PPGBIO-INTERAÇÃO abre inscrições para aluno especial

Interessados em participar como aluno especial do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro (PPGBIO-INTERAÇÃO), do Instituto de Pesquisa Leônidas e Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) devem realizar as inscrições no período de 03 a 05 de julho de 2017.

Podem se inscrever candidatos que sejam: alunos de outros cursos de pós-graduação stricto sensu da Fiocruz; alunos de outros cursos de pós-graduação stricto sensu de outras instituições públicas e/ou privadas; alunos de curso de pós-graduação lato sensu da Fiocruz; alunos de outros cursos de pós-graduação lato sensu de outras instituições públicas e/ou privadas; e Candidatos com curso de pós-graduação lato sensu concluído, que não estejam no momento da inscrição fazendo outro curso de lato sensu ou cursando stricto sensu.

INSCRIÇÃO

Para o segundo semestre de 2017, o PPGBIO-INTERAÇÃO oferece as seguintes disciplinas: Fisiopatologia e aspectos da resposta imune inata e adaptativa das doenças infecciosas, Introdução à analise proteômica, e Bioecologia de insetos vetores e variabilidade genética e evolução.

Os interessados poderão se inscrever por meio de formulário, disponível na Plataforma Siga, no endereço eletrônico: http://www.sigass.fiocruz.br/pub/inscricao.do?codP=127, observando os seguintes passos: primeiro clicar em Inscrição; em seguida, em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro; depois, preencher o formulário de inscrição; salvar em pdf, imprimir e assinar.

Para se inscrever são necessários os seguintes documentos: Carteira de Identidade Civil ou Militar (frente e verso), ou Carteira do Conselho de Classe; CPF; Declaração de matrícula em outro Programa de Pós-graduação lato sensu ou stricto sensu, ou certificado de pós-graduação lato sensu.

O formulário e demais documentos de inscrição devem ser encaminhados digitalizados, em “formato pdf”, para o endereço eletrônico selecaoalunoespecial.ilmd@fiocruz.br, até 21h59min (hora de Manaus) do dia 5 de julho. No assunto da mensagem a ser enviada, o candidato deverá digitar: “INSCRIÇÃO DE (NOME COMPLETO DO CANDIDATO) PARA ALUNO ESPECIAL PPGBIO 2017/2.

Informações detalhadas sobre a inscrição podem ser obtidas na Plataforma SIGA. Vale ressaltar que a plataforma só pode ser acessada através do navegador Internet Explorer. A seleção dos candidatos ocorrerá no período de 10 a 17 de Julho 2017.

RESULTADO

A Divulgação da lista dos candidatos selecionados ocorrerá no dia 20 de julho, na Plataforma SIGA no endereço eletrônico http://www.sigass.fiocruz.br/pub/inscricao.do?codP=127.

Os candidatos selecionados devem confirmar sua participação nas disciplinas as quais foi selecionado, através de mensagem eletrônica para selecaoalunoespecial.ilmd@fiocruz.br nos dias 25 e 26 de julho de 2017. Os candidatos que não confirmarem sua participação, dentro do período definido serão considerados desistentes, e estarão automaticamente excluídos da(s) disciplina(s).

Acesse a plataforma SIGA em: http://www.sigass.fiocruz.br/pub/inscricao.do?codP=127

 

LMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Foto: Banco de Imagens ILMD/Fiocruz Amazônia

Centro de Estudos do ILMD promove palestra sobre divulgação científica e popularização da ciência

Com o objetivo de mostrar os principais cenários, diálogos de dificuldades e oportunidades, e como pode ser feito o trabalho de divulgação científica e popularização da ciência, a partir das mídias existentes e do papel social que as instituições de pesquisa devem exercer, a palestra desta semana do Centro de Estudos do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), terá como tema: “Divulgação científica e popularização da ciência: responsabilidade social”.

O assunto será abordado pelas pesquisadoras, Maria Olívia Simão, professora da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e pela jornalista, Cristiane Barbosa, doutoranda em Ciências da Informação pela Universidade Fernando Pessoa (UFP/Portugal), nesta sexta-feira, 23/6, às 9h, no Salão Canoas, na sede do ILMD/Fiocruz Amazônia, à rua Teresina, 476, Adrianópolis, zona centro-sul de Manaus.

Para Maria Olívia, a comunicação do que se faz nos laboratórios precisa chegar até a comunidade. Ela destaca que a sociedade é quem subsidias as pesquisas com o pagamento de impostos, principalmente na área da saúde que é um dos temas que mais desperta interesse da população.

Sobre a oportunidade de falar a respeito desta temática na programação do Centro de Estudos, a pesquisadora ressalta a importância desta sensibilização como parte da formação acadêmica. “Esse espaço tem como público prioritário os alunos de pós-graduação e iniciação científica, então é importante que eles recebam na formação essa sensibilização, para que cheguem no mercado como profissionais mais aptos a lidar com essa realidade”, enfatizou Simão.

PIONEIRISMO

Visando oferecer formação profissional e acadêmica na área de divulgação e jornalismo científico em saúde na Amazônia, capacitar para os processos gerais e técnicas, e aprofundar a reflexão sobre divulgação e jornalismo científico em saúde, com ênfase no contexto Amazônico, o ILMD/Fiocruz Amazônia, já formou duas turmas do curso de especialização em Divulgação e Jornalismo Científico em Saúde na Amazônia.

O curso foi realizado pela Fiocruz Amazônia e o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (ICICT/Fiocruz RJ), com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação do Amazonas (SECTI-AM).

Participaram da especialização aproximadamente 60 profissionais com formação em comunicação social e áreas afins, atuantes na mídia local e assessores de comunicação das Instituições de Ensino e Pesquisa; bem como profissionais de outras áreas com experiência na temática da Divulgação Científica na Amazônia.

SOBRE AS PALESTRANTES

Maria Olívia Simão é doutora em Biologia de Água Doce e Pesca Interior, e mestre em Entomologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), graduada em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Foi Secretária Executiva Adjunta de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Amazonas, Diretora Técnico Científica da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas – FAPEAM e Diretora Presidente da FAPEAM.

Cristiane Barbosa é doutoranda em Ciências da Informação pela Universidade Fernando Pessoa (UFP/Portugal), Mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). É graduada em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo pela UFAM, especialista em Jornalismo Científico e Divulgação Científica em Saúde da Amazônia pelo (ILMD/Fiocruz Amazônia) e em Marketing Empresarial pela UFAM.

CENTRO DE ESTUDOS

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ao ensino para a promoção da saúde.

Os eventos ocorrem às sextas-feiras e deles podem participar estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde. A entrada é franca.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes.

 

 

Supervisores recebem treinamento para o 3º ciclo do PMAQ

Entre os dias 12 e 16 de junho, o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) realizou na cidade de Manaus (AM), o treinamento de supervisores que irão atuar no 3º ciclo de atividades do programa. O encontro realizado na Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), reuniu pesquisadores e pós-graduandos do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), professores da Universidade e profissionais da Rede de Atenção à Saúde (RAS), que atuam como supervisores do PMAQ.

O treinamento faz parte das atividades prévias à entrada em campo do terceiro ciclo. Até o momento, o programa já realizou o mapeamento das localidades, construção do cronograma de viagens que serão realizadas aos municípios, e reuniões com os gestores para discutir como será feito o processo deste novo ciclo.

Entre os conteúdos ministrados no treinamento, foram selecionados: apresentação sobre os objetivos do programa e as características de cada ciclo; apresentação de um sistema que a Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde (Fiotec) criou para o gerenciamento das despesas; e um mapeamento do conteúdo existente no Portal da Saúde relativo ao programa (relatórios, situações dos municípios, avaliações feitas nos ciclos anteriores, manuais de orientação e manual do PMAQ).

Durante o treinamento, foram apresentadas também algumas produções de análises sobre as avaliações. “São pesquisas acadêmicas feitas a partir de dados do PMAQ e outras feitas no próprio serviço. A gente se preocupou em qualificar os supervisores para o entendimento global desse processo, não só para coletar dados, mas também para entender os fundamentos da pesquisa, os princípios, objetivos e os conceitos que estão embutidos em cada pergunta”, destacou uma das coordenadoras do programa no Amazonas, a pesquisadora Luiza Garnelo.

AVALIAÇÂO EXTERNA

A avaliação externa corresponde à terceira fase do PMAQ, em que se realiza um conjunto de ações para averiguar as condições de acesso e de qualidade da totalidade de municípios e equipes participantes do programa. É nessa fase que participam as instituições de ensino e pesquisa, coletando os dados para a certificação das equipes. No Amazonas, o programa é coordenado pelos pesquisadores Luiza Garnelo, do ILMD/ Fiocruz Amazônia, e Esron Rocha, da UFAM.

Segundo Juliana Gagno, mestre em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz), que apoia o grupo de coordenação geral do PMAQ, “o próximo passo é a seleção e treinamento de entrevistadores. Nesse momento estaremos trabalhando os instrumentos que serão aplicados em um tablet, iremos falar também sobre a responsabilidade desses profissionais que aplicam as entrevistas, desde padrões éticos até a qualidade dessa coleta de dados”.

SOBRE O PMAQ

O PMAQ tem como objetivo incentivar os gestores e as equipes a melhorar a qualidade dos serviços de saúde oferecidos aos cidadãos do território. Para isso, propõe um conjunto de estratégias de qualificação, acompanhamento e avaliação do trabalho das equipes de saúde.

O programa eleva o repasse de recursos do incentivo federal para os municípios participantes que atingirem melhora no padrão de qualidade no atendimento. O programa foi lançado em 2011, e conta com a participação de todas as equipes de saúde da Atenção Básica (Saúde da Família e Parametrizada), incluindo as equipes de Saúde Bucal, Núcleos de Apoio à Saúde da Família e Centros de Especialidades Odontológicas que se encontrem em conformidade com a Política Nacional de Atenção Básica (PNAB).

A ação é uma iniciativa do Governo Federal, que prevê a realização de um censo da infraestrutura das Unidades Básicas de Saúde (UBS) e a avaliação das condições de acesso e de qualidade das Equipes de Saúde da Família (ESF) participantes do programa.

As equipes de avaliação são formadas por um supervisor e três entrevistadores, que percorrerão as UBS aplicando questionários avaliativos a gestores, trabalhadores e usuários atendidos pelas equipes de saúde da família.

ILMD/Fiocruz Amazônia

Texto e fotos por Eduardo Gomes

 

Fiocruz Amazônia promove ações direcionadas à qualidade de vida de seus colaboradores

O Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) através do Núcleo de Saúde do Trabalhador (Nust/ILMD) realizou nesta terça-feira, 20/6, a palestra “Os dez passos para uma alimentação saudável: guia alimentar da população brasileira”.  A palestra foi ministrada pela nutricionista Sarah Cordeiro, e destinada aos colaboradores do Instituto.

Durante o encontro a nutricionista falou da importância de uma alimentação balanceada e da preferência que se deve dar aos alimentos in natura ou minimamente processados. Destacou também os dez passos para uma alimentação saudável, conforme orientação do Ministério da Saúde.

Acesse aqui as orientações.

O diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia, Sérgio Luiz Bessa Luz, destacou a importância das ações desenvolvidas pela Fiocruz que visam a qualidade de vida de seus colaboradores e convidou a comunidade a participar dos eventos do Nust/ILMD.

ILMD + SAUDÁVEL

Na oportunidade, o chefe do Nust/ILMD, Rafael Petersen, falou da gincana ILMD + Saudável, que é uma competição entre equipes, que devem ser formadas por participantes da comunidade do ILMD: servidores, terceirizados, bolsistas e estagiários.

A gincana é uma ação do NUST/ILMD e tem como proposta trabalhar e dinamizar todas as ações desenvolvidas pelo Núcleo, por meio de competição entre equipes,  baseada em desafios lançados quinzenalmente. Os desafios serão relacionados à saúde do trabalhador e à segurança no trabalho, na perspectiva da promoção e prevenção em saúde.

Para reunir informações sobre saúde do trabalhador e hábitos de vida saudável, alimentação e integrar os colaboradores da Unidade, foi criada a fanpage do Nust/ILMD e um grupo fechado no Facebook.

Saiba mais no vídeo.

O ILMD + Saudável é destinado a colaboradores do Instituto.

SOBRE O CIRCUITO

O Circuito Saudável é um projeto da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) desenvolvido pela equipe de Nutrição do Nust, da Coordenação de Saúde do Trabalhador (CST), da Diretoria de Recursos Humanos (Direh), em parceria com a FioSaúde.

O projeto é voltado para a obtenção da qualidade de vida dos trabalhadores da Fiocruz, por meio da divulgação de informações sobre alimentação e nutrição no campo da saúde do trabalhador e atividades físicas. O projeto incentiva a adoção de hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e prática esportiva.

NUST-ILMD

Na Fiocruz Amazônia, o projeto tem à frente Rafael Petersen  e Sarah Cordeiro (nutricionista/Nust),  está vinculado Vice-diretoria de Gestão e Desenvolvimento Institucional (VDG). O Núcleo  também promove ações para a realização de exames médicos periódicos em parceria com a CST, análise ergonômica dos postos de trabalho, palestras de orientação em saúde, ações em biossegurança e brigada de incêndio, além de parcerias com diversos órgãos públicos da região de Manaus para a formação de uma rede de relacionamento e colaboração em estudos e intervenções em saúde do trabalhador.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Marlúcia Seixas

Fiocruz Amazônia promove curso sobre propriedade intelectual

De 26 a 28 de junho será realizado em Manaus, no Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), o curso “Propriedade intelectual e busca da informação tecnológica em documentos de patentes”. O curso é oferecido pelo Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT/ILMD), através da Coordenação de Gestão Tecnológica (Gestec), da Vice-Presidência de Produção e Inovação em Saúde (VPPIS), da Fundação Oswaldo Cruz com apoio financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq.

O curso terá duração de 20h e será ministrado por Leila Longa e por Leonardo Leite. O conteúdo programático compreende aulas teóricas e práticas, que serão realizadas no Laboratório de Informática do ILMD/Fiocruz Amazônia, à rua Teresina, 476, Adrianópolis.

Serão abordados os seguintes assuntos: Fundamentos de propriedade intelectual e de propriedade industrial (Propriedade Intelectual – Convenções e Tratados), Propriedade Industrial (Tratados), Patentes e suas modalidades, Requisitos de patenteabilidade, Documento de Patente X Artigos Científicos, A quem pertence a Invenção?; Documento de patente como fonte de informação tecnológica, Conceito de Informação tecnológica, Classificação Internal de patentes, Códigos de documentos de patentes: INID – Status – Países;  Busca de Informação, Tipos de busca, Estratégia de busca (Operadores booleanos, Truncagem, palavras-chave, classificação internacional), Bases de dados para realização de busca; Prática de Patente (Exercícios), Busca em bases gratuitas, Busca em base contratada pela Fiocruz, e outras bases a serem mencionadas.

O curso é destinado a colaboradores do ILMD, no entanto 8 (oito) vagas gratuitas são destinadas ao público externo. As inscrições podem ser feitas por e-mail para nit.ilmd@fiocruz.br, com as seguintes informações: nome do participante, instituição a que está vinculado, telefone, RG, CPF.

As aulas acontecem nos dois turnos e os certificados serão emitidos pela Coordenação de Gestão Tecnológica (Gestec).

Ascom/ILMD, por Marlúcia Seixas
Imagem: divulgação

 

Sérgio Luz anuncia nomes dos vices-diretores durante CD do ILMD

Conselheiros, chefes de laboratório, bolsistas e colaboradores do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) participaram hoje, 19/6, no Salão Canoas, de Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo (CD/ILMD).

No encontro foram apresentados e deliberados os seguintes assuntos: aprovação da Política de Qualidade do ILMD; apresentação pelo  Serviço de Gestão do Trabalho (Seget/ILMD) do novo procedimento para programação/reprogramação de férias “Férias-Web”, novo ciclo de Avaliação de Desempenho, transferência da servidora Raquel Scopel, MPF/Cogepe (Fiocruz) – Controle e Registro do início e fim da jornada diária de trabalho e do início e fim do intervalo intrajornada, dos servidores e terceirizados da Fiocruz, e recomendação do MPF quanto ao cumprimento da jornada diária de trabalho – conforme Ofício nº 4728/2017-PR-RJ-AMLC –SEGET; anúncio da nova diretoria do Instituto; aprovação do Regimento Interno do ILMD; e formação da comissão eleitoral para conselheiros  do CD/ILMD  -quadriênio 2017-2021.

O CD/ILMD foi conduzido pelo diretor do Instituto, Sérgio Luiz Bessa Luz, que na oportunidade anunciou os nomes dos vice-diretores de ensino, de gestão e de pesquisa. Claudia Maria Rios Velasquez, assume a Vice-diretoria de Ensino, Informação e Comunicação; Felipe Naveca permanece na Vice-diretoria de Pesquisa e Inovação; Carlos Henrique Carvalho também continua na Vice-diretoria de Gestão e Desenvolvimento Institucional. Severina Reis assume a chefia de gabinete.

POLÍTICA DE QUALIDADE

A nova política do ILMD foi aprovada com seguinte texto: “Promover a saúde e a qualidade de vida da população brasileira, em especial a do estado do Amazonas, atendendo aos requisitos de regulamentos e das normas da qualidade adequadas ao seu escopo de atuação, buscando a melhoria contínua do Sistema de Gestão da Qualidade”.

A política foi formulada em conformidade com a Portaria 1104/2016-PR, que trata do Programa de Gestão da Qualidade (PGQ/Fiocruz) e da Política da Qualidade da Fiocruz.

Durante o encontro também foram lembradas as medidas já adotadas no ILMD, em atendimento aos preceitos da Política da Qualidade da Fiocruz e do PGQ/Fiocruz.

INFORMES

Foi formada a comissão eleitoral que cuidará das eleições para conselheiros do Conselho Deliberativo (CD/ILMD), ficando assim composta: Ormezinda Fernandes, Michele El Kadri, Rita Bacuri, Luciene Araújo, e André Ivan de Oliveira.

Outra novidade foi o informe da aprovação do Regimento Interno do ILMD, pela Coordenação-Geral de Gestão de Pessoas (Cogepe), que sugeriu pequenas mudanças, sendo estas acatadas e aprovadas no CD/ILMD.

Ascom/ILMD por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes

Ministério elabora diretrizes para saúde ocular na infância

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), existem aproximadamente 1,4 milhão de crianças com deficiência visual no mundo, sendo que cerca de 90% vivem em países em desenvolvimento ou muito pobres. Com o objetivo de oferecer orientações às equipes multiprofissionais para o cuidado da saúde ocular da criança e identificação dos fatores de risco abrangendo o pré-natal, neonatal, até o final da infância, a Secretaria de Atenção à Saúde (SAS) do Ministério da Saúde (MS), com colaboração da Área Técnica Saúde da Criança e Aleitamento Materno/Dapes/SAS/MS, do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), da Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica (SBOP) e da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) elaboraram as Diretrizes de Atenção à Saúde Ocular na Infância: detecção e intervenção precoce para a prevenção de deficiências visuais.

O trabalho contou com a colaboração de Andrea Araújo Zin, pesquisadora do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz), Célia Regina Nakanami, membro da Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica (SBOP), Enia Maluf Amui e Ione Maria Fonseca de Melo do MS, Liana Oliveira Ventura, da Fundação Altino Ventura e Nicole Gianini da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMSRJ). “A visão é um dos mais importantes sentidos no desenvolvimento físico e cognitivo normal da criança, por isso é importante destacar que o cuidado com a saúde visual deve começar no pré-natal, identificando infecções congênitas, como toxoplasmose, herpes, citomegalovírus, sífilis e outros. O desenvolvimento motor e a capacidade de comunicação são prejudicados na criança com deficiência visual porque gestos e condutas sociais são aprendidos pelo feedback visual. O diagnóstico precoce de doenças, um tratamento efetivo e um programa de estimulação visual precoce podem permitir que a criança tenha uma integração maior com seu meio”, explicou Andrea Araújo Zin.

A OMS classifica a deficiência visual em categorias que incluem desde a perda visual leve até a ausência total de visão e baseia-se em valores quantitativos de acuidade visual e/ou do campo visual para definir clinicamente a cegueira e a baixa visão. “Já se sabe que a pessoa com deficiência visual, cegueira ou baixa visão, tem prejuízo da sua função visual mesmo após tratamentos clínicos e/ou cirúrgicos e uso de correção óptica. Além disso, a sua capacidade para realizar atividades e tarefas diárias com a visão funcional, também é comprometida”, esclareceu a pesquisadora.

Andrea Zin enfatiza que a deficiência visual na infância e suas consequências provocam grande impacto quando se calcula o número de anos vividos com cegueira ou baixa visão, com maiores chances de atraso no desenvolvimento físico, neuropsicomotor, educacional, econômico e na qualidade de vida. “Como a visão é uma função neurológica e a criança a desenvolve rapidamente nos primeiros anos de vida, o diagnóstico e intervenção precoces para os casos que possuem tratamento, tais como, catarata, glaucoma, erro refrativo e para os que precisam de habilitação aumentam as chances de a criança aperfeiçoar as habilidades motoras e o desenvolvimento cognitivo. Para que isso seja possível, é preciso um cuidado multidisciplinar com todos os profissionais que acompanham a mulher desde antes do nascimento até os primeiros anos de vida do bebê”, finaliza.

Confira as diretrizes do Ministério da Saúde.

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias

IFF/Fiocruz, por Juliana Xavier

 

Lançado livro paradidático que aborda temas fundamentais para a Amazônia

“Amazônias em tempos contemporâneos: entre diversidades e adversidades”, é título do livro lançado nesta segunda-feira, 12/6, organizado pelas pesquisadoras Jane Felipe Beltrão e Paula Mendes Lacerda. O lançamento ocorreu no Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), em Manaus (AM), durante a cerimônia de recondução de Sérgio Luz, ao cargo de diretor do Instituto.

Segundo a organizadora, Jane Beltrão, a Associação Brasileira de Antropologia (ABA), vem há algum tempo tentando iniciar uma coleção de paradidáticos, pois a produção antropológica no Brasil, ainda fica muito restrita às universidades, especialmente pela necessidade de formação de novos antropólogos na graduação e de complementação em nível de pós-graduação.

“Esse foi o primeiro paradidático da ABA. A ideia era que a gente pudesse congregar pessoas de várias áreas: da saúde, da educação, do direito… para que pudéssemos discutir temas que são fundamentais para a Amazônia, como a consulta dos povos indígenas em função de grandes empreendimentos, o direito das mulheres indígenas em função das grandes obras e das dificuldades que elas enfrentam com a violência, assim como a possibilidade de discussão sobre o que é uma escola indígena na Amazônia, e também sobre a formação de pessoal para trabalhar na área da saúde”, destacou Beltrão.

A ABA reuniu autores que podem apresentar a Amazônia brasileira, a partir de seus trabalhos na Região, expondo as diversidades que integram politicamente o contexto. Os autores são de formação diversificada e têm em comum a luta por um Brasil plural e democrático. São eles: Ana Lúcia Pontes, Antonio Carlos de Souza Lima, Antonio Motta, Assis da Costa Oliveira, Bruno Pacheco de Oliveira, Camille Gouveia Castelo Branco Barata, Clarisse Callegari Jacques, Jane Felipe Beltrão, Katiane Silva, Laise Lopes Diniz, Luiza Garnelo, Mariah Torres Aleixo, Paula Mendes Lacerda, Rita de Cássia Melo Santos, Rodrigo de Magalhães Oliveira, Rosani de Fatima Fernandes, Rhuan Carlos dos Santos Lopes, Sully Sampaio, Thiago Lopes da Costa Oliveira, e William César Lopes Domingues.

“São temas importantíssimos para os povos indígenas, pela agenda do movimento indígena, com a possibilidade de que nós pudéssemos contribuir para isso, e como nós temos programas de políticas afirmativas na Amazônia que formam indígenas como mestres e doutores, vários desses indígenas estão escrevendo no livro também. Ele é uma obra conjunta de intelectuais indígenas e intelectuais não-indígenas”, explicou Beltrão.

A publicação foi viabilizada pelo projeto Patrimônio, Diversidade Sociocultural, Direitos Humanos e Políticas Públicas na Amazônia Contemporânea, realizado em cooperação entre o Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) do Museu Nacional (MN), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e o Programa de Pós-Graduação em Antropologia (PPGA) da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Jane Beltrão salienta que o livro é uma forma de prestação de contas, sobre o que fazem os antropólogos em universidades, institutos de pesquisa e demais instituições públicas a respeito da necessidade de tornar o Brasil respeitoso com a diversidade, especialmente quando se trata de Amazônias.

O livro é composto por 16 capítulos e é um dos resultados do projeto aprovado na chamada pública MCTI/CNPq/MEC/Capes-Casadinho/PROCAD, coordenado por Jane Felipe Beltrão (PPGA/UFPA) e vice-coordenado por Antonio Carlos de Souza Lima (PPGAS/MN/UFRJ). Iniciado em 2012, o projeto teve como objetivo analisar situações de confronto, conflitos e emergência de grupos étnicos que se transformam, rearticulam ou se consolidam no cenário de mudanças aceleradas que atravessam a Amazônia.

PARTICIPAÇÃO DE PESQUISADORES DO ILMD

O capítulo escrito por Laise Lopes Diniz, antropóloga e especialista em educação escolar, e Luiza Garnelo, médica, antropóloga e pesquisadora do ILMD/Fiocruz Amazônia, Política indígena e política escolar: interfaces e negociações na implantação da Escola Indígena Pamáali – Alto Rio Negro, parte do caso concreto de uma escola indígena para apresentar os caminhos e os desafios em torno do qual uma escola indígena pode se constituir. As autoras descrevem o processo por meio do qual a escola conseguiu promover uma nova forma de organização, afastando-se do modelo ocidental, ao abrir espaço para que os mais velhos definam os parâmetros que devem orientar a formação dos estudantes.

Já o capítulo A experiência de formação de agentes comunitários indígenas de saúde, à luz das políticas públicas de saúde e da promoção da diversidade cultural, de autoria de Luiza Garnelo, do cientista social, fotógrafo e bolsista do ILMD/Fiocruz Amazônia, Sully Sampaio e Ana Lúcia Pontes, pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP/Fiocruz), traz o relato de experiência do curso técnico profissionalizante de Agentes Comunitários Indígenas de Saúde do Alto Rio Negro, no Amazonas, enfatizando as dificuldades vivenciadas durante o curso.

O livro pode ser acessado em formato digital. Clique

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Alegria e homenagens marcam a recondução de Sérgio Luz ao cargo de diretor do ILMD

Nesta segunda-feira, 12/6, a presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade, reconduziu o pesquisador Sérgio Luiz Bessa Luz ao cargo de diretor do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia). A cerimônia de recondução ocorreu na sede do Instituto e contou com a presença de autoridades, amigos e colaboradores do ILMD.

Sérgio Luz foi reeleito no último dia 5 de maio, com mais de 74% dos votos válidos, para o quadriênio 2017-2021. O pesquisador agradeceu à comunidade ILMD que confiou em sua gestão e o reconduziu a mais um mandato de quatro anos.

Sérgio Luz e Nísia Trindade.

Para o pesquisador, nesse momento, mais do que nunca, é preciso encarar a ciência, tecnologia e saúde como um investimento em um bem fundamental para a produção de riqueza e desenvolvimento, portanto há muito o que se descobrir e redescobrir.

“A plataforma para nossa gestão 2017-2021 está assentada em quatro pilares: consolidar a Fiocruz Amazônia como órgão estratégico; integrar ciência, inovação e saúde para o desenvolvimento ambientalmente sustentável; o compromisso com o combate às iniquidades; e a excelência na gestão”, declarou Sérgio Luz.

FESTA DA DEMOCRACIA

A presidente da Fiocruz ressaltou a importância da manutenção da democracia na instituição. “É uma festa e um compromisso da democracia; agradeço a cada um dos trabalhadores do ILMD, sem os quais seria impossível consolidar o Instituto, como centro de pesquisa, de ensino, de formação e de inovação da Fiocruz, na região Amazônica”.

Ao fazer uma conexão com o discurso de Sérgio Luz sobre ciência e tecnologia, Nísia Trindade reconhece que a visão sobre C&T e democracia ainda é muito centrada no sudeste brasileiro, mas admite que adota um pouco de cada região. “São os vários brasis que dão o sentido maior da nacionalidade brasileira”, disse ao agradecer também a cada colaborador da instituição que de alguma forma contribui para que seja preservada a gestão democrática na Fiocruz.

André Ivan entrega lembrança à Nísia Trindade.

Na oportunidade, o servidor André Ivan Lopes de Oliveira, representando todos os colaboradores do ILMD, entregou à Dra. Nísia uma singela lembrança, feita a partir de matéria-prima da floresta amazônica, uma biojoia produzida pela artesã Kerolayne Kemblin.

RECONHECIMENTO

Durante o evento, a pesquisadora Sônia de Oliveira foi agraciada com uma placa comemorativa pelos 30 anos de serviço dedicado à Fiocruz. Ela começou atuando no Rio de Janeiro, e depois veio para Manaus, onde atua como coordenadora da Comissão de Biossegurança do ILMD.

Sônia de Oliveira recebe de Nísia a placa comemorativa.

“Quero agradecer a Deus pela oportunidade de ter entrado nesta instituição, que muitos almejam entrar. Quero agradecer ao diretor Dr. Sérgio, meu orientador, e à nossa presidente, Dra Nísia, pela homenagem”, disse lembrando também dos momentos dedicados ao trabalho em campo e de suas ausências da família, em função do trabalho.

AMAZÔNIAS

Na oportunidade, foi lançado o livro “Amazônias em tempos contemporâneos: entre diversidades e adversidades”, organizado por Jane Felipe Beltrão e por Paula Mendes Lacerda.

O livro reúne trabalhos de vinte autores.

Os autores da coletânea são de formação diversificada e têm em comum a luta por um Brasil plural e democrático. São eles: Ana Lúcia Pontes, Antonio Carlos de Souza Lima, Antonio Motta, Assis da Costa Oliveira, Bruno Pacheco de Oliveira, Camille Gouveia Castelo Branco Barata, Clarisse Callegari Jacques, Jane Felipe Beltrão, Katiane Silva, Laise Lopes Diniz, Luiza Garnelo, Mariah Torres Aleixo, Paula Mendes Lacerda, Rita de Cássia Melo Santos, Rodrigo de Magalhães Oliveira, Rosani de Fatima Fernandes, Rhuan Carlos dos Santos Lopes, Sully Sampaio, Thiago Lopes da Costa Oliveira, e William César Lopes Domingues.

ANTONIO LEVINO

Como parte da celebração, também, foi homenageado Antonio Levino da Silva Neto, pesquisador do ILMD, falecido recentemente, e que agora empresta seu nome à biblioteca do Instituto, que em 2017 completa 15 anos.

Descerramento da placa da biblioteca Antonio Levino da Silva Neto.

A placa com o nome da biblioteca foi descerrada pela família de Levino, esposa e filhas, e pela presidente da Fiocruz. Em suas palavras, a viúva agradeceu a homenagem e falou do carinho que o esposo tinha pela instituição, em especial pelo conhecimento e dedicação a formação de pessoas na região.

A biblioteca atualmente é conduzida pelo bibliotecário Ycaro Verçosa dos Santos, que acompanhou a atividade, e aproveitou para apresentar o espaço à presidente e convidados, bem como falar do acervo local.

CANTO E ALEGRIA

Orquestra Puxirum

O dia foi de homenagens e celebrações no ILMD/ Fiocruz Amazônia. Para propiciar ainda mais alegria e brilhantismo ao evento, convidados e comunidade foram agraciados com a belíssima voz da cantora regional Márcia Siqueira, e depois pela Orquestra Puxirum, de música popular instrumental.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes

14ª Reunião Anual de Iniciação Científica do ILMD encerra com a apresentação de 23 projetos de pesquisa

A 25ª Reunião Anual de Iniciação Científica (RAIC) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e 14ª RAIC do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) reuniu 23 trabalhos de bolsistas do Programa de Iniciação Científica (Paic) e do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic) da Fiocruz Amazônia, de 2016/2017. As apresentações aconteceram na quinta-feira (8/6), no Salão Canoas, na sede do Instituto.

As bolsas do Paic e Pibic são concedidas com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), respectivamente.

Segundo o coordenador do Programa de Iniciação Científica  e Tecnológica (PIC), do ILMD/Fiocruz Amazônia, Dr. Felipe Pessoa, os projetos de pesquisa apresentados são de graduandos de diferentes instituições de ensino superior de Manaus, nas áreas de epidemiologia, parasitologia, imunologia, microbiologia, inovação tecnológica, científica e social.

“A RAIC é uma oportunidade para se avaliar e fazer uma reflexão sobre os trabalhos, de fazermos também uma avaliação indireta do orientador, no intuito de sabermos se ele soube formar aquele estudante, se soube despertar vocação científica no aluno”, destacou Pessoa.

Da direita para a esquerda, Dr. Felipe Pessoa, Dra. Rosana Parente, Dr. Sérgio Luz, e Dr. Felipe Naveca.

A 14ª. RAIC do ILMD iniciou às 9h. A mesa de abertura foi composta pelo diretor do Instituto, Dr. Sérgio Luz, pelo vice-diretor de Pesquisa e Inovação, Dr. Felipe Naveca, pela Dra. Rosana Parente (representando a vice-diretora Ensino, Comunicação e Informação), e pelo Dr. Felipe Pessoa.

Após a abertura ocorreu uma palestra e, em seguida, as comunicações orais.

Acesse aqui ao Livro de Resumos – RAIC 2017.

PALESTRA

Bastante entusiasmado com o evento, o reitor da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Cleinaldo Costa, ministrou a palestra “Do dente-de-leite ao profissionalismo”, na qual falou entusiasticamente de sua experiência na pesquisa, que começou no ingresso nos programas de iniciação científica.

Dr. Cleinaldo Costa, reitor da UEA.

“A iniciação científica me fez buscar o conhecimento, abriu as portas para o mundo e me fez buscar entender a realidade da Amazônia’, declarou Cleinaldo Costa.

Na oportunidade, o reitor também apresentou um panorama da UEA, tanto a respeito dos investimentos e dos custos, isso para indicar que o melhor investimento que Estado pode fazer para o cidadão é a educação.

A 14ª Reunião Anual de Iniciação Científica (RAIC) foi considerada um sucesso pela coordenação do evento e o público presente. Após esse encontro está previsto outro que deve ocorrer em agosto, no qual os melhores trabalhos serão reconhecidos.

Acesse as fotos da 14ª. RAIC do ILMD/Fiocruz Amazônia em https://goo.gl/yZHTki. Curta a nossa fanpage.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes