53º Medtrop aborda “Ambiente e doenças tropicais: desafios para campos e cidades”

Começou ontem (27/8) o 53º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (Medtrop), em Cuiabá, no Centro de Eventos Pantanal.  A edição deste ano aborda o tema “Ambiente e Doenças Tropicais: desafios para campos e cidades”, com enfoque nas endemias brasileiras das mais diversas regiões e realidades. Arboviroses, AIDS, sífilis, leismanhioses, Chagas, hanseníase, malária e hepatites virais também estão entre os destaques da programação.

O Congresso é realizado anualmente e visa estimular o intercâmbio com pesquisadores nacionais e internacionais e parcerias com órgãos públicos e privados, gerando recomendações que possam contribuir para o aprimoramento da formação de profissionais de saúde e da atenção à saúde, em seus diferentes níveis, com ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação à saúde, na perspectiva da integralidade da assistência, com responsabilidade social e compromisso com a cidadania. O 53º. Medtrop acontece até quarta-feira (30/8).

Participam desta edição pesquisadores de várias unidades da Fiocruz.  A mesa redonda (MR 20), que acontece amanhã, 29/8, à tarde,   sob o tema “Desafios e oportunidades para diagnóstico e tratamento de filarioses na Amazônia”,  conta com a participação de pesquisadores do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia). Sérgio Luiz Bessa Luz será o moderador. Os palestrantes são Jansen Medeiros (Fiocruz RO), para falar sobre o “Contexto da epidemiologia de filarioses na Amazônia”; Ana Carolina Paulo Vicente (ENSP/Fiocruz) abordará sobre “Genômica das filarioses na Amazônia; James Lee Crainey (ILMD/Fiocruz Amazônia) discorrerá sobre “Diagnóstico de filárias na Amazônia”; e Sergio de Almeida Basano, do Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron/RO) vai falar sobre o “Tratamento de Mansoneloses na Amazônia”.

SBMT

A Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT) foi fundada em 1962, e  tem, ao longo de sua história, mantido um compromisso técnico-político de apoiar os órgãos públicos e particulares envolvidos no enfrentamento e controle de doenças tropicais, infecciosas e parasitárias, em várias frentes de apoio, respeitando as diretrizes do SUS, promovendo e incentivando estudos e pesquisas em Medicina Tropical, em seus aspectos epidemiológicos, etiológicos, clínicos, fisiopatológicos, terapêuticos e preventivos, considerando os seus condicionantes físicos, biológicos, socioeconômicos, políticos, ambientais e físicos, a fim de dar assessoria técnico-científica, estimular educação permanente, promover reuniões, congressos, cursos e simpósios, de âmbito internacional, nacional e regional, sobre assuntos relacionados à Medicina Tropical; promover intercâmbio cultural com instituições científicas, nacionais ou estrangeiras, além de divulgar conhecimentos técnico-científicos em sua revista científica.

A SBMT tem caráter multidisciplinar, albergando em seu quadro profissionais de diferentes áreas da saúde, tais como entomologistas, epidemiologistas, parasitologistas, patologistas, imunologistas, biólogos, enfermeiros, farmacêuticos, médicos, ecologistas, engenheiros sanitaristas, pesquisadores, professores universitários, entre outros.

Anualmente promove o Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, estimulando o intercâmbio com pesquisadores nacionais e internacionais e parcerias com órgãos públicos e privados, gerando recomendações que possam contribuir para o aprimoramento da formação de profissionais de saúde e da atenção à saúde, em seus diferentes níveis, com ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação à saúde, na perspectiva da integralidade da assistência, com responsabilidade social e compromisso com a cidadania.

Marcus Vinicius Lacerda, pesquisador do ILMD/Fiocruz Amazônia e diretor da Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) é o atual presidente da SBMT.

Durante a abertura do Medtrop houve a entregue da Medalha de Honra ao Mérito Carlos Chagas 2017 e a premiação dos vencedores do Prêmio Jornalista Tropical 2017, nas categorias Impresso, TV e Online, do Prêmio Jovem Pesquisador, nas categorias graduação, mestrado e doutorado, e o Prêmio Young Investigators Institut Merieux/SBMT.

 

Ascom/ILMD, com informações do Medtrop