53º Medtrop: aluno do PPGVIDA destaca-se no Prêmio Jovem Pesquisador 2017

Jordam William Pereira Silva, aluno de mestrado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA), do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), orientando do Dr. Felipe Pessoa, ficou em 3º lugar no Prêmio Jovem Pesquisador 2017, na categoria Mestrado, do 53º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (Medtrop).

O evento da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT), que ocorre em Cuiabá (MT),  no período de 27 a 30 de agosto, contabilizou 705 trabalhos concorrentes ao Prêmio Jovem Pesquisador, nas categorias graduação, mestrado e doutorado.

O trabalho apresentado por Jordam Silva no Medtrop,  Evidence of Zika virus venereal transmission in Aedes aegypti mosquitoes, foi publicado recentemente (17/8), no periódico Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. O artigo foi escrito com outros autores: Valdinete Alves do Nascimento, Heliana Christy Matos Belchior, Jéssica Feijó Almeida, Felipe Arley Costa Pessoa, Felipe Gomes Naveca, e  Claudia María Ríos-Velásquez.

Jordam Silva  defendeu sua dissertação no último dia 23/8, no ILMD/Fiocruz Amazônia, sob o título “Aspectos ecológicos de vetores putativos do vírus mayaro e vírus oropouche em estratificação vertical e horizontal em ambientes florestais e antropizados em uma comunidade rural no Amazonas”.

SOBRE A DISSERTAÇÃO

A coleta de dados da pesquisa de mestrado de Jordam Silva foi realizada  no assentamento rural de Rio Pardo,  no município de Presidente Figueiredo (AM), em área considerada endêmica para vírus mayaro (MAYV) e vírus oropouche (OROV).

O trabalho teve como objetivo estudar as espécies de mosquitos encontradas no assentamento rural de Rio Pardo, avaliar seu papel no ciclo de transmissão de MAYV e OROV, e os fatores de risco a esses vetores na população humana do assentamento. Os mosquitos foram coletados durante os meses de junho, julho, novembro e dezembro de 2016. No total foram capturados 3.750 mosquitos, classificados em 46 espécies  e distribuídos em 17 gêneros.

Além disso, foram entrevistadas 490 pessoas, em 141 domicílios. Dos domicílios pesquisados, 85% ficam perto da floresta, 63% perto do igarapé e 45% perto da roça.

Os resultados alcançados com o estudo  mostram a circulação de importantes vetores de arbovírus e arboviroses emergentes, fortemente influenciados pelas transformações nos ambientes como desmatamento, construção de estradas e criação de assentamentos. Neste estudo também foi registrada a infecção de mosquitos com o OROV no ambiente de floresta,  o que aumenta o risco da população adquirir o vírus.

SOBRE O PESQUISADOR

Jordam é graduado em Biomedicina pela Faculdade Estácio do Amazonas (2015) e mestre em Saúde Coletiva pelo ILMD/Fiocruz Amazônia. Desde 2013 atua no ILMD/Fiocruz Amazônia,  em projetos relacionados à interação patógeno-hospedeiro utilizando como modelo Anopheles aquasalis infectados com Plasmodium vivax e Aedes aegypti infectados com Zika vírus.

Para mais informações, clique.

53º MEDTROP

Esta edição do Medtrop aborda o tema “Ambiente e Doenças Tropicais: desafios para campos e cidades”, com enfoque nas endemias brasileiras das mais diversas regiões e realidades. Arboviroses, AIDS, sífilis, leismanhioses, Chagas, hanseníase, malária e hepatites virais também estão entre os destaques da programação.

O Congresso é realizado anualmente e visa estimular o intercâmbio com pesquisadores nacionais e internacionais e parcerias com órgãos públicos e privados, gerando recomendações que possam contribuir para o aprimoramento da formação de profissionais de saúde e da atenção à saúde, em seus diferentes níveis, com ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação à saúde, na perspectiva da integralidade da assistência, com responsabilidade social e compromisso com a cidadania.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas

Foto: Eduardo Gomes