministério da Saúde, e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

PÚBLICO-ALVO

O curso é destinado aos profissionais de nível superior que desempenham suas funções e exerçam atividades em unidades básicas de saúde, unidades de saúde da família, ou equivalente, na microrregião do Alto Solimões.

INSCRIÇÃO   

As inscrições são feitas online e ocorrem de 22/8 a 18/9/2017. Antes de se inscrever o candidato deve ler com atenção o edital.

Dentre os documentos solicitados estão: formulário de inscrição preenchido por meio da Plataforma SIGA no endereço eletrônico www.sigals.fiocruz.br, Carteira de Identidade Civil ou Militar ou Carteira do Conselho de Classe, CPF, Diploma do curso de graduação devidamente reconhecido pelo MEC, Certidão de casamento (caso haja mudança de nome em relação o diploma de graduação), Histórico Escolar do curso superior devidamente carimbado pela instituição emitente, e  Declaração própria de que tem condições de frequentar o curso, durante os doze meses.

Após o preenchimento,  o formulário de inscrição deve ser impresso, assinado pelo candidato e encaminhado juntamente com toda documentação exigida em formato “PDF”, para o endereço eletrônico inscricaolato.ilmd@fiocruz.br

As inscrições com documentos ilegíveis, excluem o candidato do Processo Seletivo. Para esclarecimento sobre acesso ao sistema SIGA e preenchimento do formulário de inscrição podem ser solicitados através do endereço eletrônico duvidaslato.ilmd@fiocruz.br

O ILMD/Fiocruz Amazônia não concederá bolsa de estudo para os classificados.

As aulas iniciam no próximo mês de outubro e ocorrem de 23/10 a 29/10/17.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Foto divulgação

Seminário da Rede Unida reúne profissionais da Saúde  para debater atenção básica no ILMD

Começou hoje, 9/8, o Seminário Interprofissionalidade na Educação e Cuidado em Saúde e o Programa Mais Médicos.  O evento é resultado de parceria entre a Associação Brasileira Rede Unida e o Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia). A programação se estende até amanhã, 10.

O evento tem como objetivo intensificar o debate e a reflexão entre pesquisadores, estudantes, trabalhadores e gestores que atuam junto ao Sistema Único de Saúde (SUS) e que defendem o seu aprimoramento e ampliação em todas as regiões do país.

A mesa de abertura foi composta por Érika Almeida, subcoordenadora da Coordenação Geral de Gestão da Atenção Básica, do Ministério da Saúde; Kátia Helena Schweickardt, secretária Municipal de Educação de Manaus; Lubélia Sá Freire, subsecretária Municipal de Saúde de Manaus; Júlio Cesar Schweickardt, coordenador da Rede Unida; e Sérgio Luz, diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia.

O coordenador abriu o evento falando da programação para os dois dias de Seminário e anunciando que hoje iniciam as inscrições para o 13º Congresso Internacional da Rede Unida, que acontecerá em Manaus, no período de 30 de maio a 2 de junho de 2018.

Érika Almeida ressaltou a importância do Seminário  Interprofissionalidade na Educação e Cuidado em Saúde e o Programa Mais Médicos,  principalmente para reflexão e revisão da Política Nacional de Atenção Básica (PNAB/MS).

Para Lúbélia Sá Freire, a participação dos atores municipais da Saúde nas discussões sobre vigilância em saúde são fundamentais, daí o empenho para que as equipes da Semsa participem do Seminário.

Kátia Helena Schweickardt enfatizou o quanto a educação tem a aprender com a saúde, principalmente num evento como o Seminário que faz uma interface entre as duas áreas. Na oportunidade, a secretária informou o apoio da Prefeitura de Manaus ao 13º Congresso Internacional da Rede Unida.

Sérgio Luz, deu as boas-vindas aos participantes do Seminário e falou da importância do evento, especialmente diante do que se tem passado na política do país. Lembrou da importância do trabalho da Rede Unida, que atua de forma a considerar as diferenças sociais, culturais e regionais do país plural.

O diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia também agradeceu às presenças de Kátia Silveira da Silva, coordenadora do Mestrado Profissional em Saúde da Família (ProfSaúde /Abrasco – Fiocruz), que na ocasião representou a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima;  e de Júlio Manuel Suárez, representando  Carlos Rosales , da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS).

O Seminário é aberto ao público e está sendo realizado no ILMD/Fiocruz/Amazônia, no Salão Canoas, à rua Teresina, 476, Adrianópolis, Zona Sul de Manaus.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Foto: Eduardo Gomes

 

Habilitação de laboratórios de referência é assunto de reunião com a CVSLR/Fiocruz

Para apresentar a Coordenação de Vigilância em Saúde e Laboratórios de Referência (CVSLR/Fiocruz), estiveram nesta segunda-feira, 7/8, no Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), Tânia Fonseca e Marília Santini.

A visita, que será feita também a outras Unidades da Fiocruz no país, teve como objetivos reunir a comunidade do ILMD para falar sobre o papel que os Laboratórios de Referência exercem no SUS e na Fiocruz e como eles funcionam dentro da Fundação.

Durante o encontro Marilia Santini falou também sobre a Rede Nacional de Laboratórios de Saúde Pública e sobre a expectativa de lançamento de um novo edital para credenciamento de laboratórios referência, conforme Portaria Nº 33, de 22 de junho de 2017, da Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde (MS), que define o processo para habilitação dos Laboratórios de Referência Nacional e Regional, no âmbito da Rede Nacional de Laboratórios de Saúde Pública.

Segundo a Portaria 33/2017, a SVS/MS lançará até o próximo mês de outubro a chamada pública, por meio de edital a ser publicado no Diário Oficial da União, para composição da Rede de Referência Nacional e Regional de Laboratórios de Saúde Pública.

Para serem credenciados, os laboratórios públicos precisam dentre outros critérios, atender aos requisitos de Gestão da Qualidade, conforme o escopo do laboratório e tendo como referência as normas vigentes da ABNT; atender aos requisitos de Boas Práticas de Biossegurança; e possuir equipe técnica com formação profissional e experiência compatível com a área de conhecimento para a qual pretende se habilitar.

SOBRE A CVSLR/FIOCRUZ

 São atribuições da coordenação: elaborar, implementar, monitorar e avaliar o Programa de Vigilância em Saúde da Fiocruz; contribuir para a integração das atividades e ações de vigilância em saúde; coordenar o Núcleo de Vigilância em Saúde (NUVES) da Fiocruz; Elaborar, implementar, monitorar e avaliar o Programa Institucional de Apoio aos Laboratórios de Referência da Fiocruz; contribuir para a integração dos Laboratórios de Referência; ampliar as relações com o MS e demais gestores do SUS no que se refere a VS e LR; ampliar a participação na detecção e resposta às emergências sanitárias; e otimizar o papel da Central de Amostras.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes

ILMD lança edital para o curso de mestrado PPGBIO-Interação

Foi lançado o edital para o curso de Mestrado Acadêmico do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro – PPGBIO-Interação, do Instituto Leônidas & Maria Deane  (ILMD/Fiocruz Amazônia). As inscrições podem ser feitas no período de 20/9 a 10/10 deste ano.

A Chamada Pública Nº 003/2017 do Programa oferece 20 vagas distribuídas entre duas linhas de pesquisa: Eco epidemiologia das doenças transmissíveis; e Bioquímica, biologia celular e molecular de patógenos e seus vetores.

INSCRIÇÃO

Para se inscrever, o candidato deverá apresentar a seguinte documentação:  Formulário de inscrição preenchido por meio da Plataforma SIGA , disponível em www.sigass.fiocruz.br (conforme orientação do edital);  apresentar Carta de Aceite do Orientador; diploma do curso de graduação ou documento equivalente; Histórico Escolar do curso superior; Curriculum vitae depositado na plataforma Lattes do CNPq; Projeto de Pesquisa; Carteira de Identidade; CPF; RNE ou passaporte, para candidatos estrangeiros;  comprovante de pagamento do boleto bancário no valor de R$ 100,00 (cem reais); dentre os outros documentos que constam no edital.

PROCESSO SELETIVO

A admissão no curso de Mestrado será feita através de processo seletivo que é composto das seguintes etapas: Homologação das inscrições, Prova Escrita e Prova Oral (Entrevista). Todas as etapas do processo seletivo são eliminatórias.

A primeira etapa compreenderá a análise, pela Comissão de Seleção da documentação, apresentada pelo candidato. A  segunda etapa, Prova Escrita, será discursiva e valerá 10 (dez) pontos. A terceira etapa será a Prova Oral, que compreende a avaliação do projeto de pesquisa, pontuação do currículo lattes e entrevista.

SOBRE O PPGBIO-INTERAÇÃO

O Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro é curso strictu sensu que tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro no âmbito da maior biodiversidade mundial.

O PPGBIO-Interação se enquadra na grande área em Parasitologia devido a pesquisa e ensino terem ênfase na eco-epidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores; fatores de virulência, mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

Estes diversos aspectos são os principais delineadores para escolha da área de concentração da Ciências Biológicas III, por esta ser uma área multidisciplinar e baseada no eixo bioquímica, genética, biológico, celular e molecular. Os alunos recebem uma formação em áreas estratégicas por sua importância e que precisam ser desenvolvidas no Estado.

Este é o segundo processo seletivo para o PPGBIO-Interação. A primeira turma iniciou o curso em março deste ano.

Para mais informações acesse o edital.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Foto: Eduardo Gomes

 

Rede Unida realiza seminário para debater políticas públicas de saúde

A Associação Brasileira Rede Unida em parceria com o Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) realiza nos dias 9 e 10 de agosto, das 8h30 às 17h, no auditório Canoas do ILMD/Fiocruz Amazônia, o Seminário Interprofissionalidade na Educação e Cuidado em Saúde e o Programa Mais Médicos.

O evento tem como objetivo, intensificar o debate e a reflexão entre pesquisadores, estudantes, trabalhadores e gestores que atuam junto ao Sistema Único de Saúde (SUS) e que defendem o seu aprimoramento e ampliação em todas as regiões do país.

Com inscrições gratuitas para 80 pessoas, o Seminário é aberto ao público em geral, que queiram contribuir nas discussões sobre o SUS e ter um conhecimento mais aprofundado sobre as políticas públicas que tratam da gestão do trabalho e da atenção básica em saúde.

As inscrições para participação no Seminário serão realizadas no dia e local do evento. A Fiocruz/Amazônia fica localizada na rua Teresina, 476, Adrianópolis, Zona Sul de Manaus. Confira a programação.

PARTICIPANTES

O Ministério da Saúde confirmou a presença de três órgãos importantes no evento, representados pela Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGETS), Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa (SGEP) e o Departamento de Atenção Básica (DAB), que integra a Secretaria de Atenção à Saúde (SAS).

A representação da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil também já está com presença confirmada no Seminário, assim como os representantes do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Amazonas (Cosems), da Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal Fluminense (UFF), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

REDE UNIDA

Dentro da programação do Seminário Interprofissionalidade na Educação e Cuidado em Saúde e o Programa Mais Médicos, a Associação Brasileira Rede Unida estará comemorando seus 32 anos de atuação no Brasil.

Ao longo desses anos, a Associação reúne projetos, instituições e pessoas interessadas na mudança da formação dos profissionais de saúde e na consolidação de um sistema de saúde equitativo e eficaz com forte participação social.

A principal ideia força da Rede Unida é a proposta de parceria entre universidades, serviços de saúde e organizações comunitárias. Não se tratando de qualquer parceria e sim de uma modalidade de co-gestão do processo de trabalho colaborativo, em que os sócios compartilham poderes, saberes e recursos.

LANÇAMENTOS

Ainda durante a programação do evento, a Editora Rede Unida lançará vários livros e dentre eles estão as obras: ‘Divulgação e Jornalismo Científico em Saúde e Meio Ambiente na Amazônia’ e ‘História e Política Pública de Saúde na Amazônia’, ambos da série Saúde & Amazônia.

O livro ‘Divulgação e Jornalismo Científico em Saúde e Meio Ambiente na Amazônia’, organizado por Júlio Cesar Schweickardt, Renan Albuquerque, Alcindo Antônio Ferla e Maria Cristina Soares Guimarães, discute diferentes formas de divulgar temas científicos e ainda aponta a complexidade e os matizes do fazer e comunicar ciência no Bioma Amazônia.

Já o livro ‘História e Política Pública de Saúde na Amazônia’, dos organizadores Júlio Cesar Schweickardt, Alcindo Antônio Ferla, Rodrigo Tobias de Sousa Lima e Michele Rocha Kadri, apresenta como o estudo da história e suas conexões com a saúde no campo teórico e empírico da Saúde Coletiva mobiliza a produção conceitual e metodológica. Os estudos nele reunidos pretendem contribuir nesses dois aspectos.

Rede Unida, por Mirinéia Nascimento
Foto: Araquém Alcântara

Acolhida: novos bolsistas de iniciação científica começam suas atividades no ILMD

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) recebeu nesta quarta-feira, 2/8, trinta e dois novos bolsistas do Programa de Iniciação Científica e Tecnológica (PIC/2017-2018). A programação da acolhida incluiu palestra, oficina e um café da manhã.

Para a coordenadora do PIC-ILMD, Stefanie Lopes, “a acolhida é um momento que permite aos alunos conhecerem a instituição, seus colegas e pesquisadores da Casa; oportunidade também para lhes mostrar a importância de seus papeis no desenvolvimento da ciência, e a primeira atividade da iniciação científica”.

A mesa de abertura foi composta pelo diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia, Sérgio Luz; pelo diretor Técnico-Científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), Dércio Reis; pela vice-diretora substituta de Ensino, Informação e Comunicação e chefe do Serviço de Pós-graduação do ILMD, Rosana Parente; pela coordenadora PIC/ILMD, Stefanie Lopes; e pela coordenadora do curso QBA/On-line – Sensibilização em Gestão da Qualidade, Biossegurança e Ambiente, do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Mônica Jandira dos Santos.

Sérgio Luz ressaltou a importância do evento para os estudantes que estão iniciando no fazer científico e também a necessidade de parcerias institucionais para a realização do PIC/ILMD. “Hoje é um dia especial pra gente aqui na Fiocruz, é a reabertura de mais um ano da Iniciação Científica, que acontece graças à parceria com a Fapeam, a partir de muita persistência e de um toque de teimosia nosso. Que tenhamos um programa cada vez mais forte, e que isso possa se refletir em resultado, pois a pesquisa e a ciência brasileira precisam disso”, disse o diretor.

ATIVIDADES

Biomedicina, farmácia, medicina, ciências sociais e engenharia de processos são alguns dos cursos dos novos bolsistas de iniciação científica.

Segunda a coordenadora do PIC/ILMD, os bolsistas do Programa deverão desenvolver seus projetos de pesquisa, participar de treinamentos, da jornada de biossegurança e das atividades do Centro de Estudos do ILMD.

Como orientação, Stefanie Lopes indica que os estudantes sejam organizados, conversem com seus pares, peçam ajuda de seus colegas e orientadores, obedeçam os prazos e leiam muito sobre os seus e outros trabalhos.

PALESTRA

“O impacto da iniciação científica na carreira acadêmica” foi o tema da palestra ministrada pelo médico, pesquisador do ILMD/Fiocruz Amazônia e diretor de Ensino e Pesquisa da Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), Marcus Vinícius Lacerda.

Sob uma perspectiva motivacional Marcus Lacerda falou de sua trajetória na pesquisa e as experiências que foram determinantes para seu conhecimento e profissionalização. Para ele, “a pesquisa faz com que o aluno enxergue o caminho para a vida”.

Como ferramentas ao jovem pesquisador na área da saúde ele indica: a estatística, a epidemiologia, o contato com o serviço de saúde, a experiência de bancada e a participação em eventos científicos.

O palestrante já orientou mais de 50 estudantes de iniciação científica, mestrado, doutorado e pós-doutorado, e tem aproximadamente 100 publicações científicas em revistas indexadas. É pesquisador 1D do CNPq e presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical de 2015 a 2017.

DESTAQUES

Na oportunidade, bolsistas do PIC/ILMD 2016-2017 que se destacaram com suas pesquisas  na XIV Reunião Anual de Iniciação Científica do ILMD, receberam certificados de Honra ao Mérito Científico. Orientadores, coorientadores e demais bolsistas também recebem certificados nesta edição do Programa.

Foram destaques:

BIOSSEGURANÇA

Na parte da tarde os novos bolsistas participaram da oficina “QBA/On-line: sensibilização em gestão da Qualidade, Biossegurança e Ambiente”, ministrada por Mônica Jandira dos Santos (IOC/Fiocruz).

QBA/On-line é uma ferramenta de ensino que oferece orientações básicas sobre a condução de atividades de trabalho no que se refere à qualidade, biossegurança e gestão da qualidade.

Para Mônica Jandira, a palavra biossegurança se define: segurança da vida, portanto a formação para os novos bolsistas é essencial ao desempenho de suas tarefas nos laboratórios.

A sensibilização dos novos alunos será de fluxo contínuo e outras atividades devem nessa temática devem ocorrer durante a permanência deles no ILMD/ Fiocruz Amazônia.

SOBRE O PIC

O PIC/ILMD é desenvolvido em parceria com a Fapeam e a Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde (Fiotec).

O PIC/ ILMD visa despertar a vocação científica e incentivar novos talentos potenciais entre estudantes de graduação, além de contribuir para a formação de recursos humanos para a pesquisa e inovação tecnológica nos Determinantes Socioculturais, Ambientais e Biológicos do Processo Saúde-Doença-Cuidado para a melhoria das condições sociossanitárias na Amazônia;  estimular pesquisadores produtivos a envolverem estudantes de graduação em suas atividades científicas, tecnológicas e profissionais;   e proporcionar ao bolsista, orientado por pesquisador qualificado, a aprendizagem de técnicas e métodos de pesquisa, bem como estimular o desenvolvimento do pensamento científico, da criatividade e estímulo à inovação, decorrentes das condições criadas pelo confronto direto com os problemas estudados ou alvo da pesquisa.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes

Novos bolsistas de Iniciação Científica do ILMD iniciam suas atividades na quarta-feira, 2/8

Os novos bolsistas do Programa de Iniciação Científica e Tecnológica (PIC), período 2017-2018, do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) iniciam suas atividades de pesquisa no Instituto, na próxima quarta-feira, 2/8.

O PIC/ILMD é desenvolvido em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e a Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde (Fiotec).

A acolhida dos estudantes é indispensável para o bom desempenho de suas atividades de pesquisa e para compreensão sobre a Instituição, portanto a programação compreende além das boas-vindas, palestras e oficina sobre Gestão da Qualidade, Biossegurança e Ambiente.

Durante o evento também serão premiados os destaques da 14ª Reunião Anual de Iniciação Científica (RAIC-ILMD/Fiocruz Amazônia), ano 2016-2017.

Acesse aqui a programação completa.

SOBRE O PIC

O PIC/ ILMD visa despertar a vocação científica e incentivar novos talentos potenciais entre estudantes de graduação, além de contribuir para a formação de recursos humanos para a pesquisa e inovação tecnológica nos Determinantes Socioculturais, Ambientais e Biológicos do Processo Saúde-Doença-Cuidado para a melhoria das condições sociossanitárias na Amazônia;  estimular pesquisadores produtivos a envolverem estudantes de graduação em suas atividades científicas, tecnológicas e profissionais;   e proporcionar ao bolsista, orientado por pesquisador qualificado, a aprendizagem de técnicas e métodos de pesquisa, bem como estimular o desenvolvimento do pensamento científico, da criatividade e estímulo à inovação, decorrentes das condições criadas pelo confronto direto com os problemas estudados ou alvo da pesquisa.

O evento inicia às 8h com um café da manhã. Em seguida, as atividades ocorrem no Salão Canoas, na sede do ILMD, localizada à Rua Teresina, 476, Adrianópolis, Manaus.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Foto: Eduardo Gomes

A vigilância das arboviroses deve estar atenta ao vírus Oropouche, alerta pesquisador da Fiocruz Amazônia

Os recentes relatos sobre a possibilidade de emergência do vírus Oropouche, um outro arbovírus no país, causaram preocupação na população. No entanto, não há motivo para pânico, informa o vice-diretor de Pesquisa e Inovação do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), Felipe Gomes Naveca.

Ele explica que são necessários alguns fatores para desencadear um novo surto por um arbovírus como: densidade vetorial, circulação do vírus, população vulnerável e até mesmo condições climáticas. “Até o momento, o vetor implicado na transmissão do Oropouche é o maruim, portanto não se espera um cenário igual ao dos vírus transmitidos por Aedes aegypti”. O maruim recebe o nome científico de Culicoides paraensis.

 

O pesquisador adverte que é preciso ampliar a vigilância para monitorar a possibilidade de emergência de casos, e é isto que o ILMD/Fiocruz Amazônia tem feito por meio de projetos em parceria com a Fundação de Vigilância em Saúde  (FVS-AM), Laboratório Central de Saúde Pública do Amazonas (LACEN-AM), Hospital Adventista de Manaus (HAM), Fundação de Medicina Tropical – Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), Universidade Federal de Roraima (UFRR), LACEN-RR e o Instituto Evandro Chagas (IEC), no Pará.

“A Fiocruz Amazônia tem atuado em parceria com outras instituições e auxiliado com o desenvolvimento de ferramentas para o diagnóstico dessas arboviroses. Atua também executando e coordenando projetos de vigilância epidemiológica, para a detecção de possíveis casos humanos e a circulação em potenciais vetores”, explica Naveca.

SINTOMAS

A infecção pelo arbovírus Oropouche causa sintomas muito parecidos com a Dengue, como febre, mal estar, dores no corpo e, nos casos mais graves e raros pode apresentar encefalite.

A semelhança com os sintomas da Dengue dificulta o diagnóstico clínico da febre Oropouche. Atualmente, a confirmação laboratorial por técnicas de biologia molecular está disponível apenas em instituições que fazem pesquisa no Brasil. Na Região Norte, por exemplo, pode ser realizado na Fiocruz Amazônia, na FMT-HVD e no IEC.

NOVO MÉTODO DE DIAGNÓSTICO

Um novo protocolo de diagnóstico molecular da infecção pelos arbovírus Mayaro e Oropouche, desenvolvido por Naveca e pela pesquisadora Valdinete Nascimento, ambos do ILMD/Fiocruz Amazônia, foi publicado na revista Memórias do Instituto Oswaldo Cruz  e teve seu depósito de pedido de patente no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

Trata-se do “Conjunto de oligonucleotídeos e método para o diagnóstico molecular da infecção pelos vírus Mayaro e Oropouche”, uma invenção que torna possível realizar o diagnóstico molecular da infecção por esses arbovírus, de maneira simultânea, com alta sensibilidade e especificidade, utilizando a técnica de PCR em Tempo Real.

A proposta é que o invento se torne uma nova ferramenta na identificação de casos de febre Mayaro e Oropouche, utilizando uma estrutura já existente nos laboratórios centrais dos estados brasileiros.

Segundo Naveca, o método já está em uso e o protocolo tem sido utilizado para o estudo de casos humanos suspeitos, mas não confirmados, de Dengue, Zika e Chikungunya, tanto em projetos coordenados por pesquisadores do ILMD/Fiocruz Amazônia, quanto em projetos coordenados por pesquisadores de outras instituições parceiras.

O projeto teve como escopo desenvolver e validar estratégias para a detecção de dois arbovírus emergentes e de importância médica, em especial na região Amazônica e foi financiado pelo edital 012/2009 do Programa de Infraestrutura para Jovens Pesquisadores Programa Primeiros Projetos (PPP-CNPq/FAPEAM).

LACENS

O pesquisador adianta que todos os LACENs do País estão dotados de infraestrutura para fazer o diagnóstico molecular dos casos de Dengue, Zika e Chikungunya. “A mesma infraestrutura pode ser usada para o ensaio que desenvolvemos no ILMD e validamos no IEC”, explica Naveca.

No início de agosto, a equipe do LACEN de Roraima será capacitada para realizar o ensaio. Esta é uma das atividades do projeto “Avaliação de fatores epidemiológicos, vetoriais e humanos, ligados à transmissão do vírus Zika e outros arbovírus emergentes ou reemergentes em dois estados da Amazônia Ocidental Brasileira” – Chamada MCTIC/FNDCT -CNPq / MEC-CAPES/ MS-Decit No 14/2016 – Prevenção e Combate ao vírus Zika.

O QUE SÃO ARBOVÍRUS?

Arbovírus são vírus transmitidos por artrópodes como, por exemplo, o vírus da dengue, transmitido principalmente pelo mosquito Aedes aegypti. Existem centenas de arbovírus conhecidos, destes, mais de 30 foram identificados infectando seres humanos.

“Esses números, assim como o exemplo do vírus Zika e do Chikungunya, nos mostram que existe o risco de outros vírus se tornarem um importante problema de saúde pública. Por este motivo o sistema de vigilância em saúde deve ser dotado de diversas tecnologias, as quais permitam identificar os casos de infecções por vírus emergentes de maneira rápida e confiável”, disse.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes

Fungos patogênicos no ambiente amazônico serão tema do Centro de Estudos de sexta, 21/7

Estudar a diversidade de microrganismos da Amazônia com importância para a saúde, tanto como causadores de doenças quanto como produtores de compostos bioativos e determinar o perfil epidemiológico de doenças causadas por microrganismos da Amazônia, assim como fazer a genotipagem e fenotipagem desses microrganismos são objetivos do Laboratório Diversidade Microbiana da Amazônia com Importância para a Saúde (DMAIS) do Instituto Leônidas e & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia).

Para falar sobre os avanços alcançados pelo grupo da Micologia do Laboratório (DMAIS/ILMD) em estudos para determinar a presença de fungos patógenos no ambiente Amazônico e sua caracterização, a pesquisadora Ani Beatriz Jackisch Matsuura vai ministrar nesta sexta-feira, 21/7, a palestra Fungos Patogênicos no Ambiente Amazônico.

A apresentação faz parte da programação do Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia e acontecerá no Salão Canoas, às 9h, na sede do Instituto, à rua Teresina, 476, Adrianópolis.

A pesquisadora explica que os fungos estão presentes em diversos tipos de substratos naturais devido a sua grande capacidade de adaptação. A maioria dos fungos são sapróbios, ou seja, decompõem matéria orgânica para nutrirem-se, no entanto, existem vários fungos patógenos (capazes de causar doenças).  “A Amazônia apresenta condições especiais de clima e de vegetação para o desenvolvimento dos fungos nesse ambiente; determinando onde há maior presença de fungos patógenos e conhecendo quais são, poderemos desenvolver medidas protetoras para evitar as infecções fúngicas no homem”, adianta Ani Jackisch Matsuura.

SOBRE A PALESTRANTE

Ani Beatriz Jackisch Matsuura é graduada em Biologia pela Universidade de Santa Cruz do Sul, mestre em Biologia de Fungos pela Universidade Federal de Pernambuco e doutora em Ciência de Alimentos pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente, é pesquisadora do ILMD/Fiocruz Amazônia.

Atua na área de Microbiologia, com ênfase em Micologia, especialmente em micologia médica, taxonomia, genotipagem e ecologia de fungos patogênicos.

CENTRO DE ESTUDOS

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ao ensino para a promoção da saúde.

Os eventos são gratuitos e ocorrem às sextas-feiras. As atividades são destinadas a estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Foto: arquivo pessoal da pesquisadora

Fiocruz relembra os 100 anos de falecimento de Oswaldo Cruz

Neste ano a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) relembra os 100 anos de falecimento de seu patrono, Oswaldo Gonçalves Cruz. Para celebrar, foi instituído o Ano Oswaldo Cruz: ciência e saúde no projeto nacional, uma proposta de mobilização para todas as unidades da Fiocruz recordarem a trajetória de um dos maiores pesquisadores da história do Brasil.

A oportunidade também é propícia para revisitar o legado de Oswaldo Cruz e repensar a Fiocruz de hoje e do futuro. O projeto Ano Oswaldo Cruz tem oito eixos temáticos: Promoção da ciência, tecnologia e inovação em benefício da sociedade e a serviço da vida; A importância do papel de uma instituição pública na produção e inovação em saúde; Fiocruz na articulação do sistema de ciência, tecnologia e inovação, nas dimensões regional, nacional e global; Desafios dos objetivos de desenvolvimento sustentável; Políticas e Estratégias de Saúde: passado, presente e futuro com perspectivas ao fortalecimento do SUS; Preparação da Fiocruz para a 4ª Revolução Tecnológica; A Fiocruz e a Educação Permanente; e Democracia e perspectiva nacional na prospecção institucional.

O cientista, médico e sanitarista Oswaldo Cruz nasceu em São Luís do Paraitinga (SP), em 5 de agosto de 1872, e faleceu em 11 de fevereiro de 1917. Sua família se transferiu para o Rio de Janeiro em 1877. Graduou-se na Faculdade de Medicina do Rio de janeiro em 1892, apresentando a tese de doutoramento A vehiculação microbiana pelas águas.

Para saber mais sobre a trajetória de Oswaldo Cruz, clique.

Confira aqui as informações sobre o Ano Oswaldo Cruz: ciência e saúde no projeto nacional.

Em sites e publicações das unidades da Fiocruz será utilizado o selo comemorativo ao Ano Oswaldo Cruz.

Ascom – ILMD/Fiocruz Amazônia