Ciência em Pauta apresenta “A Trajetória da Mulher na Ciência”

Especialmente neste mês de março o Instituto Leônidas e Maria de Deane/ILMD Fiocruz Amazônia será Instituto Maria e Leônidas Deane. A mudança foi anunciada pelo diretor da unidade, Sérgio Luz, durante atividade de popularização da ciência, alusiva ao Dia Internacional da Mulher, destinada a estudantes do ensino médio.

Na pauta da atividade, foi discutida A Trajetória da Mulher na Ciência, em painel apresentado pelas pesquisadoras Claudia Rios Velasquez, Michele de Araújo El Kadri, e Evelyne Marie Mainbourg. A ação integra o ciclo de palestras de popularização e divulgação científica Ciência em Pauta.

pesquisadoras-foto-2

Claudia Rios Velasquez, Evelyne Mainbourg e Michele El Kadri

Para a pesquisadora Michele El Kadrin, o esforço que a mulher tem que desempenhar como pesquisadora, não é muito diferente da dedicação que ela tem que assumir em outras carreiras profissionais, ou seja, muito estudo e empenho.
Claudia Velasquez destacou a importância de se fazer conexões com áreas que se tem habilidade e preferência na hora de se ter que optar uma profissão, e exemplificou com sua trajetória até chegar à pesquisa, pois ainda muito jovem já sabia que queria atuar com biologia ou com biblioteconomia, então reuniu as duas coisas e hoje é pesquisadora.

Para Evelyne Mainbourg, a curiosidade foi um dos ingredientes que a levaram à pesquisa. Ela admite ser desde muito jovem curiosa para saber o porquê das coisas e como elas acontecem. Lembra que as aulas no laboratório de biologia sempre a impressionaram bastante e já sinalizavam sua escolha em ciências da saúde, conhecimento complementado posteriormente com outras formações na área de humanas.

EQUIDADE
Com a exposição sobre suas experiências acadêmicas e profissionais, as pesquisadoras suscitaram também o debate sobre a luta das mulheres pela equidade profissional e salarial, momento em que os estudantes manifestaram-se sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho, bem como fizeram perguntas sobre a atuação da mulher na academia.
Para a estudante Isabele Moraes, o encontro com as pesquisadoras foi muito proveitoso, pois pensa em cursar Biologia, “por motivos pessoais, penso em seguir na área da pesquisa, em especial pesquisa na área da saúde”, admite.

O estudante Caio Oliveira disse ter ficado muito satisfeito com o bate-papo com as pesquisadoras, pois “tirou várias dúvidas sobre as atividades de pesquisa e adquiriu mais conhecimento”, o que é relevante para um finalista do ensino médio.

Emilly de Souza disse ter gostado muito da palestra, mas ainda está em dúvida entre arquitetura e dança. Já Anna Júlia, admitiu que sempre teve curiosidade sobre o trabalho na pesquisa, principalmente em área diferente da que ela já escolheu, com a conversa com as pesquisadoras pode ter contato com outras experiências e saber de outras realidades profissionais.

CIÊNCIA EM PAUTA
Com o objetivo de divulgar e popularizar a ciência, o ILMD/Fiocruz Amazônia inicia com o painel A Trajetória da Mulher na Ciência, um ciclo de palestras com pesquisadores do instituto e a sociedade, visando promover o diálogo entre cientistas e público em geral sobre diversos assuntos, integrando a pesquisa, a educação e ações de saúde pública.
Para Sérgio Luz, o ciclo de palestras Ciência em Pauta inicia num momento bastante significativo, não só por ser o Dia Internacional da Mulher, mas principalmente pelo fato da Fiocruz, em seu centenário, estar sendo pela primeira vez presidida por uma mulher, além disso hoje a representatividade da mulher no mercado de trabalho e na educação é superior à participação dos homens.

A próxima atividade do Ciência em Pauta está prevista para o mês de maio, em data a ser confirmada.

08_07_17dra_deane

Maria Deane

MARIA DEANE
Em reconhecimento a uma vida dedicada à saúde pública no Brasil, principalmente na Amazônia, a Fiocruz homenageou os cientistas Leônidas de Mello Deane e Maria José Von Paumgartten Deane, dando à sua unidade na Amazônia, o nome do casal.
Neste mês de março, a unidade adotará em suas matérias de divulgação científica o nome Instituto Maria e Leônidas Deane, em homenagem especial à Maria Deane (1916-1995), protozoologista, que registrou significativas descobertas sobre leishmaniose visceral, malária e doença de Chagas, durante a carreira científica, iniciada em 1936. Sobre a doença de Chagas, desenvolveu importantes estudos a respeito do agente desta moléstia: Trypanosoma cruzi.
A expectativa é de que com essa alteração simbólica o instituto chame a atenção da sociedade sobre a responsabilidade de homens e mulheres na luta pelo respeito às diferenças e à luta das mulheres pela garantia de seus direitos sociais, econômicos e políticos.

 

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes, e do arquivo IOC/Fiocruz

Palestra aborda Legalidade dos processos de P&D que fazem uso da biodiversidade brasileira

O Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) nos dias 8 e 9 de março, a partir de 14h, o seminário “Uso da biodiversidade – Questões regulatórias e oportunidades”. O objetivo é divulgar e promover esclarecimentos sobre a nova Lei da Biodiversidade (Lei nº 13.123/2015 e Decreto nº 8.772/2016) por meio de palestras e debates, com a participação de membros técnicos do Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (CGEN), órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente.

Durante o evento será apresentada a palestra “Legalidade dos processos de pesquisa e desenvolvimento tecnológico (P&D) que fazem uso da biodiversidade brasileira”, a ser ministrada pela Dra. Manuela da Silva, assessora da Vice-Presidência de Pesquisa e Coleções Científicas, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Na ocasião, serão debatidos temas relacionados ao uso da biodiversidade, acesso ao patrimônio genético, conhecimento tradicional associado e repartição de benefícios, além do esclarecimento a respeito das medidas adotadas por instituições públicas e privadas para a implementação da Lei da Biodiversidade.

O evento é voltado para membros da comunidade científica regional, entidades de apoio produtivo, interessados ou envolvidos diretamente com os assuntos em pauta.

SOBRE A PALESTRANTE

Manuela da Silva é assessora da Vice-Presidência de Pesquisa e Coleções Científicas, coordenando as Coleções Biológicas da Fiocruz. É professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Vigilância Sanitária (INCQS/FIOCRUZ) desde 2003. Coordena a área de Coleções de Culturas da Sociedade Brasileira de Microbiologia (SBM) e é membro do diretório executivo da World Federation of Culture Collection (WFCC).

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Foto: Edimilson Bibiani, ILMD/Fiocruz Amazônia

 

Aula inaugural do PPGBIO-Interação aborda Toxoplasma

“Toxoplasma  gondii e modelos de estudo aplicados à toxoplasmose adquirida e congênita” foi o tema da aula inaugural do novo curso de mestrado acadêmico do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro (PPGBIO-Interação),  do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), ocorrida nesta segunda-feira, 6/3.

O tema foi apresentado pelo pesquisador Dr. José Roberto Mineo, que trabalha com toxoplasma há 40 anos, e é professor titular de Imunologia, do Instituto de Ciências Biomédicas, da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), além de coordenador da área de Ciências Biológicas II, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

img_1423

Segundo Mineo, o PPGBIO-Interação atua com temáticas extremamente relevantes não só sob o ponto de vista acadêmico, mas principalmente de impacto com o dia-a-dia da população. “Eu trouxe para esse primeiro momento, trabalhos da literatura e de pós-graduandos da UFU. Tentei mostrar os vários aspectos de abordagem e isso extrapola a toxoplasma, mas serve para quem for estudar rotavirose, dengue, zika, malária e todas as outras patogenias”.

Esta é a primeira turma do mestrado PPGBIO-Interação, o curso tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro, no âmbito da maior biodiversidade mundial. A área de concentração única do ILMD/Fiocruz Amazônia será operacionalizada em duas linhas de pesquisa que se unem transversalmente, são elas:  Eco-epidemiologia das doenças transmissíveis, e Bioquímica, biologia celular e molecular de patógenos e seus vetores.

img_1432

De acordo com o coordenador do curso, Dr. Paulo Afonso Nogueira, a aula inaugural foi pensada de forma estratégica. “Nada melhor que você trazer para esse momento inicial dos alunos, alguém que está na ponta da pirâmide nessa área da pesquisa, que possa nos orientar, e conhecer a estrutura do nosso programa. A aula foi muito proveitosa e o professor Mineo já demonstrou seu apoio ao novo curso”, disse.

Para o diretor substituto e vice-diretor de Pesquisa do ILMD/ Fiocruz Amazônia, “esse momento representa a consolidação de alguns anos de trabalho, quando nós vimos a possibilidade e necessidade de termos um curso de pós-graduação na área biológica”.

O aluno Yago Santos, considera muito importante começar o mestrado, tendo contato com um pesquisador que já está bem sedimentado na área. “Isso possibilita abrir nossa mente para uma série de perguntas que são possíveis, sobretudo, a respeito de uma área que ainda tem muito a se descobrir e contribuir para a saúde pública”, destacou.

Compõem o corpo docente do curso pesquisadores doutores José Roberto Mineo, Ana Carolina Vicente, Bernardo Horta, Claudia Maria Rios Velásquez, Felipe Arley Costa Pessoa, Felipe Gomes Naveca, Marcus Vinicius Guimarães Lacerda, Patricia Puccineli Orlandi, Pritesh Jaychand Lalwani, Wuelton Monteiro, Rosana Parente, Antônio Levino, e Paulo Afonso Nogueira.

A aula inaugural ocorreu no Salão Canoas, no ILMD/Fiocruz Amazônia.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas e Eduardo Gomes

Fotos: Eduardo Gomes/ ILMD/ Fiocruz Amazônia

Fiocruz Amazônia promove bate-papo sobre a atuação da mulher na ciência

A participação da mulher na ciência será o enfoque de bate-papo de pesquisadoras do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) com estudantes do ensino médio, no dia 8 de março.

O objetivo é aproveitar a data, Dia Internacional da Mulher, para enfatizar a participação feminina na ciência, para tanto duas pesquisadoras do ILMD/Fiocruz Amazônia vão expor suas experiências profissionais para os estudantes, num bate-papo informal, compartilhando suas trajetórias enquanto cientistas.
Para a pesquisadora Claudia Rios Velasquez, a mulher precisa trabalhar muito para galgar alguma posição profissional. “Na ciência não deve existir uma divisão, tanto o homem quanto a mulher precisam de muito esforço se quiserem conquistar algo. Em geral, a mulher tem a postura de ser mais submissa, mais suave, e há momento em que temos que ser mais enfáticas nos nossos objetivos e posicionamentos”.

A atuação da mulher na ciência não é algo recente, elas sempre estiveram envolvidas com a ciência, tecnologia e inovação, no entanto, ainda há muito o que conquistar e dar visibilidade a participação feminina que até então é considerada tímida em relação a expressividade dos homens neste campo.

Para a pesquisadora, o jovem se quiser alcançar uma posição de destaque na ciência não pode ser acomodado, tem que abrir mão de conforto e estar preparado para as oportunidades e decisões no campo profissional. “Cada dia temos um compromisso diferente, temos que tomar decisões distintas. Geralmente, a postura de muitos jovens é querer tudo muito rápido e acaba perdendo muito coisa; espero conseguir passar essa mensagem para eles no evento”, disse Velasquez.

 

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas e Eduardo Gomes

Foto: Arquivo ILMD/Fiocruz Amazônia

Primeira turma do PPGBIO-Interação inicia com aula inaugural a ser ministrada por José Roberto Mineo

Será na segunda-feira, 6/3, às 9h, a aula inaugural do novo curso de Mestrado Acadêmico do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro (PPGBIO-Interação), do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia).

A palestra inaugural será ministrada pelo Dr. José Roberto Mineo, professor titular de Imunologia, do Instituto de Ciências Biomédicas, da Universidade Federal de Uberlândia e coordenador da área de Ciências Biológicas II, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Esta é a primeira turma do mestrado PPGBIO-Interação, o curso tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro, no âmbito da maior biodiversidade mundial. A área de concentração única do ILMD/Fiocruz Amazônia será operacionalizada em duas linhas de pesquisa que se unem transversalmente, são elas:  Eco-epidemiologia das doenças transmissíveis, e Bioquímica, biologia celular e molecular de patógenos e seus vetores.

Para o coordenador do curso, Dr. Paulo Afonso Nogueira, o PPGBIO-Interação é resultado de iniciativas científicas do ILMD/Fiocruz Amazônia desde 2007, e que agora estão se consolidando com o programa de pós-graduação. A expectativa é de que no futuro, além do mestrado, possa ser também oferecido o curso de doutorado, uma vez que o PPGBIO-Interação vai impactar bastante na pesquisa de doenças tropicais na Amazônia.

O corpo docente do curso é formado pelos pesquisadores doutores Ana Carolina Vicente, Bernardo Horta, Claudia Maria Rios Velásquez, Felipe Arley Pessoa, Felipe Gomes Naveca, James Lee Crainey, Marcus Vinicius Lacerda, Patrícia Puccineli Orlandi, Priscila Aquino, Pritesh Jaychand Lalwani, Sérgio Luiz Bessa Luz, Stefanie Lopes, Wuelton Monteiro, e Paulo Afonso Nogueira.

Confira aqui o Lattes do professor Dr. José Roberto Mineo.

A aula inaugural acontecerá no Salão Canoas, no ILMD/Fiocruz Amazônia, que fica na Rua Teresina, 476, no bairro Adrianópolis – Manaus (AM).

 

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas

Foto: Banco de Imagens Fiocruz

Trombocitopenia é abordada no Centro de Estudos do ILMD

O Centro de Estudos do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) ofereceu nesta sexta-feira (24/02), a palestra “Trombocitopenia na malária”, ministrada pelo Dr. Paulo Nogueira, pesquisador do ILMD. A apresentação teve o intuito de apresentar os recentes estudos sobre a trombocitopenia, uma manifestação hematológica muito comum, reportada em fase aguda na malária.

 

A patogênese da trombocitopenia malária é multifatorial e envolve destruição e consumo de plaquetas. Estudos investigam que distúrbios de esplenomegalia e alterações da medula óssea estejam associados a trombocitopenia, e citocinas pró e anti-inflamatórias podem funcionar como marcadores sorológicos da trombocitopenia na malária.

 

De acordo com Nogueira, “alguns mecanismos fisiopatológicos já foram demonstrados: a coagulopatia, adesão e destruição endotelial; a destruição por fagocitose associada com elevação dos níveis séricos de citocinas inflamatórias; e a elevação dos níveis de marcadores de estresse oxidativo como causa de danos estruturais e funcionais nas plaquetas”, explicou.

 

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ensino para a promoção da saúde. A entrada é gratuita e podem participar estudantes de graduação e pós graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde.

img_1248

SOBRE O PALESTRANTE

 

Paulo é graduado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), mestre em Biologia Funcional e Molecular pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), doutor em Relação Patógeno Hospedeiro pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP), e pós doutor em biologia da relação patógeno hospedeiro pela Universidade do Mediterrâneo, Marselha (França).

 

Atua na área de Imunologia, com ênfase em receptores celulares, anticorpos, biologia molecular e clonagem gênica para expressão de antígenos recombinantes. É coordenador do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro (PPGBIO-Interação), e vice-líder do Laboratório de Diagnóstico e Controle de Doenças Infecciosas na Amazônia (DCDIA), do ILMD/Fiocruz Amazônia.

 

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Fotos: Eduardo Gomes

 

Anomalia reportada em fase aguda na malária será tema de palestra no ILMD

Dentre as anomalias reportadas em fase aguda na malária, a trombocitopenia é uma manifestação hematológica muito comum, no entanto, a ocorrência de sangramento é um evento raro nos pacientes. A patogênese da trombocitopenia malária é multifatorial e envolve destruição e consumo de plaquetas.

O tema trombocitopenia será abordado durante palestra oferecida pelo Centro de Estudos do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), na próxima sexta-feira (24/02), às 9h, no Salão Canoas, auditório da Instituição. A apresentação será ministrada pelo Dr. Paulo Nogueira, pesquisador do ILMD.

Segundo o pesquisador, “alguns mecanismos fisiopatológicos já foram demonstrados recentemente: a coagulopatia e adesão/destruição endotelial; a destruição por fagocitose associada com elevação dos níveis séricos de citocinas inflamatórias; e a elevação dos níveis de marcadores de estresse oxidativo como causa de danos estruturais e funcionais nas plaquetas”, explicou.

Especula-se que distúrbios de esplenomegalia e alterações da medula óssea estejam associados a trombocitopenia, e citocinas pró e anti-inflamatórias podem funcionar como marcadores sorológicos da trombocitopenia na malária. A palestra vai abordar aspectos atuais desta fisiopatologia

SOBRE O PALESTRANTE

Paulo é graduado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), mestre em Biologia Funcional e Molecular pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), doutor em Relação Patógeno Hospedeiro pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP), e pós doutor em biologia da relação patógeno hospedeiro pela Universidade do Mediterrâneo, Marselha (França).

Atua na área de Imunologia, com ênfase em receptores celulares, anticorpos, biologia molecular e clonagem gênica para expressão de antígenos recombinantes. É coordenador do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro (PPGBIO-Interação), e vice-líder do Laboratório de Diagnóstico e Controle de Doenças Infecciosas na Amazônia (DCDIA), do ILMD/Fiocruz Amazônia.

ILMD/Fiocruz Amazônia, Por Eduardo Gomes.

ProfSaúde divulga resultado da prova de Conhecimentos Específicos

Saiu o resultado da segunda etapa da seleção para o Mestrado Profissional em Saúde da Família – Profsaúde /2017, trata-se da prova de Conhecimentos Específicos.

SOBRE O PROGRAMA
O ProfSaúde é um programa de pós-graduação stricto sensu a ser realizado em rede, que tem por finalidade formar profissionais de saúde que atuam na Saúde da Família/Atenção Básica. Além disso, o programa pretende fomentar a produção de novos conhecimentos e inovações na atenção básica no País, respeitando a diversidade regional e integrando instituições acadêmicas e gestores da saúde pública.
ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Foto: Fiocruz/Raul Santana

Merck apresenta técnica de edição gênica no ILMD/ Fiocruz Amazônia

Merck apresenta técnica de edição gênica no ILMD/ Fiocruz Amazônia

Na última quinta-feira (16/02), pesquisadores, servidores e bolsistas do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) participaram das palestras técnicas “CRISPR: ferramenta de edição gênica” e “Sistema Luminex – tecnologia multiparamétrica na determinação de biomarcadores”, ministradas pelo Gerente de Produtos e responsável pelas plataformas de biotecnologia da empresa Merck, Misael Silva.

img_1012

 

Na ocasião, o palestrante divulgou uma técnica de edição gênica, intitulada CRISPR, que segundo ele, “é uma das promessas científicas para a cura de doenças genéticas, que até o momento representam grande desafio para a pesquisa”. O Objetivo das palestras foi apresentar algumas atualizações tecnológicas e possibilitar uma troca de experiências com o público.

O CRISPR é uma nova metodologia que permite adicionar ou retirar sequências específicas do genoma celular. A ação permite apagar um gene defeituoso ou adicionar um gene ausente em uma célula defectiva. “Esse tipo de abordagem permite que você possa corrigir problemas genéticos, seja pela deleção da mutação desse gene durante o desenvolvimento do organismo, ou para corrigir e adicionar um gene inexistente”, explicou.

Outra tecnologia apresentada foi o Sitema Luminex, uma técnica multiparamétrica, que possibilita constituir vários indicadores e informações ao mesmo tempo. A tecnologia permite ao pesquisador “agilizar o andamento do projeto, pois se consegue mais informações em menos tempo, economizando recursos, diminuindo a quantidade de insumos laboratoriais, sejam eles reagentes, pessoas ou tempo para obter a mesma quantidade de informações dos métodos tradicionais”, disse Misael.

Para Felipe Naveca, vice-diretor de Pesquisa do ILMD, o momento possibilita ao público uma aproximação maior com novos temas e técnicas, que futuramente podem ser usados. “Algumas técnicas que você ouve falar, mas não tem a oportunidade de ver detalhado por um especialista no assunto ou na tecnologia, que pode te ajudar a tirar dúvidas. Acredito que hoje, muitas pessoas já saíram da palestra pensando em como utilizar essas tecnologias em seus projetos”.

SOBRE A MERCK

A Merck é uma empresa Alemã, líder em ciência e tecnologia nos setores de cuidados com a Saúde. A empresa atua no desenvolvimento de tecnologias que melhorem e prolonguem a vida, produzindo desde terapias com biofarmacêuticos para tratar o câncer ou esclerose múltipla, sistemas de ponta para a pesquisa científica e de produção, a cristais líquidos para smartphones e televisores LCD.

Após a apresentação, Misael avaliou a segunda experiência da empresa no Instituto. “A experiência é bastante enriquecedora, pois nos permite essa troca com o público, avaliar como as diferentes regiões do país estão em relação a aplicação de novas ferramentas. É possível perceber que a Fiocruz está sempre na vanguarda quando você compara com outros institutos que trabalham com o mesmo tema, então isso é muito interesse, pois para nós a Fundação funciona como um ponto de referência”.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Foto: Eduardo Gomes

 

Novo site do ILMD está no ar

Está no ar o novo site do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), ainda em caráter de teste. O domínio para acesso permanece o mesmo www.amazonia.fiocruz.br.
Mais arrojado, dinâmico e de fácil navegação, o novo portal foi projetado para aproximar o Instituto de seus públicos, e para entrar em consonância com as ações de modernização institucional, que passam pela criação de uma nova marca, mudanças no Regimento Interno dentre outras de melhorias da Unidade.
Já nas primeiras horas o novo site alcançou mais de 4 mil acessos, mesmo sem divulgação, o que demonstra o interesse de seu público pela novidade. A expectativa interna gira em torno do feedback que se espera obter da comunidade ILMD/Fiocruz Amazônia e do público em geral para melhorar ainda mais o acesso a informações, e manter atualizados os serviços institucionais.

untitleda

Uma das características do novo portal está na adaptação a todos os tipos de telas, inclusive do sistema mobile, o que facilita para o internauta que acessa por meio de smartphones. O menu do site permanece na aba superior. Outras funcionalidades serão inseridas de acordo com as necessidades institucionais.
A data para lançamento do novo portal ainda não foi definida pela direção, que aguarda contribuições para deixar o site afinado com as necessidades de informação das áreas de Ensino, Pesquisa, e Gestão.
As contribuições para melhorias do site podem ser enviadas para o e-mail ascom.ilmd@fiocruz.br
ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes